Stop violence: ossos para enxergar

Um esqueleto humano separado e unido novamente para simplificar a ideologia de uma guerra. "Stop Violence" surpreende pela criatividade e impõe-se pela mensagem atroz a respeito da humanidade e de seus interesses simples e desumanos - tais como um osso sem vida.



francois, guerra, morte, ossos, robert, violencia

Você comparece ao leilão de uma escola que está sendo desativada para comprar alguns armários. Incomum, certo? E que tal se num destes armários houvesse um esqueleto? Pode parecer introdução de algum filme de comédia-terror mas, na verdade, é a origem de um trabalho magnífico.

A pessoa na situação citada foi Francois Robert, um fotógrafo reconhecido pelo seu trabalho provocativo. Dispondo do esqueleto em questão, que anteriormente serviu como utensílio a alguma aula de anatomia, Robert tentou usá-lo para um trabalho fotográfico sem muito sucesso. Provavelmente achou-o acadêmico demais, e assim concluíu que precisava de um esqueleto de verdade para poder desmontá-lo. Sim, a máxima “Você pode comprar qualquer coisa pela internet” parece ser verdadeira.

Robert, todavia, já tinha uma ligação com ossos e seu trabalho: como fotógrafo da Field Museum de Chicago, tirou 141 fotografias de esqueletos de animais, trabalho este que percorreu os Estados Unidos durante oito anos. “Os ossos sempre me fascinaram”, revela o fotógrafo.

Em 2007, ao se encontrar desempregado devido à recessão, Francois Robert encontrou muito tempo livre e logo descobriu o que fazer com ele. Contatando o dito fornecedor de ossos pela internet realizou a encomenda de uma caixa contendo 206 ossos distintos e reais, nada de plástico ou resina.

francois, guerra, morte, ossos, robert, violencia

Cada fotografia exigia um dia inteiro de trabalho para ser realizada. A montagem dos ossos, até formarem esta imagem icônica de quase 2 metros, era uma tarefa difícil, tendo em conta a necessidade de um ponto de observação distanciado para a formação visual perfeita. “Passei o ano de 2008 de joelhos” lembra Robert.

Outro fato importante é a limitação de recursos para a montagem destas imagens, uma vez que o fotógrafo possuía um número limitado de vértebras, costelas, etc. E um crânio, comumente visto em seu trabalho e atraindo os olhares como um ponto referencial, talvez por ser o osso que evidencia a natureza dos demais e transparece a propriedade humana. O plano de fundo completamente negro também trouxe um contraste preciso aos ossos, dando o tom de sobriedade necessário, como pode ser visto em seu trabalho final.

A criação de imagens tão completas e fidedignas através da disposição de ossos fascina e encanta nossa percepção. Todavia, a grandiosidade do trabalho se deve à ligação crítica e poética do material usado e da mensagem escolhida.

Neste trabalho figurativo, Francois Robert formou imagens que tornaram visíveis os interesses, os supostos ideais, motivos e instrumentos de uma guerra. Robert utilizou um símbolo de morte que, através da arte, ressurge para impedir a morte. A magnitude de seu trabalho é fazer com que o resultado de uma guerra - a morte e a destruição expressadas através dos ossos precisamente humanos - se torne auto-explicativo e revele toda a barbárie contida no ser humano. Toda a desumanidade de ser humano.

francois, guerra, morte, ossos, robert, violencia

francois, guerra, morte, ossos, robert, violencia

francois, guerra, morte, ossos, robert, violencia

francois, guerra, morte, ossos, robert, violencia

Série fotográfica de "Stop The Violence"www.hammergallery.com

tiago andré vargas

se caracteriza como atos em determinadas circunstâncias, ações e reações sobre um caos relativamente ordenado.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
x2
 
Site Meter