As cidades de cartão de Ana Serrano

Ana Serrano é daquelas pessoas que durante um simples passeio vai captando os detalhes da paisagem urbana que observa. Em vez de direccionar a sua atenção à arquitectura de construção dos edifícios, o seu olhar fixa-se na “arquitectura espontânea” dos mesmos. Tanto em “Cartonlandia” como em “Salão de Beleza”, a artista recria cidades e vidas coloridas em esculturas feitas de cartão.


ana, cartao, cidades, escultura, serrano © Ana Serrano, Ethel’s, 2009, Foto: Julie Klima.

Ana Serrano nasceu e vive em Los Angeles, embora tenha ascendência mexicana. Desde pequena que a beleza urbana característica dos bairros da região a fascina, sobretudo a “pouco tradicional” - como refere. Aquilo que, na visão de uma cidade convencional e organizada, talvez fosse considerado pouco estético. O seu olhar não se prende na própria construção dos edifícios, mas nos detalhes espontâneos dos mesmos: cores vivas e fortes, grandes letreiros, ilustrações pintadas à mão ou antenas parabólicas que parecem ter ganhado vida.

Enquanto via algumas fotografias tiradas numa viagem a Guanajuato, no México, pareceu-lhe que as casas retratadas tinham sido construídas umas em cima das outras numa encosta íngreme. Serrano começou então a pesquisar outros exemplos semelhantes. Encontrou também nas favelas do Rio de Janeiro e nas aldeias italianas de Cinqueterre a base para o seu projecto de 2006, “Cartonlandia”. A artista criou uma série de esculturas de edifícios em cartão e colocou-as “numa montanha de casas”. Incorporou portas, janelas e pormenores coloridos da cidade.

Em “Salão de Beleza”, de 2008, Serrano amplia esses mesmos pormenores. Igualmente usando o cartão, mistura estes aspectos da “arquitectura espontânea” e efémera dos bairros, que regularmente vão sendo feitos e desfeitos pelos seus habitantes. Novas pinturas nas fachadas, lojas que mudam as suas montras, cartazes e anúncios em outdoors e antenas ou ares condicionados que se destacam.

ana, cartao, cidades, escultura, serrano © Ana Serrano, Blue House, 2008, Foto: Julie Klima.

Quando Serrano viu a frase “Salon of Beauty” na parede de um salão de beleza estranhou, mas gostou da sonoridade. Soube mais tarde que esta era a tradução literal de “Salón de Belleza”, que por norma seria “Beauty Salon”. Acabou por adaptar este nome ao seu projecto, pois encaixava na perfeição. Captar a “beleza” urbana menos apreciada, repleta de imprevistos e surpresas, que dá cor e vida a quem lá reside.

Desde 2008 (ano em que se licenciou em Belas Artes) já participou em diversas exposições por Los Angeles e viu os seus trabalhos publicados na “Lamono Magazine”, “American Style Magazine” e “STEP Inside Design”. Criou também cenários, acessórios e ilustrações para clientes como Christian Louboutin e Sephora.

ana, cartao, cidades, escultura, serrano © Ana Serrano, Lety’s, 2009, Foto: Julie Klima.

ana, cartao, cidades, escultura, serrano © Ana Serrano, Cartonlandia, 2006, Foto: Julie Klima.

ana, cartao, cidades, escultura, serrano © Ana Serrano, Cartonlandia, 2006, Foto: Julie Klima.

www.anaserrano.com

www.ricegallery.org


diana ribeiro

Gosta de cores, comer algodão doce, ouvir as ondas do mar, cheirar e tocar em livros novos. Não dispensa o uso de nenhum dos sentidos.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 3/s/artes e ideias// @obvious, @obvioushp //diana ribeiro