Nelson Leirner e a política do pop

O artista brasileiro a partir do popular cria uma obra repleta de ironia e polêmica. Questionador, o artista utilizou diversas linguagens para reflexão sobre a arte no mundo e na própria sociedade. Politico e idealista vendeu seu primeiro trabalho somente no ano de 1991. Segundo o próprio Leirner, nem sua obra nem os trabalhos que vemos sendo vendida hoje pode ser considerada arte.


arte, arte brasileira, Leirner, Nelson, pop politica © Nelson Leirner, "Quebra-cabeças Duchamp" (2001).

Pintor, desenhista, cenógrafo, Leirner apresentou a partir da década 1960 uma obra experimental e transgressiva, sempre buscando espaços alternativos para prática artística, com engajamento politico em frente à ditadura, atuando como professor de diversos artistas brasileiros contemporâneos e influenciando outros tantos.

Nelson Leirner nasceu em São Paulo em 1932, estudou engenharia têxtil nos Estados Unidos, mas não chegou concluir o curso. Entre 1956 e 1958, estudou artes plásticas com os artistas Joan Ponç e Samson Flexor e em 1966, fundou e integrou o Grupo Rex, juntamente com outros artistas brasileiros, que criam o jornal Rex Time e a Rex Gallery & Sons trabalhos que ironizavam o sistema de arte vigente.

O artista é um dos grandes representantes do vanguardismo brasileiro na década de 1960, sua trajetória artística é repleta de polêmicas e pela busca de atingir as pessoas com seus questionamentos sobre a arte, através de estratégias estéticas ou experimentais. Sua crítica esteve sempre voltada para a arte pasteurizada que desperta as pessoas de seu entorpecimento ocasionado pela sociedade de consumo.

arte, arte brasileira, Leirner, Nelson, pop politica © Nelson Leirner, "Quebra-cbeças Duchamp" (2001).

arte, arte brasileira, Leirner, Nelson, pop politica © Nelson Leirner, "Sothebys" (2000).

O artista criou happenings e instalações, mas herdeiro de Duchamp, seu olhar sempre voltou-se para busca em temas populares e nos objetos do nosso cotidiano – como santinhos de gesso, brinquedos, relógios e qualquer coisa encontrada em lojinhas - questões sobre a arte e elaborou obras que pediam a participação do público.

arte, arte brasileira, Leirner, Nelson, pop politica © Nelson Leirner, "Porco empalhado com presunto pendurado no pescoço (1967)".

Suas obras sempre possuem um ar divertido e sarcástico. Em 1967, entrou para história da arte com uma das obras mais importantes e irônicas, ao criar o Happening da crítica ao enviar um porco empalhado com um presunto amarrado, para o 4º Salão de Brasília e questiona publicamente a aceitação da obra e solicita ao júri uma explicação. Já em 1980 Leirner levantou outra polêmica ao ter sua exposição em uma galeria cancelada, como protesto lançou o seguinte texto:

“Consegui, Vinte anos de tentativas para finalmente chegar aonde queria: VENDA GARANTIDA, ARTE COMPROMISSADA, ARTE COMERCIAL PURA. Divulgo a fórmula: 1 – PRODUTO: tem de ter certas características constantes. (Usei em todos os trabalhos o mesmo estilo, a mesma medida e a mesma moldura). A sociedade sempre quer reconhecer o autor, pois isto lhe dará uma dupla satisfação: a de não estar comprando gato por lebre e a de sentir-se altamente culta. 2 – DIMENSÃO: quanto maior a dimensão do trabalho, maior o seu valor financeiro, sem esquecer o espaço médio da moradia do comprador. Os tamanhos mais vendáveis são acima de um metro e abaixo de um metro e cinqüenta. (Usei, como medida base, um metro e dez). 3 – TABELA DE PREÇOS: nos trabalhos bidimensionais, temos um valor já preestabelecido em função dos matérias usados. Do mesmo autor, um trabalho a óleo vale mais que acrílico, que vale mais que aquarela, que vale mais que têmpora, que vale mais que bico-de-pena, que vale mais que lápis de cera, que vale mais que lápis de cor, que vale mais que grafite, e assim por diante. (Resolvi usar todos os matéria pois deve valer muito mais um trabalho que usa óleo, mais acrílica, mais aquarela, mais têmpora, mais bico-de-pena, mais lápis de cera, mais lápis de cor, mais grafite e outros matérias). 4 – ESTÉTICA: o problema estético, apesar de secundário, também deve ser levado em conta. Nos dias de hoje a sociedade divide basicamente sua preferência entre duas tendências: o figurativismo e o abstracionismo. No figurativismo, o fato do trabalho ser entendido lhe dá a sensação de aproximação com o artista, tornando-se cúmplice. Os que preferem o abstracionismo alegam que, ao sentir o artista, colocam-se mais perto de seu mundo mágico, tornando-se também seu cúmplice. (Agora terei todos como amigos; usei ambas tendências: o real e o imaginário) 5 – O MARCHAND E A CRÍTICA: será uma festa completa. O marchand terá, através de suas comissões, pagos todos os investimentos, fora o lucro e a pseudo-sensação de mecenato. Os críticos continuarão com seus empregos garantidos através de suas reportagens, colunas sociais e trabalhos representativos dentro dos órgãos governamentais. 6 – O ARTISTA: ele poderá sentar-se numa alta roda de jogadores, filar a última carta, apostar alto e esperar que paguem para ver.”

Sua obra cheia de referências à arte contemporânea e a sociedade de consumo, além de seu humor ácido na escrita e nas imagens, marcam Leirner como um dos maiores artistas brasileiros. Nelson nos faz refletir sobre nossa inabilidade em questionar o mundo, principalmente o mundo das artes que sempre apresenta ou transforma algo um produto novo, até mesmo Leirner.

arte, arte brasileira, Leirner, Nelson, pop politica © Nelson Leirner, "Que horas são Dona Cândida" (1965).

arte, arte brasileira, Leirner, Nelson, pop politica © Nelson Leirner, "Mapa" (2007).

arte, arte brasileira, Leirner, Nelson, pop politica © Nelson Leirner, "Homenagem a Mondrian" (2009).

arte, arte brasileira, Leirner, Nelson, pop politica © Nelson Leirner, "Construtivismo Naval" (2007).

arte, arte brasileira, Leirner, Nelson, pop politica © Nelson Leirner, "Você fas parte II" (1964).

arte, arte brasileira, Leirner, Nelson, pop politica © Nelson Leirner, "Cubo de dados" (1970).


carolina carmini

gosta de pensar que se não tivesse nascido, alguém a teria inventado.
Saiba como escrever na obvious.
version 11/s/musica// @obvious, @obvioushp //carolina carmini