A soberba: a raiz de todos os pecados

Um dos maiores inimigos do homem é inerente a ele, é seu instinto. Condenado pelos sistemas religioso e secular, é vista como uma atitude infausta, uma eficiente pedra de tropeço e a própria condenação espiritual do homem: a soberba.


pecados capitais deus mortais religiao soberba representação dos sete pecados capitais - BOSH

Somos soberbos e não nos damos conta, ou nunca admitimos. À luz da Bíblia estamos todos contaminados pelo orgulho. De acordo com o escritor italiano Dante Alighieri, em sua obra "A Divina Comédia", os orgulhosos estão no ponto mais distante de Deus. Culturas antigas como a greco-romana, desde os primórdios dos tempos, considera o orgulho uma doença da alma. O tempo passou, mas o orgulho do homem permanece nele. Somos, por excelência, aqueles cheios de si. E junto de toda essa nossa empáfia existencial, carregamos outros males intrínsecos a ela. É por esta soberba que nos corrompemos com mentiras, enganações, invejas, obsessões – violando não somente o bom sendo e justiça na convicência dentro da sociedade, mas também os mandamentos de Deus, segundo a doutrina cristã. O impacto da soberba no mundo pode ser verificado em toda a história da humanidade, desde muito antes de Cristo, passando por iniquidades e negligências sociais, Segunda Grande Guerra, até os dias de hoje.

De acordo com o cristianismo, a humildade de espírito é uma virtude que é a base para toda ação e argumento. Tal admoestação contra a soberba é encontrada em toda a Bíblia, de Gêneses a Apocalipse, e intensamente condenada. Em Provérbios está escrito: “A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito, a queda”. A 1ª Epístola de João adverte que a soberba da vida é semente de todo o pecado. Na visão cristã, a soberba faz com que o homem busque incessantemente a própria satisfação, sem nenhum temor ou discernimento, numa filosofia de vida humanista e autossuficiente – a qual valoriza o homem que independe da misericórdia e graça de Deus. É a criação que veio do pó, vangloriando-se perante o seu Criador.

A censura à soberba sempre teve um lugar de destaque nas doutrinas das Igrejas que professam a fé cristã. Tanto a Católica quanto a Protestante, assim como as NeoPentecostais. No entanto, foi a Igreja Católica que a colocou no alto de uma lista que chamou de “os pecados capitais”, os passíveis de condenação. Entrementes, esta lista não consta na Bíblia como “pecados capitais”. Sabe-se que surgiu por volta do ano 375 e foi atribuída a um monge grego, Evágrio Pôntico. Ele teria listado o que considerava oito doenças espirituais. Mais tarde, no ano 590, o Papa Gregório I incorporou a lista à doutrina católica, sob o título de “Os Pecados Capitais”, além de reduzi-la para sete. Mas no século XVII, São Tomás de Aquino a modificou novamente, de acordo com o que considerava mais grave, deixando-a como conhecemos hoje: Gula, Avareza, Luxúria, Ira, Inveja, Preguiça e Soberba (ou Vaidade).

pecados capitais deus mortais religiao soberba exploração de dante do mundo espiritual, mostrado em um exemplar da divina comédia

No topo da lista católica – que dividiu os pecados em dois grupos – para muitos teólogos e estudiosos das Escrituras, está a soberba como sendo o pilar de toda a transgressão do homem. Isso porque a soberba é considerada como o pecado original, uma vez que existia muito antes do homem e da criação. Uma linha teórica cristã acredita que Satanás, o anjo caído, se corrompeu em soberba. O livro de Isaías, por exemplo, relata a queda do anjo “Derrubada está na cova a tua soberba (...) serás precipitado para o reino dos mortos, no mais profundo abismo”. No entanto, alguns teólogos rejeitam essas passagens bíblicas por não acreditarem que se referem a tal fato. E por isso, para eles, a soberba surgiu com o homem.

Além do cristianismo, o judaísmo e o islamismo também atribuíram à soberba vários conceitos como semente do mal, destruidora dos homens, maldição e queda do espírito, ruína e crimes da alma, praga maldita, paixões da carne, etc. No poema de Dante Alighieri, “A Divina Comédia” – o purgatório principal é composto por sete círculos, os quais representam os sete pecados capitais. No primeiro círculo encontram-se os “orgulhosos” (ou os soberbos), e o aponta como o que mais se distancia de Deus, já que ali se encontra o alicerce para uma vida de pecado. A penitência para eles é o exercício da humildade.

pecados capitais deus mortais religiao soberba belial, o demóno do orgulho

A soberba é manifestada em nós o tempo todo. E faz sentido quando pensamos em nosso egocentrismo, ou em nossa vaidade e ambição exasperada, ou em nossa necessidade de grandeza e valorização. E em como batemos orgulhosos no peito bradando o próprio nome, com espírito altivo. Somos melhores que todos os outros, merecemos mais. Exigimos respeito, exigimos reconhecimento, queremos poder, queremos status, queremos atenção para o que consideramos ser a mais maravilhosa criação dos céus: nós mesmos. Triste verdade para nós, grave pecado segundo o cristianismo. Pura soberba. Tudo vaidade – como já dizia o sábio Rei Salomão. Contudo, temos já garantido um canto no primeiro círculo de Dante.

pecados capitais deus mortais religiao soberba papa Gregório

pecados capitais deus mortais religiao soberba relicário em forma de uma cruz cristã


rejane borges

Gosta das cores de folhas secas ao chão. E das cores das folhas velhas dos livros.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //rejane borges