O rei dos "chick flicks": o cinema de Nicholas Sparks

Seu nome é o bastante não só para atrair as mulheres para as livrarias como também para os cinemas. As adaptações cinematográficas das obras do romancista, mesmo que nem sempre de qualidade congruente, populam as listas de favoritos de fãs ardilosas.


cinema, nicholas, romance, sparks © New Line Cinema.

As mulheres o adoram. Já os homens, o aturam. Exageros à parte, o material literário produzido pelo escritor norte-americano Nicholas Sparks já chegou à tela do cinema seis vezes, e, em todas estas ocasiões, criou filmes que apelavam de forma bem-sucedida ao íntimo feminino. São romances caracterizados pelo tom de conto de fadas, só que calcados no mundo real. Dos chamados "chick flicks" (do inglês informal, "filmes para meninas"), são os com maior grife.

"Diário de uma Paixão" ("Diário da Nossa Paixão" em Portugal), "Uma Carta de Amor" ("As Palavras que Nunca Te Direi"), "Um Amor para Recordar" ("Um Momento Inesquecível"), "Noites de Tormenta" ("O Sorriso das Estrelas"), "Querido John" ("Juntos ao Luar") e "A Última Música" ("A Melodia do Adeus") ganharam as telas dos cinemas e, assim, os corações de diversas pessoas. A maioria, sim, são mulheres: mais sensíveis aos temas abordados, como romances impossíveis e por vezes trágicos, promessas que atravessam gerações e o surgimento de homens perfeitos para mulheres imperfeitas.

A primeira adaptação foi a de "Uma Carta de Amor" ("As Palavras que Nunca Te Direi"), em 1999. Na história, uma jornalista (interpretada no filme por Robin Wright Penn, de "Forrest Gump") descobre garrafas com mensagens de amor dentro, enviadas por um tal de G (interpretado por Kevin Costner, de "Waterworld"). Ao buscar sua verdadeira identidade, apaixona-se por ele. A adaptação foi dirigida por Luis Mandoki e roteirizada pelo próprio Sparks. O sucesso do filme ficou restrito ao público do livro, algo que mudaria no futuro.

cinema, nicholas, romance, sparks © Warner Bros.

Depois de lançar a adaptação de "Um Amor para Recordar" ("Um Momento Inesquecível"), Sparks deixou o posto de roteirista no próximo filme, que viria a ser o maior sucesso dentre os seis: "Diário de uma Paixão", ou "O Diário da Nossa Paixão". A história gira em torno de Allie (Rachel McAdams) e Noah (Ryan Gosling), que se apaixonam em um verão dos anos 40, mas são separados pelas circunstâncias: a guerra. Esse afastamento faz com que Allie fique noiva de outro. Apesar disso, quando descobre o paradeiro do amado anos depois, tenta encontrá-lo. O filme arrecadou US$ 115 milhões nos cinemas americanos e ganhou uma sobrevida considerável no mercado de home vídeo através das locadoras e exibições pela televisão.

Em 2008 e 2010, ainda chegaram aos cinemas as adaptações "Noites de Tormenta" ("O Sorriso das Estrelas"), "Querido John" ("Juntos ao Luar") e "A Última Música" ("A Melodia do Adeus"). Neste momento, está em etapa de produção mais um filme com o carimbo de Sparks: "The Lucky One", ainda sem título em português. Fora este, já há outro com lançamento marcado para 2012 ("Safe Haven") e outro cujos direitos já foram comprados pelos estúdios da Warner Brothers ("The Best of Me").

Nicholas Sparks se destaca não só pela forma como cativa leitores e espectadores, como também por ter seu nome transformado em uma verdadeira grife no cinema. Poucos autores de trabalhos originais têm esta honra. Independentemente de quem seja o diretor ou o roteirista, se o filme tiver o nome de Sparks em seu pôster, é garantia de sucesso.


deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/cinema// @obvious, @obvioushp //ricardo prado