Pelo direito de morrer

Até onde vai a coragem de um homem? Até onde vai a liberdade de um homem? Até onde vai seu instinto de sobrevivência? Até que ponto a vida vale a pena?


alejandro, amenabar, bardem, eutanasia, javier, morte, ramon, sampedro

Meu avô paterno um dia me disse que o homem que acredita ser livre é estúpido. Meu avô, que morreu sem acreditar que o homem foi à Lua, sabia – na sua mais simples concepção de mundo – sobre as questões que definem o ser humano. E, com sabedoria, meditava acerca delas. Quando assisti ao filme “Mar Adentro” (2004) me lembrei de suas palavras. “O homem não é livre, nem ao nascer, nem no viver e nem ao morrer. A única coisa livre que existe é a vontade de o ser.”

alejandro, amenabar, bardem, eutanasia, javier, morte, ramon, sampedro

alejandro, amenabar, bardem, eutanasia, javier, morte, ramon, sampedro

alejandro, amenabar, bardem, eutanasia, javier, morte, ramon, sampedro

Ramón Sampedro é um pescador que fica tetraplégico com 25 anos de idade, após um acidente de mergulho. Ramón vive numa cama, totalmente dependente. Precisa do auxílio de amigos e familiares para executar as tarefas mais habituais. O que para qualquer homem é uma simples ação, para ele é uma verdadeira odisseia de superação. E odisseias, cá entre nós, cansam. Ramón se cansa. A única forma que ele encontra para sair de sua atroz condição é olhar pela janela e ali ter um momento de abstração. A janela de seu quarto, que lhe dá acesso ao mundo, o encara implacável, desafiando-o na sua total incapacidade. Mas Ramón revida. Deitado, sente a refrescante brisa que entra pelos caminhos por onde o vento avança, e sonha com o que poderia fazer se a esperança ainda lhe restasse em algum canto da alma. Sonha como sonham os meninos que abrem os braços para o mundo. Mas apenas sonha. E sabe que não pode viver de sonhos, embora já o tivesse feito por quase 30 anos depois do acidente.

De um passado livre à paralisia do presente e à impossibilidade de um futuro. Ramón conclui que a vida jamais lhe dará opções e escolhe livrar-se do sofrimento e libertar seu corpo e alma daquela cama. Começa, então, uma luta contra o sistema. Ramón, sob os holofotes, discute até que ponto chega nossa suposta liberdade individual e defende que é direito de todo o ser humano ter controle sobre o próprio corpo – a única coisa que realmente possuímos. Quer provar que a escolha pela morte assistida está além de qualquer sanção jurídica e que o Estado não pode obrigá-lo a viver naquelas condições. Por querer morrer dignamente recorre aos tribunais superiores da Espanha e à Comissão Européia de Direitos Humanos, provocando uma verdadeira crise ética na sociedade espanhola, a qual se divide perante o drama do pescador. A estória de Ramón é verídica, levada às telas pelo diretor Alejandro Amenábar.

alejandro, amenabar, bardem, eutanasia, javier, morte, ramon, sampedro

A filmografia de Amenábar – chileno radicado em Madri – ainda é modesta. No entanto, sua lista ostenta nomes como Abre los ojos (1997) – refilmado em 2001 sob o título de Vanilla Sky – e Os Outros (2001). Excelentes trabalhos que exploram a nossa necessidade de reafirmar a própria existência, assim como nosso potencial em transfigurar realidades e revolver possíveis identidades a fim de lidarmos com as variadas questões existenciais. Medos, anseios, angústias, solidão. E é por meio de metáforas que Amenábar, brilhantemente, disseca tais temas em seus filmes. Mas, em minha opinião, sua nota mais alta está nesse fantástico Mar Adentro (2004), que conta a estória de Ramón.

alejandro, amenabar, bardem, eutanasia, javier, morte, ramon, sampedro

Esse drama também nos faz pensar no egoísmo em que estamos constantemente inseridos. Apesar de todo o seu desgosto, Ramón era famoso pela gentileza e serenidade de espírito. O seu sofrimento não o esvaziou em mágoas e ressentimentos, mas o ensinou a chorar com sorrisos, como ele mesmo afirmava. Ele tinha todas as desculpas para jamais sorrir novamente. Mas preferiu usar seus limitados recursos para elucidar a felicidade de outrora. Esta é a parte em que seu drama nos fala sobre a coragem que um homem é capaz de ter. E sobre a capacidade de um homem sorrir, mesmo indo ao encontro do próprio instinto de sobrevivência. Além de permear essas questões particulares, o filme convida a sociedade a refletir sobre o que é realmente importante: viver dignamente ou apenas viver? Viver ou apenas existir?

alejandro, amenabar, bardem, eutanasia, javier, morte, ramon, sampedro

Sampedro morreu no começo de 1998, por envenenamento de cianeto de potássio. Uma amiga próxima chegou a ser presa sob a acusação de que ela teria ajudado no suicídio, mas foi liberada por falta de provas. Anos mais tarde, a amiga confessou ter ajudado Ramón por amor.

alejandro, amenabar, bardem, eutanasia, javier, morte, ramon, sampedro

O filme ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e foi indicado a outras duas categorias: a de Melhor Maquiagem e a de Melhor Ator em Drama para Javier Bardem – que, aliás, merecia a estatueta pela sua mais extraordinária atuação no cinema. Além disso, o filme ganhou outros incontáveis prêmios nos festivais de cinema ao redor do mundo, como o Prémio Goya e o Festival de Veneza.


rejane borges

Gosta das cores de folhas secas ao chão. E das cores das folhas velhas dos livros.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @obvious, @obvioushp //rejane borges