Heróis de ontem, heróis de hoje, heróis de amanhã

Para melhor lidar com (e aceitar) a sua pequenez e limitações, o homem criou os heróis, esses seres que, na Antiguidade Clássica, eram semi-deuses; depois, heróis de carne e osso; e, nos tempos modernos, super-heróis, já distantes de um Hércules ou de um Aquiles mas sempre com os mesmos ideais a alcançar: a justiça, a paz, o bem.


anti-heroi, antiguidade, banda, bd, desenhada, heroi, quadrinhos "Homem Aranha" - o filme (TM & © 2012 Marvel & Subs).

Todos nós temos heróis, todos nós sonhamos com heróis, todos nós desejamos ser heróis ... mas, afinal, o que é isso de ser herói? Existem mesmo heróis (e super-heróis!) ou eles são uma criação da Humanidade para explicar o inexplicável, para aceitar o que não é óbvio, para lembrar a fragilidade do ser humano?

Na Antiguidade Clássica, os heróis eram semi-deuses, filhos de deuses que se tinham unido a seres humanos, apresentando assim uma dupla faceta: sobrenatural (com poderes extraordinários) e humana (com pontos fracos). O herói grego era falível e mortal; os deuses não erravam nem morriam. Muitos dos atributos destes heróis reflectiam-se nos fenómenos naturais: a força do vento, a turbulência do mar, o calor do sol, a magia da lua.

anti-heroi, antiguidade, banda, bd, desenhada, heroi, quadrinhos Thetis trazendo a armadura a Aquiles (Wikicommons, Benjamin West).

Encontramos um Aquiles, guerreiro que, tal como Hércules, usa a força física de forma excepcional (mas com um ponto fraco : o calcanhar); temos um Édipo que se destaca pela inteligência brilhante (decifrou o enigma da Esfinge) e um Ulisses, símbolo do espírito ardiloso e da capacidade do homem para superar as adversidades.

A força, a coragem, a inteligência, a persistência são assim qualidades destes heróis e de outros que ,não sendo filhos de deuses, possuem virtudes acima da média e defendem ideais como a liberdade, o carácter, a paz , a justiça. Podemos encontrá-los em qualquer época, em qualquer lugar.

anti-heroi, antiguidade, banda, bd, desenhada, heroi, quadrinhos "Hércules embriagado" (Wikicommons, Peter Paul Rubens).

Para além dos heróis da mitologia clássica, existem os heróis de carne e osso, que aparecem em situações de perigo, de conflitos, de guerras: gente aparentemente normal que, em certas circunstâncias, revela dotes e capacidades excepcionais. Uma Joana d´Arc, numa França dominada pela Inglaterra; um Viriato, lusitano num mundo de romanos, primeiro herói de uma portugalidade mais sentida que real.

anti-heroi, antiguidade, banda, bd, desenhada, heroi, quadrinhos "Joana D'Arc na coroação de Carlos VII" (Wikicommons)

Mas há também outro tipo de heróis que procura a riqueza, o reconhecimento, a imortalidade por cobiça, por orgulho, por vingança e que, não se movendo por uma causa mora, também não é dominada pelo mal. Estes chamados anti-heróis tiveram bastante sucesso na literatura: a sua vertente mais humanizada, as suas fragilidades, a sua vocação para o expediente conquistam rapidamente a empatia de nós, comuns mortais. Mais recentemente, e no cinema, podemos dar o exemplo da personagem Jack Sparrow (do filme Piratas das Caraíbas).

anti-heroi, antiguidade, banda, bd, desenhada, heroi, quadrinhos © Piratas das Caraíbas: Por Marés Estranhas (© Disney).

O século XX assistiu ao nascimento dos super-heróis da ficção. Estes cresceram tanto mais quanto foram projectados pela crescente importância e divulgação dos meios de comunicação de massas. Rádio, imprensa escrita e TV aumentaram o seu impacto junto dum público que, muitas vezes, confunde a ficção com a realidade, esquecendo que aqueles são personagens fictícios.

anti-heroi, antiguidade, banda, bd, desenhada, heroi, quadrinhos Capitão América (TM & © 2012 Marvel & Subs).

Alguns destes super-heróis, que voltam a misturar o lado humano com um lado mais fantástico, sobrenatural, vão ter um aproveitamento político e histórico que lhes garante mais visibilidade. Foi o caso do Capitão América, com a II Guerra Mundial. Os programas de rádio, as séries de televisão, mas sobretudo as tiras de banda desenhada das revistas e jornais tornaram conhecidos um Tarzan (desde 1912), um Zorro (1919), um Flash Gordon (1934), este num cenário espacial, um Fantasma (1936), o primeiro super-herói a surgir em BD com uniforme e máscara, e muito especialmente um Super-Homem (1938), que acaba por dar nome a toda uma galeria de super-heróis que defendem o Bem e combatem o Mal.

anti-heroi, antiguidade, banda, bd, desenhada, heroi, quadrinhos Banda Desenhada do "Super-Homem" (© DC Comics).

anti-heroi, antiguidade, banda, bd, desenhada, heroi, quadrinhos Super-Mulher (imagem da esquerda) (© DC Comics).Batman e Joker (imagem da direita) (© DC Comics).

Hoje, para além dos clássicos já referidos, encontramos um Homem Aranha, um Homem de Ferro, um Hulk e tantos outros que compõem o universo da Marvel e da DC Comics, a Liga da Justiça. E, claro, se existem super-heróis, se existem heróis, se existem os bons, têm de existir os super-vilãos (há mesmo uma Legião de Super-Vilãos na DC Comics), os anti-heróis, os “maus da fita”, porque o equilíbrio ordem/caos tem de ser mantido e o bem só faz sentido se existir um mal: Batman/Joker; Super-Homem/Lex Luthor; Homem Aranha/Duende Verde e, alargando o cenário, um Harry Potter versus Voldemort, um Sherlock Holmes e um Moriarty e até um Peter Pan e um Capitão Gancho.

anti-heroi, antiguidade, banda, bd, desenhada, heroi, quadrinhos Homem de Ferro (TM & © 2012 Marvel & Subs).

anti-heroi, antiguidade, banda, bd, desenhada, heroi, quadrinhos "Harry Potter e a Câmara dos Segredos".

Novas gerações terão outros heróis e super-heróis, como é natural na imaginação e na criatividade humanas, a juntar a muitos já existentes. Isto só prova que, tendo plena consciência da nossa dimensão terrena, limitada, finita, temos necessidade destas figuras para sobreviver, nem que seja no campo da ficção, porque nos dão a esperança de um mundo (sempre) melhor.


Helena resende

The Best is Yet to Come (música recente dos Scorpions, grupo de que é fã confessa!).
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 7/s/artes e ideias// @obvious, @obvioushp //Helena resende