são tomé: a ilha perdida no equador

São Tomé tem dois mundos: o fantasma do passado materializado nos casarões abandonados das roças e o ambiente descontraído dos tempos de hoje, um ar que se inspira numa simples viagem de Hiace entre a cidade e uma povoação nas imediações. Faça essa viagem connosco.



africa, cacau, café, colonialismo, principe, roça, sao, tomé, turismo, viagem

Conta a lenda que um dos barões da roça de Água Izé era tão ruim que, quando queria vir a Lisboa, pegava no seu cavalo, dirigia-se ao canal da Boca do Inferno, perto da roça, e saltava para o mar. Este teria uma ligação à capital da metrópole e o barão surgiria pouco tempo depois no seu destino. Ao longo dos anos, o canal foi sendo erodido pelo mar e tornou-se numa massa de rocha basáltica. Devido à sua forma peculiar e à força com que as ondas o atingem, este local começou a ser associado ao demónio e os são tomenses ainda têm bastante respeito (medo, até) à Boca do Inferno.

Situado na linha do esquador, São Tomé parece ter parado no tempo. A roça de Água Izé, situada na costa este da ilha, é apenas um exemplo do fantasma gigante do passado que ainda sobrevive nos dias de hoje. Foi criada na segunda metade do século XIX para a exploração de cacau, e a figura de Sousa e Almeida, Barão de Água-Izé, destaca-se pela sua fama autoritária e má relação com os trabalhadores.

Na altura existiam cerca de 800 roças em São Tomé e Princípe, que gozavam de uma estrutura bem definida. O patrão geria todos os assuntos internos e externos, sendo o símbolo máximo do controlo. Depois, existiam os feitores que administravam as fazendas e os trabalhadores, que eram coordenados (e algumas vezes mal-tratados) pelos capatazes. Quanto à arquitectura, normalmente as roças tinham a casa do patrão, que se destacava do resto das habitações, um hospital para os trabalhadores, as instalações fabris - que, na maior parte dos casos, incluíam caminhos de ferro para transportar o cacau ou café - e as senzalas para o alojamento dos trabalhadores.

africa, cacau, café, colonialismo, principe, roça, sao, tomé, turismo, viagem

Mais de cem anos depois, as ruínas são uma constanta na ilha. Após o 25 de Abril de 1974 e o fim da época colonial, as roças foram nacionalizadas e entraram numa fase de decadência. Não só Água Izé, mas também Rio d'Ouro (agora, Agostinho Neto), Bombaim, Fernão Dias, Diogo Vaz, Monte Café, entre outras. A saída em massa de portugueses e caboverdianos contribuiu para esse facto. Ao longo dos anos, após a independência, as roças foram produzindo cada vez menos cacau e café e, pouco a pouco, foram sendo abandonadas por má gestão e falta de manutenção. Hoje os baluartes da economia e arquitectura colonial são ruinas da ocupação portuguesa e a produção de alimentos é apenas para destino local.

Para além das ruínas, quem hoje visite São Tomé encontra pouco da cultura colonial. Na capital, o meio de transporte que reina é a Hiace - carrinhas da Toyota amarelas que se enchem com mais de uma dezena de locais com destino às roças circundantes. Ao contrário da rigidez do tempo colonial, os risos e o bom ambiente são acompanhados de música com o volume alto e havaianas nos pés. Quem, numa sexta-feira à noite, vai dar um pezinho de dança a uma discoteca já não é do tempo do patrão colonial - é do tempo da cerveja nacional, uma das únicas indústrias do país.

africa, cacau, café, colonialismo, principe, roça, sao, tomé, turismo, viagem

De resto, o pó está por todo o lado, tal como os avisos de protecção para a malária e a banana frita em pequenos pacotes de plástico. No pequeno país africano isolado pode andar-se a qualquer hora em qualquer lado sem se sentir medo, mesmo que se tenha alguns milhares de dobras no bolso - não que isso signifique muito dinheiro. Aqui, vive-se a cultura do "leve, leve": as preocupações podem sempre ser adiadas para o dia seguinte e é melhor que apague temporariamente as noções de horários. Aqui, não se aplicam todas as regras, muito menos as relacionadas com pontualidade. Bem-vindo a São Tomé. O resto, fica para contar depois.

africa, cacau, café, colonialismo, principe, roça, sao, tomé, turismo, viagem

africa, cacau, café, colonialismo, principe, roça, sao, tomé, turismo, viagem

africa, cacau, café, colonialismo, principe, roça, sao, tomé, turismo, viagem

africa, cacau, café, colonialismo, principe, roça, sao, tomé, turismo, viagem

africa, cacau, café, colonialismo, principe, roça, sao, tomé, turismo, viagem

africa, cacau, café, colonialismo, principe, roça, sao, tomé, turismo, viagem

africa, cacau, café, colonialismo, principe, roça, sao, tomé, turismo, viagem

diana guerra

é normalmente zote, mas dizem que também se interessa por arte, cultura e essas coisas óbvias.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
x5
 
Site Meter