Nouvelle vaugue, jump cut e o caos

A essência das novas gerações é contestar e reclamar o espaço. Os jovens críticos de cinema e cineastas experimentais dos anos 50 deram este passo e foram além. Os modelos antigos eram substituídos por ritmo acelerado, caos, anarquia e jump-cut. Hoje, grandes diretores declaram terem sido influenciados por esta geração. Bem vindos à Nouvelle Vague.


godard, jum cut, nouvelle vague, truffaut Jules e Jim.

Como ja falámos no artigo Truffaut e Goddard: até que o cinema os separe, a Nouvelle Vague tem início no final dos anos 50 com o lançamento de Os Incompreendidos/Os Quatrocentos Golpes (1959), de Francois Truffaut, e A força do amor, de Jean-Luc Godard. Suas influências eram de cariz artistico e conceitual, mas diferiam do modelo anterior com sua visão global e cultural. A sétima arte gerava diretores que arriscavam tudo pela revolução. A quebra deu-se com Truffaut e seus jovens companheiros cinematograficos, redigindo críticas positivas ao cinema de Hitchcock e Nicholas Ray, e demonstrando seu descontentamento com os realizadores franceses, criticando-os por fazer materiais muito literários e pouco descritivos. Estilos e histórias pessoais - era isso o que faltava para eles e foi isso o que fundamentou a Nouvelle vague.

godard, jum cut, nouvelle vague, truffaut Truffaut e Hitchcock.

Aprendiz de André Bazin, crítico e precursor da Nouvelle Vague., Truffaut sabia que a câmara em movimento sobressaía na cena fragmentada. Não havia drama melhor que o da vida real. O som também fora transformado, com a captação na própria locação. Pode não parecer uma grande mudança para alguns, mas foi indispensável na transmissão da intimidade e do dinamismo da realidade, peças fulcrais do cinema-verdade.

godard, jum cut, nouvelle vague, truffaut Truffaut e Godard.

Talvez umas das maiores quebras estilísticas nascidas da Nouvelle Vague seja o jump-cut. A montagem já havia sido substituida pela câmara em movimento na cena, mas agora a intenção era realizar cortes que quebrassem qualquer continuidade visível. A alteração do tempo dramático e do sentido do material precisaria ser visto como uma experiência, já que a intenção era fazer o espectador não esquecer que se tratava de um filme.

Apesar da origem rebelde, as técnicas novas inauguram um novo ângulo sobre o fazer cinema. Os cortes caóticos transmitiam um ritmo próprio, definindo cada momento, ora mais tenso, ora mais intimista.

Godard usou o jump-cut como ferramenta ideal para a sua anarquia. O diretor é incansável em quebrar qualquer noção de semiótica pré-estabelecida, visão muito bem aplicada em Acossado / O Acossado (1960). Escrito em parceria com Truffaut, o filme é modelo inconfundível em determinar que tudo não passa de intenção e prática: apenas uma câmara na mão e uma ideia na cabeça.

godard, jum cut, nouvelle vague, truffaut Cena do filme "O Acossado".

Cenas jump-cut em À bout de souffle (1959).


mauricio de boni

volta e meia é encontrado em livrarias admirando títulos e capas, e, esporadicamente, na cozinha criando coragem ao assumir experiências cada vez mais complexas (o mesmo ocorre com a escrita).
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @obvious, @obvioushp //mauricio de boni