Carne Griffiths: Desenhar com tinta e chá

Fragmentos, rostos e estilhaços de vidro, emoções derramadas no papel, assim são os desenhos do ilustrador Carne Griffiths. O seu processo de trabalho passa principalmente pelo extravasar de sentimentos e frustrações, como uma terapia transformada em arte. Rostos de uma beleza invulgar, construídos por camadas de tinta e chá, construídos por camadas de respostas emocionais ao quotidiano.



01_In_Bloom_Ink_and_Tea_on_water_colour_paper_01.jpg © Carne Griffiths, "In Bloom".

O incrível trabalho de Griffiths nasce da sua paixão pelo desenho e do próprio processo de criação da obra na folha em branco. Mais do que a procura do resultado final, as suas ilustrações são o apreciar do caminho que leva à construção da imagem. Fascinado pela fluidez da linha, os motivos florais enredam-se nos rostos e ajudam a formá-los, acrescentando elementos ao já tão intrincado desenho. Influência de doze anos de trabalho com filigrana, onde ganhou gosto pelos movimentos fluidos, pela repetição e pelos padrões florais, que transporta para a sua arte.

Desenha e pinta com tinta caligráfica, à qual junta materiais pouco convencionais como chá, brandy, vodka e whisky, conseguindo as gradações de cor e os salpicos e escorridos que marcam o seu estilo.

Griffiths valoriza o lado emocional do seu trabalho, procurando captar a energia, as “linhas invisíveis” que nos unem ao que nos rodeia. Processo que o conduz a um estado de abandono, onde tudo é deixado no papel, convidando então o observador a partilhar este estado espiritual. Duas das suas peças, “1 for sorrow” (Um [ponto] para a tristeza) e “Storm” (Tempestade), revelam ainda mais este lado emotivo, a necessidade pura de exorcizar os acontecimentos do momento, numa tentativa de ultrapassar a dor e o desespero. Daí a sua carga mais pesada, o desenho mais saturado e caótico, sobreposto em camadas densas. Por seu lado, as restantes ilustrações têm também um lado racional que se junta a toda a emoção. Implicam uma análise do desenho enquanto desenho. Uma preocupação com o equilíbrio das formas e das cores, com a expressão dos rostos.

02_breaking_through_Ink_and_Tea_on_watercolour_paper_02.jpg © Carne Griffiths, "Breaking Through".

Os títulos das suas obras são igualmente curiosos, por se dividirem entre as ligações à natureza, à terra, às colheitas e às estações, e a entrega aos sentimentos e sensações humanas, tal como as próprias peças, onde a natureza está sempre presente, acolhendo e envolvendo o ser humano. Encontramos títulos como “Spring will come” (A Primavera virá), “The Vine Edition” (Edição da Vinha) e “Roots Edition” (Edição das Raízes), lado a lado com “Guilt” (Culpa), “Confort” (Conforto) e “Strenght” (Força).

A sua mais recente exposição terminou a 6 de Outubro, na Ink-d Gallery, em Brington, Reino Unido, e contou com cerca de 40 ilustrações originais e uma edição limitada de impressões assinadas. Pode conhecer mais sobre o trabalho de Carne Griffiths no seu site, ver imagens de todas as peças expostas no site da galeria ou adquirir uma coleção limitada de postais.

03_de_chao_ordo_Ink_and_Tea_on_watercolour_paper_03.jpg © Carne Griffiths, "De Chao Ordo".

04_Flight_Ink_and_Tea_on_watercolour_paper_04.jpg © Carne Griffiths, "Flight".

05_Order_Ink_and_Tea_on_Paper_05.jpg © Carne Griffiths, "Order".

06_Silence_Ink_and_tea_on_paper_06.jpg © Carne Griffiths, "Silence".

07_Strength_07.jpg © Carne Griffiths, "Strength".

inês petiz

é artista. E não poderia ser nenhuma outra coisa.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
x4
 
Site Meter