A primeira frase: uma leitura de Kafka e de outros escritores

Pegue um livro e leia a primeira frase. Este (nem sempre) breve conjunto de palavras tem um enorme peso em todos os outros que se seguirão até o último ponto. Contém traços do estilo de seu autor que, em certos casos, o elevam ao máximo. Alguns são mestres em criar frases para abrir suas obras e, em consequência disso, indispensáveis.


bolaño, garcia, hemingway, kafka, kerouac, literatura, marquez, philip, roberto, roth © Jack Kerouac, 1956 (Wikicommons).

Francine Prose, autora de “Para ler como um escritor – Um guia para quem gosta de livros e para quem quer escrevê-los” (2008, Jorge Zahar Editor), organizou . Sua maneira de ensinar análises e citar obras obrigatórias revela que para os iniciantes da arte da escrita a paixão é pedra fundamental. Uma das lições iniciais de seu livro fala sobre a insuperável importância da frase de abertura das obras. Grande parte dos escritores é apaixonada por construir belas frases, principalmente esta primeira, fundamental.

Prose aponta a leitura desacelerada e atenta como método para o trabalho estilístico - em alguns casos levado ao extremo – não passar despercebido. Dada a importância da primeira frase, é ela que evidencia o que será desenrolado pelo resto das páginas e define se o leitor seguirá até o fim.

Não importa o tamanho ou o rebuscamento; a frase pode tanto conter apenas quatro palavras como ser abarrotada de subordinações ordenadas em cascata. É ela que desencadeia o mistério, revela o estilo, introduz a trama, em suma, captura o leitor. É notável como, de acordo com Prose, os autores dão importância a isso. Tanto os por ela citados como os escolhidos ao acaso. Jack Kerouac, escritor cerne da geração Beat, logo de cara joga o leitor no meio de suas andanças e peregrinações sem roteiro que, desenroladas, não acabam necessariamente com o fim do livro. Sem rodeios, Kerouac quer mesmo transmitir certa falta de noção em suas grandes viagens, e faz isso bela e energicamente, levando o leitor junto, sem lenço nem documento. Ernest Hemingway constrói com clareza quase infantil. Philip Roth entrega em poucas linhas as agonias de seus protagonistas. Escritores latinos, como Gabriel Garcia Marquez e Roberto Bolaño, iniciam normalmente com reflexões do personagem ou do ambiente em que estão. O leitor deve permanecer por algum tempo lendo até se encontrar - depois, não há mais como fugir.

bolaño, garcia, hemingway, kafka, kerouac, literatura, marquez, philip, roberto, roth © Ernest Hemingway em sua casa em Cuba, 1953 (Wikicommons).

Com Kafka, segundo Prose, tem-se muito a aprender. Foi um exímio construtor de frases; um mestre das linhas de abertura – e das frases ao longo de todas suas obras. Buscava as doses certas nos momentos certos, logo, a frase primordial tornava-se de extrema importância para a sincronia do que viria a seguir.

bolaño, garcia, hemingway, kafka, kerouac, literatura, marquez, philip, roberto, roth © Kafka, estátua em Praga, (Wikicommons).

Em A Metamorfose, obra largamente lida e estudada em todo o mundo , Kafka abre com “certa manhã, ao despertar de sonhos intranqüilos, Gregor Samsa encontra-se em sua cama metamorfoseado num inseto monstruoso.” Tão vastos são conteúdo e importância presentes apenas nessas poucas palavras que toda uma análise poderia ser construída sobre a curta introdução. Uma incógnita tão grande quanto a traição de Capitu na obra de Machado de Assis (outro escultor de frases) são as questões que se levantam em torno de Gregor Samsa: quem era, por que se tornara um inseto monstruoso e ainda que inseto monstruoso era esse. Atravessada a primeira frase e logo a primeira página, o caminho é um só.


mauricio de boni

volta e meia é encontrado em livrarias admirando títulos e capas, e, esporadicamente, na cozinha criando coragem ao assumir experiências cada vez mais complexas (o mesmo ocorre com a escrita).
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //mauricio de boni