Zim & Zou: esculturas de papel

Zim & Zou são uma dupla francesa que decidiu contrariar o uso constante do computador, em particular no trabalho gráfico, resgatando a nostalgia do papel e dos trabalhos manuais. Fora do meio digital, constroem fantásticas esculturas em papel, que se destacam pela vivacidade das cores e pelo detalhe. Versáteis, montam instalações com as peças e introduzem a sua arte manual no design gráfico e web.


alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, “Back to basics” , Color Tetris.

Zim & Zou, nome pelo qual são conhecidos, são na realidade Thibault Zimmerman (Zim) e Lucie Thomas (Zou), dois franceses que se conheceram enquanto frequentavam um curso de arte. Curiosamente, não trabalhavam juntos na escola mas, à medida que começaram a trabalhar como freelancers, a sua complementaridade tornou-se mais evidente. Desde essa época, formaram uma parceria que consideram polivalente, conhecendo os pontos fortes e fracos de cada um. O seu trabalho é de uma minúcia que levaria muitos ao desespero, com peças a demorarem duas semanas inteiras a serem planificadas e montadas com todos os pormenores.

“Back to basics” é um dos seus projetos mais emblemáticos, por reavivar objetos icónicos dos anos 80. Reúne esculturas de papel de uma polaroid, um game boy, um telefone, uma disquete e um walkman com cassete, entre outras relíquias. O nível de detalhe de cada peça é impressionante, com todos os elementos recortados em papel, desde os números do telefone, aos logótipos de cada marca, à fita da cassete que está enrolada no devido local e ao próprio walkman que, apesar de não funcionar, dá para prender no cinto, colocar os auscultadores na cabeça e introduzir a cassete, tal como o original. Para Zim & Zou, o facto de não serem réplicas funcionais coloca os antigos utilizadores no papel de observadores, permitindo-lhes ver os objetos desconetados da sua função. Por outro lado, gostam da ideia de conferir um lado artesanal a objetos industrializados.

alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, “Back to basics”, Polaroid.

alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, “Back to basics”, Polaroid planification.

alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, “Back to basics”.

Contudo, quando questionados sobre o significado deste trabalho, Zim não gosta de revelar demasiado, para não fechar o projeto na mente de quem o vê. Mas adianta tratar-se de uma reflexão sobre o estonteante avanço tecnológico. Segundo Zim, estes são produtos que definiram um período na nossa história e que estão agora ultrapassados, assim como o estarão os objetos que usamos atualmente e que depressa serão também relíquias. O projeto, que se estende há já um ano, ainda não está finalizado, mas os designers vão deixá-lo em stand-by por um tempo, por não quererem ficar demasiado presos a um trabalho, preferindo investir tempo em novos desafios.

Em “Cabinet of curiosités” encontramos mais um projeto pessoal, desta vez povoado por pássaros e insetos, num ambiente de fantasia e luxúria onde diamantes e ouro em pó se misturam com caveiras, tartarugas e lagostas. Mais uma vez, cada personagem e acessório do cenário é construído à mão, sem recurso ao computador. Esculturas deveras curiosas, conseguidas através do “antigo” método da régua, lápis, x-acto e cola.

alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, “Cabinet of curiosités”, Bird cut.

alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, “Cabinet of curiosités”.

alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, “Cabinet of curiosités”.

alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, “Cabinet of curiosités”.

alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, “Cabinet of curiosités”, Insects cut.

Num trabalho comissionado pelo Washington Post, a equipa deu uma nova imagem à zona de Tysons, nos subúrbios de Washington, oferecendo uma previsão do que a futura remodelação poderia trazer. O que era na época uma zona impessoal, cheia de escritórios, lojas e parques de estacionamento, deveria tornar-se mais aprazível e desejável para habitação. Para isso, seriam introduzidas quatro estações de metro, zonas pedonais, mercearias e lojas de conveniência para servir os futuros moradores. Na sua ilustração, Zim & Zou representaram um ambiente sem vida nem cor, que é irrompido por uma lufada de ar fresco, trazida por uma carruagem de metro colorida, simbolizando a mudança que a introdução de transportes públicos traria ao local.

alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, New Tyssons detail.

Para “The future of food”, capa da revista Icon, os designers construíram uma impressora 3D que imprime comida, o que consideram poder vir a ser a futura origem daquilo que comemos. Mais perfeccionista do que nos anúncios , o seu hamburguer de papel tem todos os ingredientes, mesmo no interior, onde a máquina fotográfica não consegue captar.

alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, “The Future of Food”.

Ainda no departamento alimentar surge o projeto “Chef's Mask”. Para comemorar o seu trigésimo aniversário, o restaurante Au Bon Gîte decidiu criar menus bimensais para destacar as suas iguarias únicas. Sendo necessário publicitar a iniciativa, escolheram Zim & Zou para completar a tarefa, e estes não desiludiram. Inspirados no ditado que afirma “Diz-me o que comes, dir-te-ei quem és” e no trabalho de Arcimboldo, criaram as máscaras do chefe, confecionadas harmoniosamente com camadas dos vários ingredientes usados em cada menu. As máscaras têm um lado exótico, lembrando as máscaras usadas pelos chefes das tribos.

alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, “Chef's Mask”.

Atentos à curiosidade que o lado artesanal do seu processo de trabalho gera, os designers documentam-no em fotografias e vídeos e partilham-no com o público. Mostram-se conscientes ecologicamente, assegurando que apenas usam papel reciclado e que procuram reaproveitar os desperdícios de cada trabalho ao máximo. A escolha do papel deve-se ao seu caráter versátil e à alta qualidade do material que, estando acessível a todos, permite obter resultados únicos. Conheça mais de perto o trabalho desta dupla francesa no seu portfólio online e no Behance.

alimentos, artesanal, comida, design, papel, zim&zou © Zim & Zou, “Hermès Parrot”.


Inês Petiz

Inês Petiz é artista. E não poderia ser nenhuma outra coisa.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/artes e ideias// @obvious, @obvioushp //Inês Petiz