Suzanne Lenglen, A Primeira Estrela do Tênis Feminino

Ela venceu tudo o que podia em sua época. Não deixou que os preconceitos a parassem: Suzanne Lenglen é uma impressionante demonstração de que nunca se pode traçar um limite no esporte. Sua leveza e agilidade a colocaram como uma das melhores tenistas de todos os tempos, além de ser a primeira grande estrela internacional do esporte na modalidade feminina.


desporto, Lenglen, Suzanne, ténis, tênis Suzanne Lenglen (1926).

Em uma sociedade extremamente machista e em um esporte extremamente aristocrata, Suzanne Lenglen, ou La Divine, como foi apelidada pelos jornais franceses, se tornou a primeira grande estrela do tênis feminino. Não só pelas suas vitórias, e não só pela agitação que gerou na mídia - talvez pela junção de ambos. A fama de Lenglen atravessou o mundo ocidentalizado e a transformou em um mito do esporte, imortalizada após sua trágica morte.

Nascida em 1899, La Divine começou a praticar tênis aos 11 anos de idade, treinada por seu pai sob rigorosas regras. Logo aos 15 anos de idade chegou à final de Roland Garros, perdendo para Marguerite Broquedis – grande tenista da época.

desporto, Lenglen, Suzanne, ténis, tênis Suzanne Lenglen (1920).

Entretanto, após a Primeira Grande Guerra, o show de Suzanne começou: entre 1914 e 1926 conseguiu ganhar 31 campeonatos. Era destacada pelos ótimos saques e pela intuição, pois conseguia prever os movimentos de suas adversárias, demonstrando um grande conhecimento das possibilidades de jogada dentro da quadra. Uma vantagem do treinamento duro a que o pai a tinha submetido - para ele, não havia motivo para não submeter as atletas femininas ao mesmo treinamento que os atletas masculinos.

Uma mulher independente, uma esportista de elite

Uma de suas inovações foi conseguir elevar seu nível de jogo utilizando trajes mais livres e confortáveis, como as saias mais curtas que possibilitavam melhor movimentação durante o jogo e boa mobilidade de suas pernas. O fato de terem prestado mais atenção a suas novas vestimentas e de haver mais livros sobre a moda feminina no tênis do que sobre suas capacidades e seus títulos é um indício de como foi difícil para Lenglen ser reconhecida como uma grande esportista, na época.

desporto, Lenglen, Suzanne, ténis, tênis Suzanne Lenglen em pose para foto.

Não que o jornalismo que despreza a capacidade da mulher enquanto esportista tenha acabado, longe disso. Mas essa história nos mostra que ele sempre esteve impondo barreiras para um verdadeiro reconhecimento legítimo no esporte - atividade considerada, tradicionalmente, como território exclusivo masculino.

Os jornalistas não a deixaram em paz desde que foi tida como a atleta revelação, ainda com 15 anos de idade. Mas sua fama não se deu somente pela atenção da mídia a suas vestes de jogo - foi também pela maneira como levava sua vida pública. Suzanne era uma mulher independente e autônoma. Se vestia com cuidado para ser notada como uma figura proeminente.

Sempre acompanhada de jovens jogadores de tênis, ela não se recatava como suas contemporâneas e descartava a oposição da vida profissional / vida particular: suas atitudes à frente de sua época, sua postura progressista, até mesmo em relação à sua sexualidade (à noção de que mulheres tinham uma, coisa que era difícil de admitir e de se falar publicamente no início do século XX) estavam em sintonia com suas renovações dentro das quadras, já que a maioria das dificuldades que as mulheres tinham em relação ao jogo, como o uso de roupas recatadas e o treinamento leve, eram produtos de convenções sociais que, conforme ela mesma demonstrou, poderiam ser quebradas.

Não era uma mulher de personalidade simples: tinha dias de péssimo humor e, ao mesmo tempo, leveza e bom jogo nas quadras, o que não deixava fácil a tarefa de descobrir como funcionava a genialidade de Linglen. Era retratada como mulher forte e movida por desafios, e não se acanhava com a sua fama, exibindo em suas partidas movimentos que poderiam ser identificados em exibições de balé. Era uma mistura de um conteúdo novo em práticas antigas, uma revolução particular no esporte e na forma de se ver o esportista.

Teve episodios polêmicos. Um dia deixou a Rainha Maria de Teck, que havia reservado uma tarde especialmente para assistir um de seus jogos, esperando por mais de meia-hora. A justificativa foi uma mudança repentina de agenda em que a própria Lenglen não havia sido avisada com antecedência. Já se pode prever como o povo inglês reagiu a isso: consideraram um grande insulto perante a realeza e, após um jogo de duplas mistas, ela se retirou do campeonato de Wimbledon.

Ganhar a vida, perder a carreira

Numa época onde o espírito amador ainda dominava o tênis (que era um esporte puro, praticado pelas classes altas), a sua profissionalização foi um escândalo e a limitou a poucas partidas e aparições, já que a maioria dos campeonatos estava sendo administrada por entidades que apoiavam o amadorismo. Tornar-se profissional era abandonar a pureza do tênis como esporte, como atividade da aristocracia, já que a classe média, que começou a se interessar pelo esporte, ainda precisava de uma renda fixa para sobrevivência (como escrever em jornais de esportes ou dar aulas de tênis, práticas que retiravam o status amador de quem as fizesse).

Após terminar sua carreira, em 1926, ainda com 27 anos, foi encontrada trabalhando em uma loja de roupas esportivas na Europa, provavelmente por problemas financeiros, já que seu pai havia morrido há pouco tempo e todas as suas reservas haviam acabado. Foi diretora de uma escola de tênis do governo francês dos 33 aos 39 anos de idade, esperando um retorno ao status de tenista amadora para, assim, poder voltar a disputar campeonatos (vontade que não se concretizou). Morreu de leucemia, sendo que três semanas antes de sua morte já se encontrava cega. Uma quadra de tênis tem seu nome como homenagem, em Roland Garros.

desporto, Lenglen, Suzanne, ténis, tênis Suzanne Lenglen em partida nas Olimpíadas de Antuérpia.

Mesmo com um fim trágico, sua marca ficou no mundo dos esporte: foi a primeira colocada no ranking mundial por seis anos consecutivos, entre 1921 e 1926 (o ranking foi fundado em 1921), conseguiu ouro nas olimpíadas de Antuérpia e, por sete torneios, não perdeu uma única partida, sendo sua partida elogiada pelo The New York Times como uma exibição de mestre. Sem dúvida, uma grande artista do tênis.

desporto, Lenglen, Suzanne, ténis, tênis Entrada de Court Suzanne Lenglen.

desporto, Lenglen, Suzanne, ténis, tênis La Divine no International Tennis Hall Of Fame.


Vinicius Siqueira

Fascista desde criancinha
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Vinicius Siqueira