A revitalização musical de Of monsters and men

Vindo diretamente das gélidas terras da Islândia, "Of Monsters and Men" proporciona uma experiência musical diferente. Com arranjos de um folk rock reflexivo e místico, o quinteto consegue não só fidelizar o retrato da música medieval em seu cerne, mas fazer com que seus ouvintes tenham contato com um mundo único e mágico.


01_Of_Monsters_and_Men_01.jpg © Of Monsters and Men" (Wikicommons, Brendan Tonkin).

Se este artigo fosse escrito há exatos cinco séculos atrás, por algum pensador ou alguém com bastante tempo livre, com a tinta de uma caneta de pena em um elegante pergaminho, pouco mudaria em sua essência. Isso porque seu tema é universal e atemporal: música. Claro que a banda aqui descrita não existia há tanto tempo atrás (de fato, é um grupo bem novo). Porém, em sua essência há algo que engloba não só o espírito renascentista dos idos de 1500, mas também algo do folk medieval puro e bruto criado algumas centenas de anos antes. E assim sendo, esta pequena aula de história se torna necessária para falar de "Of Monsters and Men".

O quinteto islandês foi formado em 2010 e, com pouco mais de dois anos de estrada e um álbum, já está atraindo atenções de uma maneira notável. A vocalista e violonista Nanna Bryndís Hilmarsdóttir, o vocalista e violonista Ragnar Þórhallsson, o guitarrista Brynjar Leifsson, o baterista Arnar Rósenkranz Hilmarsson e o baixista Kristján Páll Kristjánsson fizeram uma aposta arriscada. Vindos diretamente de um país lembrado por artistas como Bjork seu trabalho experimental e pelo metal melódico de Nightwish, os músicos preferiram enveredar por um caminho diferente, reflexivo e vanguardista, capaz de encantar e surpreender.

Mas, advindos da mesma safra de bandas como Low Anthem e Paper Kites, que assim como eles estão revitalizando o folk rock, porque a música de Of Monsters and Men merece destaque? Além da presença de instrumentos como saxofones e gaitas tocados com primor por sidemans talentosos, uma aura de beleza e harmonia musical que soa ao mesmo tempo moderna e imemorial é parte de suas músicas. Como resultado, as melodias embalam lindas histórias de coragem, virtudes e mundos fantásticos, entoadas pelas vozes dos dois cantores. Reis, criaturas quiméricas e lendas antigas parecem ganhar vida.

02_Of_Monsters_and_Men_02.jpg © Of Monsters and Men" (Wikicommons, Elen Nivrae).

E de certa forma ganham, sim. É só ver os clipes de músicas como "Little Talks" e "King and the Lionheart "de seu disco de estreia, My Head Is an Animal (2011). Com um belo trabalho de direção, edição e uso de recursos gráficos, eles trazem a fantasia de universos únicos com seres míticos, histórias notáveis e, claro, a personificação de toda a era da Idade Média. Não por acaso se pode imaginar a música da banda ecoando por reinos antigos, campos de batalha ao som de armas brancas e até mesmo em feudos, durante intervalos do trabalho de colheitas.

Claro, em um mundo de downloads ilimitados, rádios e meios de qualidade questionável com facilidade de expor novidades musicais, é fácil que Of Monsters and Men passe despercebido. Mas basta uma escuta mais atenta para entender que há algo mágico, uma viagem sonora proporcionada pelo quinteto. Em suas apresentações ao vivo, executadas com a mesma perfeição com que tocam no estúdio, eles conduzem as pessoas rumo a uma jornada reflexiva e única que leva diretamente a sonhos e esperanças, sejam recentes ou quase esquecidos.

Diante deste quadro, escutar o grupo islandês pode se revelar algo ótimo. Tendo em vista sua rápida ascensão dentro do cenário musical independente e comercial, é possível prever um futuro brilhante para a banda.

Caso você queira viajar por terras distantes, fazer um tour sonoro para o passado medieval ou até mesmo entrar em contato com seu próprio inconsciente, essas músicas encantadoras podem ser o seu melhor guia.

03_Of_Monsters_and_Men_03.jpg © Of Monsters and Men" (Wikicommons, Brendan Tonkin).


jeferson scholz

é fascinado pela cultura pop em todas as suas esferas de manifestação, por música, cinema e nerdices em geral.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/musica// @obvious, @obvioushp //jeferson scholz