O Que Importa É A Vitória - No: Adiós, Mr. Pinochet

Lançado em agosto de 2012, "No" é um filme que pretende contar o pedaço talvez mais importante da história atual chilena: o plebiscito de 1988. Em meio a publicidade, política e conflitos profissionais, o longa agrada pelos detalhes, pela técnica e pela ótima atuação de Gael García Bernal.



01_Gael_Garcia_como_Rene_01.jpg Gael Garcia como René.

"No" é um drama chileno que narra um pedaço da história de seu país: o famoso plebiscito de 1988. René (Gael García), publicitário recém-chegado ao Chile depois de um período em exílio, é o personagem principal que, ao ser convidado para participar da campanha contra a eleição do General Augusto Pinochet, estabelece relações peculiares com seu chefe, com sua família e amigos.

02_Poster_de_No_02.jpg Cartaz do filme "No".

O filme, lançado em 2012 (concorreu ao oscar de melhor filme estrangeiro neste ano) se passa no Chile de 1988, quando, para se legitimar perante as outras nações, a ditadura de Pinochet propõe o plebiscito que determinará se o general ficará por mais 8 anos no poder. A entrada de Pinochet no poder se tinha dado por via de um golpe de Estado, em 1973, no presidente eleito democraticamente, Salvador Allende – desde então, por quinze anos, um regime de medo e repressão caiu sobre os chilenos.

03_General_Pinochet_03.jpg General Pinochet.

René, o publicitário apolítico

René Saavedra é um publicitário que, com um discurso pronto, começa suas apresentações para diferentes empresas: “Este comercial está inserido em um contexto social. Hoje o Chile é um país que pensa no futuro”. Não importa o que ele vai apresentar, essa é a frase inicial que introduz os observadores ao seu trabalho. É uma declaração de confiança no próprio trabalho, uma tentativa de o colocar em bases mais sólidas – contexto social – e projetá-lo, dar-lhe uma importância – futuro -, mas nada disso retira o cinismo da sua fala.

Quando é chamado para a campanha do "Não", primeiramente, só vai avaliar como ela está, como se encontra, a que passos o grupo responsável pela preparação de toda a propaganda caminha. De repente, meio que por amizade, se vê envolve na campanha, mas nunca, nunca como militante. Digo, a campanha enquanto campanha é de vital importância, mas o "Não", este voto particular que retiraria Pinochet do poder, para ele, tanto faz.

04_O_Publicitario_Rene_04.jpg O publicitário René.

Um exemplo desta face apolítica de René também se dá pelos conflitos que arranja com seu chefe, Luis Guzmán – enquanto este é coordenador da campanha pelo "Sim", René está envolvido com a campanha pelo "Não", mas se você pensou que isso geraria um conflito político, engana-se: o conflito é técnico! As críticas que se dirigem são crítica técnicas, críticas profissionais – o trabalho de ambos não é afetado. René não quer sair de seu emprego e seu chefe não quer demiti-lo.

É com esta atitude que a campanha do "Não" é dirigida. Ao contrário dos militantes responsáveis pela primeira versão da propaganda, René não se importa se a ditadura foi ruim, temerosa, se foi o terror e o medo cotidiano; o que importa é ganhar o plebiscito por meio de uma maioria de votos, o que só seria conseguido com uma propaganda de massas.

05_Rene_com_o_lider_comunista_Pro_Nao_05.jpg René com o líder comunista Pró-Não.

É com isso que a propaganda prévia é totalmente reformulada. Ela tinha um conteúdo político – verdadeiro – que não abarcaria uma massa votante. Um conteúdo que não conquistaria nenhum público. O "Não", para Saavedra, não poderia ser uma ação política consciente, deveria ser a compra de um produto e, para tal, precisaria ser um objeto de desejo. É por isso que a alegria se torna tema de fundo para suas propagandas, despertando a ira de boa parte dos militantes pró-não.

Quando tudo vira questão de consumo

“Isto é tudo? Essa propaganda não vende” - Esta é a resposta imediata de Saavedra após dar sua primeira olhada na campanha do "Não". Ela não vende: isso não é só termo publicitário, não é só discurso publicitário, é uma lógica de época. É preciso vender uma posição política.

O filme retrata uma inversão já dita: a ação política se torna consumo e a reflexão se torna desejo. René sabe que o melhor para conseguir garantir o "Não" é transformando algo que é tido como “velho”, como anacrônico, como chato, em algo “novo”, algo que simbolize uma suposta liberdade. Uma das coisas que qualquer país capitalista preza é a noção de liberdade individual manifesta na liberdade de consumo.

06_Rene_em_seu_escritorio_06.jpg René em seu escritório.

Ao transformar a campanha política em campanha publicitária, René traduz uma época onde o mais importante é consumir – nem que seja uma posição política. As ferramentas publicitárias que utiliza (e que, no filme, funcionam) contribuem com a inversão do discurso político pautado numa realidade que deve ser evitada, ou seja, na ditadura de Pinochet.

A cena final, que mostra René sem ação após a vitória do "Não", demonstra que, no fundo, ele sabe que aquilo foi somente uma campanha vitoriosa: é a imagem do apolítico. Após o plebiscito, seu trabalho volta à normalidade com seu derrotado chefe. Nada muda em seu microcosmo.

vinicius siqueira

tem seu interesse fixado em sociologia francesa e psicanálise freudiana. Ainda é um estudante, mas quem não é?
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
v1/s
 
Site Meter