Pompeia: a vida sexual na antiguidade

Encoberta pelas cinzas vulcânicas do Vesúvio, a excitante vida (sexual) de Pompeia permaneceu preservada durante séculos. Longe dos olhares dos moralistas e dos conservadores, mantiveram-se obras e objetos que demonstram como o povo romano se relacionava com sua sexualidade. Estes achados fizeram com que durante muitos anos fez com os romanos fossem vistos como devassos. Mas a verdade é que eles compreendiam o sexo como algo natural e divino.


01_Pa_e_Hemafrodita_c54_68_CE_Afresco_presente_na_Casa_de_Dioscuri_Pompeia_01.jpg Pã e Hemafrodita, c.54-68 CE, Afresco presente na Casa de Dioscuri - Pompéia.

Em 24 de agosto de 79 d.C., a cidade de Pompéia foi varrida do mapa pela erupção do vulcão Vesúvio. A tragédia, que matou milhares de pessoas e enterrou a cidade em seis metros de cinza, também preservou - como uma cápsula do tempo - imagens intactas do império Romano. Os estudos sobre a história romana tendiam a encarar a sexualidade através de segundo uma visão tradicional e conservadora. Durante anos, algumas peças com imagens explícitas eram destruídas durante as escavações. Outras, preservadas por seus valores artísticos, foram escondidas a sete chaves nos acervos dos museus.

02_Afresco_de_uma_relacao_sexual_entre_dois_homens_e_uma_mulher_encontrada_em_termas_em_Pompeia_02.jpg Afresco de uma relação sexual entre dois homens e uma mulher, encontrada em termas em Pompeia.

03_Homem_removendo_o_veu_que_esconde_o_sexo_de_uma_mulher_com_seios_enfaixados_1_st_C_Pompeia_03.jpg Homem removendo o véu que esconde o sexo de uma mulher com seios enfaixados, 1 st C - Pompéia.

04_Friso_com_desenho_erotico_s_d_Roma_04.jpg Friso com desenho erótico, s.d - Roma.

05_Detalhe_de_skyphos_com_um_grupo_erotico_1st_CE_Roma_05.jpg Detalhe de skyphos com um grupo erótico, 1st CE - Roma.

"(...) vejo pessoas que iam e vinham furtivamente por entre portas com placas e meretrizes nuas. Um pouco tarde, e mesmo um pouco demais, compreendi que ela me havia levado a um bordel." Satyricon - Petrônio (? - 66d.C | Roma).

06_Amantes_na_Cama_1st_C_Pompeia_Villa_of_the_Centenary_06.jpg Amantes na Cama, 1st C - Pompéia - Villa of the Centenary.

07_Amantes_na_Cama_1st_C_Pompeia_Villa_dei_Vestii_07.jpg Amantes na Cama, 1st C - Pompéia, Villa dei Vettii.

Muitas das imagens, hoje nos museus, anteriormente estavam presentes nas ruas e nas casas das pessoas nas mais diferentes classes sociais de Pompeia. Ao contrário do que os primeiros estudiosos pensavam, os romanos não eram faziam mais sexo do que as pessoas fazem na atualidade. A diferença estava no valor que o sexo possuía em suas vidas.

A arte erótica presente em Pompeia muitas vezes obrigou historiadores a reverem seus conceitos sobre a presença feminina. A mulher nua não era apenas retratada como uma divindade mitológica, mas também como um indivíduo praticante de sexo livremente. Há também teorias que afirmam que as relações sexuais eram desprovidas de afetividade, sendo muitas vezes comercias - com profissionais tanto do sexo feminino quanto masculino - ou com os próprios escravos. Homens e mulheres faziam uso de todos esses serviços.

08_Ato_sexual_Afresco_na_Casa_do_Amor_Punido_1St_CE_Pompeia_08.jpg Ato sexual, Afresco na Casa do Amor Punido, 1St CE- Pompéia.

09_Cena_de_ato_sexual_presente_em_pequeno_quarto_na_Villa_dei_Vettii_09.jpg Cena de ato sexual presente em pequeno quarto na Villa dei Vettii.

10_Um_casal_no_fundo_de_um_espelho_de_bronze_ca_70_90_AD_10.jpg Um casal no fundo de um espelho de bronze (ca. 70-90 AD).

"Falam de ti os fofoqueiros, Quíone, que não tens fodido nunca, e não há boceta mais casta do que a tua. Só que, quando tomas banho, não cobres a parte do corpo que deverias cobrir. Se tens pudor, põe a calcinha no rosto." Marcial (40 d.C a 104 d. C. poeta epigramático).

11_Bacante_tocada_por_um_satiro_Afresco_na_Casa_de_L_Caecilius_Jurundus_11.jpg Bacante tocada por um Sátiro, Afreco na Casa de L. Caecilius Jurundus, s.d - Pompeia.

12_Satiro_e_bacante_encantados_um_pelo_sexo_do_outro_1st_C_Pompeia_12.jpg Sátiro e Bacante encantados um pelo sexo do outro, 1st C - Pompeia.

13_Oferendas_votivas_em_Pompeia_com_representacoes_de_seios_e_penis_13.jpg Oferendas votivas em Pompeia com representações de seios e pênis - Museu Nacional de Arqueologia de Nápoles.

O sexo era entendido como algo mágico e divino. Tanto que o falo - assim como os seios - era símbolo de sorte e da fertilidade, e ficavam nas casas e nos furos da entrada da cidade. Príapo - o deus da fertilidade com o falo gigante - era representado ao lado de cestas de frutas e plantações. Os deuses em geral eram seres muito sexuais. A maioria das imagens traz deuses e divindades ligados à sexualidade: Vênus, Marte, Mercúrio, Eros, Príapo, sátiros e bacantes.

14_Falo_em_templo_de_Pompeia_14.jpg Falo em templo de Pompeia.

15_O_divino_falo_1st_C_Pompeia_15.jpg O divino falo, 1st C - Pompeia.

16_Priapo_medindo_seu_falo_1st_C_Pompeia_Villa_dei_Vettii_16.jpg Príapo medindo seu falo, 1st C - Pompeia, Villa dei Vetti.

17_Satiro_e_Ninfa_simbolo_mitologicos_da_sexualidade_em_um_mosaico_de_um_quarto_em_Pompeia_17.jpg Sátiro e Ninfa, símbolos mitológicos da sexualidade em mosaico de um quarto em Pompeia.

18_Marte_e_Venus_18.jpg Marte e Vênus.

19_Cena_erotica_presente_em_banho_no_suburbio_de_Pompeia_19.jpg Cena erótica presente em banho no subúrbio de Pompeia.

20_Descricao_do_Coitus_a_Tengo_Afresco_1ST_CE_Pompeia_20.jpg Descrição de 'Coitus a tergo' (penetração vaginal por trás), Afresco, 1st CE - Pompeia.

21_Escultura_com_cena_erotica_21.jpg Escultura com cena erótica.

Já nos murais dos prostíbulos, as imagens serviam de estímulo e de "cardápio" dos serviços oferecidos aos clientes. Em quartos simples com uma cama de pedra e um colchão em cima, os frequentadores encontravam à frente de suas cortinas as lobas - como eram chamadas as profissionais do sexo - com roupas diminutas e oferecendo, a quem pudesse pagar seu preço, uma noite repleta dos mais diversos prazeres.

Cenas de sexo anal são encontradas apenas nos prostíbulos e termas, ao contrário do sexo oral, que era mais aceito socialmente - pela alta estima que os romanos concediam à boca. Mas isso não implicava que o sexo anal fosse praticado naturalmente.

22_Cena_erotica_de_sexo_oral_22.jpg Cena erótica de sexo oral.

23_Falo_em_entrada_de_bordel_com_inscricao_em_Hic_habitat_felicitas_Felicidade_Aqui_ao_vivo_ou_Aqui_vive_boa_sorte_23.jpg Falo na entrada de bordel com inscrição 'Hic habitat felicitas' (Felicidade Aqui ao vivo ou Aqui mora a boa sorte).

24_Cena_em_vaso_com_dois_jovens_durante_sexo_anal_24.jpg Cena em vaso com dois jovens durante sexo anal.

A homossexualidade era vista com naturalidade e exposta em diversos murais pelos prostíbulos. Relações entre homens mais velhos e jovens eram toleradas desde que os jovens não fossem romanos livres. Há testemunhos de relações sexuais entre mulheres, mesmo que ainda pouco estudadas - principalmente na literatura - que demonstram que sexo entre mulheres também era aceite.

25_Detalhe_do_calice_de_Warren_Museu_britanico_de_um_jovem_sendo_penetrado_por_um_homem_25.jpg Detalhe do cálice de Warren (Museu Britânico) de um jovem sendo penetrado por um homem.

"Entramos então e, levados por entre placas, avistamos um grande número de pessoas de ambos os sexos, tão animados a se divertir nos quartos, que todos, por todos os lados, me pareciam ter tomado satirião. Ao nos perceberam, tentaram nos aliciar com sua petulância de andróginos; um deles, de pau duro até a cintura, partiu para Ascilto, e, derrubando-se sobre um leito, tentou moer o trigo em cima dele." Satyricon - Petrônio (? - 66d.C, Roma).

26_Cena_erotica_cerca_de_50_a_79_AD_2_26.jpg Cena erótica - cerca de 50 a 79 AD.

27_Cena_erotica_cerca_de_50_a_79_AD_27-.jpg Cena erótica - cerca de 50 a 79 AD.

Além dos murais, também foram encontradas diversas inscrições - grafites - nas paredes das ruas e prostíbulos. De declarações de amor, a afirmações de ciúmes, chegando à descrição de atos e preferências sexuais, ao alcance dos olhos de qualquer habitante que passasse em frente. Alguns exemplos presentes em Pompeia podem ser lidos abaixo:

"Por que, Taís, me acusas sempre de ser velho? Ninguém é velho, Taís pra uma chupada." Marcial (40 d.C a 104 d. C. poeta epigramático).

"A noite toda fiz amor com uma moça lasciva cujas habilidades sexuais nenhuma outra pode superar. Cansado, depois de mil posições, pedi-lhe que me deixasse fodê-la como a um moço. Nem bem terminava meu pedido, e ela já me concedia seus favores. Rindo e vermelho de vergonha, pedi-lhe algo mais indecente ainda. Ela, cheia de luxúria, disse que sim sem qualquer hesitação." Marcial (40 d.C a 104 d. C. poeta epigramático).

"Eu, Lidê, posso satisfazer três homens ao mesmo tempo. Um com a minha boca, outro com meu cu. Recebo o pederasta, o amante e o fantasioso. Ainda que tenhas pressa e venhas com dois amigos, não deixes de entrar."

"Festo fodeu aqui com seus camaradas" ou "Aqui fui comida" (escrito na parede de um prostíbulo).

É interessante perceber as similaridades e rupturas entre romanos antigos - ou egípcios e indianos antigos - e as sociedades atuais. Pertinente porque rompemos preconceitos em relação a outros povos e suas práticas sexuais, e percebemos "gostos" em comum. Mas também, olhar o passado nos leva a uma melancolia: o sexo  hoje está muito mais ligado aos conceitos de pecado, enquanto no passado era um caminho para o divino. E no final esvaziamos o significado de algo que, ainda que muito carnal, possuía sua parcela celestial e poética.

28_Cena_erotica_cerca_de_1_a_50_AD_28.jpg Cena erótica, cerca de 1 a 50 A.D.

29_Cena_de_amor_entre_satiro_e_bacante_29.jpg Cena de amor entre Sátiro e Bacante.

30_Polymphemus_and_Galatea_30.jpg Polymphemus e Galatea.

31_O_satiro_e_a_bacante_1_st_C_Pompeia_31.jpg Sátiro e Bacante.


carolina carmini

gosta de pensar que se não tivesse nascido, alguém a teria inventado.
Saiba como escrever na obvious.
version 20/s/artes e ideias// eros, @erotic //carolina carmini
Site Meter