Causas e consequências da violência no esporte

Esporte significa saúde, emoção, satisfação, desafio, comunidade, apoio, talento, trajetória, vitória, alegria, irmandade, cidadania, respeito. Mas, quando há violência no esporte, há a negação e anulação de todos estes conceitos.


violencia no esporte

Não há dúvidas de que a violência no esporte advém de uma face da sociedade que engloba a violência no cotidiano. O esporte que, teoricamente, deveria sublimar a violência, passou a ser a própria forma de manifestação desse fenômeno. Infelizmente, tem sido cada vez mais frequente a violência no esporte. Seja em qual modalidade for, seja em que país for, o esporte tem ocupado um lugar de destaque nos noticiários há muito tempo, muitas vezes, pelos motivos errados, violência e agressividade, sejam elas pelos próprios esportistas, sejam pelos torcedores, sejam pelos policiais ou autoridades que tentam acalmar os ânimos dos dois lados.

As causas da violência no esporte não se sabe. Pode ser ego, falta de confiança ou imbecilidade, nunca saberemos. Mas sabemos que a impunidade é um fator determinante para a continuidade deste quadro. Hoje, as autoridades evitam elaborar qualquer nova lei, mas, para controlar a violência no esporte, era necessário que fôssemos protegidos por leis e penas mais rigorosas.

É uma pena que muitas pessoas que se julgam adeptos do esporte promovam a violência. Esporte era para ser exatamente o posto disso. Esporte remete-nos à desafio, time, grupo, habilidades, talento, irmandade, dedicação, saúde, e mais uma porção de ideias que deveriam nos unir, ao invés de separar-nos. Deveríamos todos ser gratos pelo esporte, pela prática, pela luta - individual ou em grupo - pela oportunidade. Deveríamos apoiar-nos uns aos outros. Mas, não. O que vemos, constantemente, são dois lados que odeiam-se. Torcedores de dis grupos rivais que buscam não somente ganhar, mas humilhar o adversário. É realmente disso que se trata o esporte?

violencia no esporte

E a violência no esporte vai muito além dos estádios, ginásios ou arenas esportivas, elas começam antes, nas ruas, nos bares, no trânsito, na internet. A violência no esporte existe em todas as formas, seja violência verbal ou física. O Bullying no esporte tomou proporções enormes, principalmente com o advento da internet, na qual manifestar-se contra ou à favor de um determinado time é jogar-se aos leões. Sem falar no vandalismo que se aplica à quase todas as situações de violência no esporte. Espanca-se o outro, se destroi propriedades públicas e privadas. E as consequências desta violência é dramática e destroi os conceitos por trás do que era para ser um elo entre as pessoas.

Como seres humanos já entendemos que somos incapazes de respeitar a opção religiosa, política e sexual do outro, mas será que não conseguimos respeitar suas opções no esporte? É mesmo tão trágico ver alguém apoiando um time que não é o seu? O mundo está cheio de idiotas, mas aderir ao bullying esportivo é passar dos limites do bom senso. É isto uma grande necessidade de ser anarquista e promover violência gratuita?

violencia no esporte

violencia no esporte

Infelizmente, hoje em dia, está cada vez mais remota a possibilidade de irmos a um jogo de futebol e não ficarmos assustados com a possibilidade de sermos engolidos vivos por idiotas furiosos que acham que fazem um favor ao seu time. Infelizmente, hoje em dia, ganhar ou perder não importa mais. O que importa é bater no peito e berrar aos quatro ventos o quão orgulhoso se é da camisa que se veste. Gente estúpida, que não merece nem sabe viver o esporte.

No entanto, algumas providências já foram adotadas, como por exemplo o cadastramento de torcedores, o incentivo da presença das famílias nos torneios, a proibição de identificação de torcidas uniformizadas. São medidas enérgicas e responsáveis que podem ajudar o esporte a livrar-se da violência.

violencia no esporte


rejane borges

Gosta das cores de folhas secas ao chão. E das cores das folhas velhas dos livros.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious, @obvioushp //rejane borges