Pinturas famosas de Portugal

A Arte Portuguesa possui um permanente diálogo entre as diversas escolas, épocas e geografias da Europa e do Mundo. Conheça aqui alguns dos grandes nomes da arte de Portugal.


O Fado 1910 Jose Malhoa O Fado, 1910, José Malhoa

Paula Rego Paula Figueiroa Rego nasceu em 1935 e é uma pintora portuguesa de grande reconhecimento internacional. Iniciou os seus estudos superiores em Londres na Slade School (1952-1956). Desde os anos 60 que as suas obras são reconhecidas conseguindo a sua primeira exposição individual em Londres na Air Gall em 1981. Em 1990 torna-se a primeira artista associada da National Gallery. Em Fevereiro de 2008, o seu quadro "Baying" foi adquirido por 636,768 euros, na Sotheby's de Londres.

Baying by Paula Rego Baying, 1994, Paula Rego

Júlio Pomar Nascido em 1926, Júlio Pomar foi influenciado pelos muralistas mexicanos como Orozco e Diego Rivera, sendo assim, aplicou essas técnicas em sua arte. Estudou na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa e do Porto. Com uma grande projeção internacional, Pomar é um dos grande nomes da arte europeia. Entre as suas obras mais famosas está o quadro "O almoço do trolha", 1946-50.

Julio Pomar O almoco do trolha, 1946-50 O almoco do trolha, 1946-50, Júlio Pomar

Júlio Resende Nascido em 1917, desde menino dedica-se às ilustrações e histórias em quadrinhos para jornais e publicações infantis. Formou-se em Pintura pela Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa. Com uma carreira intensa, Júlio Resende iniciou sua carreira no Expressionismo, seguindo para o modernismo e, mais tarde, para o Geometrismo e Abstracção. Também possui trabalhos como decorador em vários museus e edifícios públicos de Portugal, como por exemplo painéis cerâmicos para a estação do Metropolitano de Lisboa, "Sete Rios" e vários painéis de azulejo para a estação de fronteira de Vilar Formoso.

Painel de azulejos Julio Resende Porto Painel de azulejos, Porto, Julio Resende

Manuel Cargaleiro Ceramista e pintor português, Manuel Cargaleiro nasceu em 1927 e viveu ao sul do Tejo. Foi professor de cerâmica na Escola de Artes Decorativas António Arroio, em Lisboa. O artista criou a Fundação Manuel Cargaleiro e doou algumas das suas obras. A sua obra dispersa-se pela cerâmica, pintura, gravura, guache, tapeçaria e desenho, tendo executado painéis cerâmicos para o Jardim Municipal de Almada, fachada da Igreja de Moscavide (1956), fachada do Instituto Franco-Português de Lisboa (1983), estação do Metro de Champs Elysées-Clémenceau, de Paris (1995), painel para a escola com o seu nome no Seixal (1998), estação de serviço de Óbidos na auto-estrada do Atlântico (2000), fonte do Jardim Público de Castelo Branco (2004) e estação de metro de Lisboa Colégio Militar/Luz (Metro de Lisboa).

Painel de azulejos no metro de Paris Champs Elysées Manuel Cargaleiro Painel de azulejos no metrô de Paris Champs Elysées, Manuel Cargaleiro

René Bértholo Pintor Português, frequentou a Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa entre 1951 e 1957, onde também fundou e dirigiu a revista "Ver". Logo em 1959 foi Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Utilizando técnicas diversificadas, os seus trabalhos são o registro de pequenos momentos do cotidiano, dos gestos, gostos, das anedotas e dos sonhos e objetos da vida moderna das cidades.

Memórias dum circo 1991 Rene Bertholo Memórias dum circo, 1991, René Bértholo

Maria Vieira da Silva Nascida em Lisboa em 1908, ela foi uma pintura portuguesa de renome, naturalizada francesa em 1956. Estudou na Escola de Belas Artes de Lisboa e mais tarde frequentou o curso de Anatomia na Faculdade de Medicina de Lisboa, devido à atracção que tinha pela escultura. A sua pintura intitulada Souterrain conseguiu atingir 664, 419 euros, em Junho de 1990, na Sotheby's de Londres. Em 1928 foi residir para Paris, onde conheceu o seu futuro marido, o também pintor Árpád Szenes, húngaro, com quem se casou em 1930. O casal decidiu residir por um longo tempo no Brasil, durante a Segunda Guerra Mundial e no período pós-guerra, e lá entraram em contato com importantes artistas locais e exerceram grande influência na arte brasileira, especialmente entre os modernistas. A partir de 1948, o Estado Francês começa a adquirir as suas pinturas e em 1956 tanto ela como o marido obtêm a nacionalidade francesa. Em 1960 o Governo Francês atribui-lhe uma primeira condecoração, em 1966 é a primeira mulher a receber o Grand Prix National des Arts e, em 1979, torna-se cavaleira da Legião de Honra francesa.

O Desastre Maria Helena Vieira da Silva O Desastre, Maria Helena Vieira da Silva

Guilherme Parente Nascido em 1940, iniciou a sua carreira artística no Convento dos Marianos. Nos anos 60, frequenta os cursos de gravura da Sociedade Cooperativa dos Gravadores Portugueses. Mais tarde, trabalhou na Slade School em Londres como Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Expôs individualmente em vários países da Europa como Bélgica, Alemanha, Inglaterra, França e Portugal, e também nos Estados Unidos e Japão. Guilherme Parente está representado no Ministério da Cultura, no Museu Nacional de Arte Contemporânea, na Fundação Nacional Soares dos Reis, Na Fundação Calouste Gulbenkian e no Museu Machado de Castro, e desta forma dá um grande contributo no domínio das artes plásticas em Portugal.

A viagem na minha terra I Guilherme Parente A viagem na minha terra I, Guilherme Parente

José Malhoa Nascido em 1855, foi um grande pintor, desenhista e professor da Língua Portuguesa. Estudou na escola de Belas Artes de Lisboa. Seu primeiro trabalho como pintor foi pintar o teto da sala de concerto no Conservatório Real de Lisboa. Mais tarde, também pintouo teto da sala do Supremo Tribunal de Justiça de Lisboa, o teto da sala de jantar do palácio do Sr. Conde de Burnay e o dos aposentos do senhor infante D. Afonso. É o artista português que mais se aproximou do Impressionismo, embora tenha sido o grande pioneiro do naturalismo. Realizou exposições em diversos pontos da Europa como Madrid, Paris, e também no Brasil. Malhoa alcança um novo recorde a 26 de Julho de 2007, na Christie's de Londres, com o quadro naturalista Jóvens Músicos adjudicada por 445,560 euros.

Jovens Musicos, 1891, Jose Malhoa Jovens Músicos, 1891, José Malhoa


rejane borges

Gosta das cores de folhas secas ao chão. E das cores das folhas velhas dos livros.
Saiba como escrever na obvious.
version 8/s/artes e ideias// //rejane borges