Krav-Magá: a arte da defesa

Técnica de defesa pessoal criada em Israel que conquistou o mundo ao unir movimento precisos e o poder da autoconfiança sobre o corpo.


02_Krav_Maga.jpg © Krav-Magá (wikicommons).

O surgimento do Krav-Magá deu-se num ambiente conturbado. Nos anos 30 e 40, o Oriente Médio estava sob controle dos britânicos. Nessa época, o criador do Krav-Magá, Imi Lichtenfeld, já participava de confrontos na capital da Eslováquia, Bratislava, e liderava um grupo de resistência contra os fascistas. Na mesma época, deixou sua terra natal rumo a Israel.

Antes de chegar ao país, Imi lutou no Oriente Médio em combates na Líbia, Síria, Líbano e Egito. Em 1942 recebeu licença para entrar na terra prometida. Ao chegar, juntou-se à organização Hagana. Na época, várias organizações tentavam defender a população.

03_Grao_mestre_Imi_Lichtenfeld_e_Yaron_Lichtenstein.jpg © Grão Mestre Imi Lichtenfeld e Yaron Lichtenstein (wikicommons).

Depois da fundação do Estado de Israel e da criação das forças de defesa israelense (Tzahal), Lichtenfeld foi nomeado instrutor-chefe de preparação física para combate e defesa pessoal, o qual comandou durante 18 anos, até 1966. Nos primeiros anos depois da fundação do exército israelense os treinamentos ganharam vários nomes: Kapap, Krav Panim El Panim (combate corpo a corpo), Makel Bemakel (bastão contra bastão) e Yadaim Reikot (mãos vazias).

05_Yaron_Lichtenstein_em_demostracao.jpg © Yaron Lichtenstein em demonstração (wikicommons).

Após sair do comando do Tzahal, se debruçou sobre o Krav-Magá, adaptando e adequando a técnica ao mundo civil, tornando-o acessível. Assim, abriu dois centros de treinamento: um em Tel Aviv e outro em Natanya. Já pensando no futuro do Krav-Magá, selecionou um grupo com seus melhores alunos que viriam a ser os responsáveis pela disseminação da técnica. Somente em 1978 foi fundada a Associação de Krav-Magá em Israel.

DISCÍPULOS Segundo o livro “Gênesis - A História do Krav-Magá”, dos pesquisadores Jeffrey Tuchman e George Mayers, apenas dez alunos receberam a faixa preta das mãos de Imi. São eles: Eli Avikzar, Rafi Elgarisi, Haim Zut, Shmuel Kurzviel, Haim Hakani, Shlomo Avisira, Vicktor Bracha, Yaron Lichtenstein, Avner Hazan e Miki Asulin.

Esse grupo foi dividido entre as academias de Natanya e Tel-Aviv. Cada um de seus alunos teve grande participação na disseminação do Krav-Magá. Foi em Eli Avikzar que Imi encontrou os elementos que procurava: movimentação suave, velocidade, rapidez e boa capacidade de reação. Com Yaron Lichtenstein escreveu dois livros. Alguns, como Rafi Elgarisi, já tinham praticado alguma outra luta, como o boxe. Imi também considerava importante que os alunos tivessem educação ampla em áreas desligadas como o Judô, Pugilismo, Aikido.

EXPANSÃO E DERIVAÇÕES O principal protagonista da expansão do Krav-Magá foi Yaron Lichtenstein, que teve papel crucial no processo de divulgação e ascensão da arte marcial. Os dez alunos de Imi funcionavam como uma unidade, ao mesmo tempo em que trabalhavam como instrutores, geralmente na cidade onde moravam.

04_Krav_maga_lesson_in_paratroopers_school_Israel_1955.jpg © Lição de Krav-Magá na Escola de Paraquedistas, Israel, 1955 (wikicommons).

Na década de 1970, Eli Avikzar foi encarregado de ser instrutor-chefe na escola de preparação física do exército, enquanto Yaron era instrutor-chefe na escola de treinadores no Instituto Wingate.

Na mesma época, Yaron foi recrutado para ser instrutor no Serviço Secreto Israelense, fato que marcou a ingressão do Krav-Magá em uma instituição governamental e a desmilitarização da arte. O objetivo inicial era que Eli e Yaron trabalhassem juntos, o que não aconteceu. Uma das escolas foi dada à Eli e a outra, em Tel-Aviv para Lichtenstein.

Com o crescimento do número de alunos, Yaron voltou a sua cidade natal, Rehovot, onde fundou junto com Imi a BUKAN, com mais de três mil alunos. Com o passar do tempo, o Krav-Magá foi inserido nas escolas públicas de Israel. No Instituto Wingate, Yaron recebeu o título de treinador especializado em Krav-Magá, certificação que lhe dava autorização para conceder diplomas de instrutor.

O primeiro país a receber a delegação de instrutores e alunos foi a Holanda. Os livros que publicaram juntos também ajudaram na disseminação e num melhor entendimento dos já praticantes da arte.

OS GOLPES Como o objetivo do Krav-Magá é preparar o aluno para as agressões e violências do dia-a-dia, as aulas procuram simular esse ambiente das ruas. Alguns golpes e técnicas são comuns a outras artes marciais como o boxe, muay thai e jiu-jitsu.

Além dos golpes, o aluno deve desenvolver visão periférica e autoconfiança, elementos que só contribuirão para sua formação na arte. Tudo é permitido, desde cotoveladas a socos nas áreas íntimas, o que vale é a rapidez e a precisão dos movimentos.

01_Woman_gouging_eyes.jpg © Krav-Magá aplicado como auto-defesa para mulheres (wikicommons).

O Krav-Magá trabalha com a transferência do peso para o adversário e visa atingir os pontos mais sensíveis do corpo. Dependendo da situação é recomendado atingir os locais letais. Veja mais nos vídeos:

FILOSOFIA E PREPARAÇÃO Como qualquer outro treinamento – seja de arte marcial, de um esporte – o Krav-Magá estimula a superação de limites. O aluno deve levar consigo um sentimento de competição e estabelecer metas que deverão ser alcançadas.

Porém, ao contrário de outras lutas e esportes, vai além do trabalho corporal, atingindo a mente e a espiritualidade. Uma das principais metas é a conquista da autoconfiança. Sendo uma arte de defesa pessoal, o Krav-Magá trabalha com o “não sentir-se ameaçado”, seja fisicamente ou não. Quando o aluno se sente capaz, consegue levar uma vida mais saudável física e mentalmente.

São quatro os princípios do caminho de vida do Krav-Magá: - Coragem: enfrentar obstáculos, não importa qual a sua dimensão; - Equilíbrio emocional: controlar as emoções, sem deixar que o medo se sobreponha e impeça a ação; - Paciência: a mudança acontece gradativamente, acompanhando o ritmo individual de cada aluno; - Respeito: respeitar a si próprio, ao próximo e o inimigo.

Portanto, para que a defesa seja precisa, corpo e mente devem estar em equilíbrio.

O objetivo principal do fundador do Krav-Magá era mostrar que qualquer pessoa pode aprender a se defender da violência do dia-a-dia. Imi se preocupou em passar sua postura otimista diante das adversidades da vida.


Carolina Carettin

Estudante de Jornalismo. Gosta de todas as artes, porque seria injusto escolher só uma delas.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 5/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Carolina Carettin
Site Meter