asas e segredos...

Porque o segredo é dar asas à criatividade!

Lucifrance Carvalhar

Escritora, sonhadora, amante da arte, literatura e da vida! Psicóloga, formada em Letras e Pedagogia e autora dos livros "Quando eu voltar a ser adolescente" e "Festa de Quinze Anos". Escreve poemas, contos e crônicas!

A diferença entre ver e olhar

A dificuldade de olhar pode levar a caminhos incompreensíveis, que somente explorando o nosso olhar podemos entender o que há de mais precioso em nós


Olhar.jpg

Quantas vezes olhamos para algo e não conseguimos interpretar? Estamos vendo, mas não estamos conseguindo olhar!

Olhar é diferente de ver.

Ver é inerente, faz parte da nossa visão, vemos apenas porque vemos.

Pode até ser complexo este conceito, mas o olhar vai muito mais além que o simples ato de ver.

Muitas vezes estamos diante de uma imagem, vemos, mas não enxergamos o seu significado real.

Isso acontece porque nosso olhar não está apurado ou nosso inconsciente não quer nos deixar aprofundar naquilo que poderá ou não nos trazer alguma dor ou sofrimento.

Olhar implica em interiorização, em complexidade, pede compreensão para nós mesmos, é uma experiência única, individual.

O ver é imediato, é frio, sem interesse, não aguça nossa vivência, não traz ação e não provoca atitudes.

Já o olhar é lento, é analítico, traz sentimento, sensibilidade, requer atenção, minúcias, perspicácia, contemplação.

Olhar é ponderação, exige dedicação e profundidade interior.

Olhar nos remete a um mergulho na nossa alma, no nosso eu mais profundo.

Olhar pode perturbar, angustiar, provocar reações que algumas vezes negamos em nós e no outro.

Muitas vezes temos tanta dificuldade de olhar que não conseguimos enxergar o que há por trás de uma situação e demoramos a entender suas metáforas.

Quantas situações somos enganados apenas por que temos dificuldade de olhar?

É algo comum, corriqueiro e podemos compreender isso ao vermos uma imagem. Muitas pessoas conseguem vê-la e enxergá-la na íntegra, mas para aqueles que possuem dificuldade em olhar, a imagem poderá passar despercebida nos seus detalhes, fazendo apenas com que ela seja vista.

No ver não há mediação, não há conexão, não há lentidão, pois a ansiedade de ver é maior e faz com que não haja apreciação, mas somente imediatismo.

Pessoas ansiosas tendem a isso, uma vez que não são pacientes e, em muitas situações, recusam-se a parar e a olhar, querem tudo para ontem e tendem a querer ver o futuro, não se fixam no presente.

É um processo inconsciente que pode ser trabalhado quando há a percepção de que não se está olhando, mas apenas vendo.

Não é o olhar para uma imagem que é complexo, mas sim o olhar para sua vida, para seu interior, para tudo o que há ao seu redor, que pode estar refletindo em suas ações diárias e levando até a prejuízos pessoais e afetivos.

Pessoas com dificuldade de olhar podem ser lesadas e presas fáceis de manipuladores, acreditam em tudo, já que apenas veem as situações e nem sempre as analisam com sagacidade, sabedoria, não interpretam a sua complexidade.

Desenvolver o olhar é fundamental, porque ele é ação, é perceber, é conviver, é observar as nuances do outro e de si mesmo.

Olhar traz transformação, compreensão, analogia com o que há ao redor, diferenciando do ver, da visão, que não requer amadurecimento.

Para Márcia Tiburi, filósofa, “aprender a pensar é descobrir o olhar”. Não há como fugir disso porque o olhar desnuda as mentiras, revela as verdades, derruba as cortinas da falsidade e da insensatez a que muitas vezes estamos imersos e somos submetidos.

Portanto, se você tem dificuldade em olhar, procure trabalhar isso por meio de imagens simples e vá caminhando até as mais complexas.

Faça exercícios diários como meditação, leitura de gestos, feche os olhos, ouça uma música suave, procurando imagens que possam aguçar o seu olhar, tente esvaziar a sua mente de pensamentos barulhentos, dedique-se à escrita, contemple a natureza, observe os pássaros, as borboletas e até os insetos mais pequenos.

Olhe o pôr-do-sol e respire profundamente, buscando a beleza que há no seu adormecer.

À noite contemple a lua e procure olhar para suas nuances, brilho e fases; observe seus movimentos.

Aprecie as belezas que o Universo proporciona.

Você vai perceber que o olhar depois do ver traz surpresas e definições que jamais poderíamos imaginar que existissem.

Pode ter certeza de que você encontrará respostas para as quais estava procurando há muito tempo, mas o ato de ver não lhe permitiu que fosse mais além.


Lucifrance Carvalhar

Escritora, sonhadora, amante da arte, literatura e da vida! Psicóloga, formada em Letras e Pedagogia e autora dos livros "Quando eu voltar a ser adolescente" e "Festa de Quinze Anos". Escreve poemas, contos e crônicas!.
Saiba como escrever na obvious.
version 33/s/artes e ideias// //Lucifrance Carvalhar