attraversiamo

O constante movimento da vida...

SAH

" aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos, por aqueles que não podiam ouvir a música."

eu e Deus

Sobre religião e religiosidade: " A menina me olhou com carinho e abaixou a cabeça. Naquele momento eu entendi que se quisesse falar com Deus precisaria calar a voz, ficar a sós. – Talvez porque a minha relação com o Pai tenha se transformado em moeda de troca, eu tenha guardado muita mágoa ao perceber que mesmo eu fazendo tudo certo, não consigo mais o sentir tão perto – Que petulância a minha em nutrir esse sentimento por Deus – Esse dedo apontado como quem diz: “Ei cara! Qual é a sua!?"


download.jpg

Não sei por qual motivo, mas tenho refletido muito a respeito da minha relação com Deus. Acredito que a causa dessa busca por entender, não "O que é Deus", " Quem é Deus" ou " Que é Deus", mas o efeito desse ser em mim. Nunca vi Deus, não tenho capacidade para defini-lo. Acho essa uma questão minimamente complexa e polêmica, por isso não pretendo ater-me a ela, mas a compreensão de como venho me relacionando com Deus. Acredito que tudo começou quando eu nasci e vivi. Sim, porque depois de ter nascido de seis meses, ter sido roubada no hospital e voltar para as mãos dos meus pais com 900 kg, eu sobrevivi, apesar de toda controvérsia. Então podemos dizer que a minha relação com Deus começa comigo bebê sem muita consciência do que acabara de acontecer, mas ouvindo todos falarem desse Deus que tinha um propósito muito grande em minha vida. Acreditar ou não na existência de Deus, não estava em questão – Não para mim que acabara de ser salva por ele. Não podia ser deselegante logo com Deus, precisava não só acreditar como ser grata. Não sei se influenciado por esse episódio, mas o fato é que sempre fui muito religiosa, daquelas que não perde uma missa – depois de oito anos no catecismo, finalmente aprendi a rezar o credo – estava pronta para a primeira comunhão. – Momento muito especial em minha vida! Apesar da conexão com a igreja, passei por uma cirurgia e logo me vi tendo que me ausentar por algum tempo – necessidade que nem todos compreenderam – o que me levou a buscar novos caminhos. Cheguei a visitar vários segmentos religiosos e por incrível que pareça me senti bem em todos os lugares. – O que me fez perceber que independente da religião, minha necessidade estava em buscar Deus – Durante esse período de procura por um lugar, caminhei sozinha com minhas preces, músicas e o programa Direção Espiritual com Padre Fábio de Melo, que me aliviara o coração. Acredito que esse foi o período chave para a percepção de que eu não precisava estar num lugar para estar na presença de Deus. Apesar desse entendimento que a cada dia se fazia mais claro, eu continuava sentindo a falta de um grupo que me ajudasse no fortalecimento das minhas crenças e fé. E que pudesse nutrir essa minha fase tão questionadora e liberta de qualquer verdade absoluta. Foi aí, que conheci o consolador prometido. Não sei se por finalmente ter encontrado um lugar que não me impusera nada, o fato é que me sentia muito confortável – Finalmente iria pertencer a um grupo e ser eu. Acontece que ao conhecer um Deus que é infinitamente bom justo e misericordioso e ao mesmo tempo ser apresentados a Jesus como um irmão querido, nosso guia e modelo; Ao tomar consciência da lei de causa e efeito, eu que já não queria ser ‘eu’. Mas, acostumada que estava ao preenchimento das regras, para ser reconhecida por meu Pai, como uma filha pródiga, acreditei que bastava continuar seguindo o que era estabelecido como certo. E assim, o fiz durante muito tempo na intenção de que me reconhecesse como boa filha e se orgulhasse e me amasse. Certa de minhas convicções, acreditava ser especial aos olhos de Deus, sentia como se nada de ruim pudesse me acontecer, tinha fé na realização dos meus sonhos e metas. – O andar na linha era minha garantia para a felicidade. Nas pequenas dificuldades corria a pedir socorro com a certeza de que seria atendida. Até o mundo desabar nas minhas costas! – Quem me ver passar na rua sabe o quanto estou perdida. Paradoxalmente quem acompanha minha timeline no facebook deve pensar: “Que tudo? Que errado? Que ingrata!” – Sim, porque para quem passou no vestibular, tem o conforto de morar em frente à faculdade, vive na balada com os amigos e tem um lugar para onde voltar – minha família. Sem contar o fato deu estar preste a ir para a Califórnia (essa informação ainda não está na minha timeline, é do conhecimento de poucos), torna-se, quase ilícito sentir-se mal, numa sociedade que condena o sofrimento, chorar é sinônimo de fraqueza e ser feliz é uma obrigação. Nesse momento da minha vida em que tudo parece perfeito, fui obrigada a me deparar com aquela lei de causa e efeito citada anteriormente. Ela tem me tirado a paz, o tesão pelas coisas que mais amo, a vontade de seguir em frente. Há dias que parecem tão longos, tenho a sensação que não vai acabar ou que ao terminar será o último, para o meu alívio. Nesse exato momento me lembro de todas aquelas pessoas me dizendo o quanto eu devo ser grata por ter sobrevivido. Recordo aquela menina que, desde muito pequenininha, ajoelhava e com muito fervor fazia sua oração com o coração cheio de esperança, que acalmara seu coração - Tudo porque ela acreditava. Acredito muito no que dizia minha avó, “coração do outro é terra que ninguém pisa”. Partindo dessa premissa e de toda minha vivência, eu legitimo a dor como instrumento de transformação através da busca, pois só saímos da inércia quando o incomodo é tão grande a ponto de não caber mais em nós, aponto de transbordar em forma de lágrima todo o desconhecido que há em mim. A gente só procura quando sabe que precisa achar algo ou alguém – Seria Deus?! Não sei, fico pensando nessa conexão que tinha com Deus e tento resgatá-la. Ao mesmo tempo me pergunto se um dia houve essa ligação com o divino ou se o fato deu acreditar que havia é que fez toda a diferença. Mas... E hoje por que não consigo acreditar? Em busca dessa resposta resolvi me defrontar com aquela menina tão crente: (Quando cheguei, ela estava ajoelhada fazendo sua oração, fiquei com receio de intervir nesse momento tão sagrado. Fui me aproximando com todo cuidado. E ao notar minha presença, levantou seu olhar em minha direção sem dizer uma única palavra.)

Menina Rezando.jpg

Quebrei o silêncio: – Vim em busca da sua fé! – Por favor, me diz o que devo fazer para voltar a acreditar! – Eu já fui assim como você, hoje estou vazia – Não sei o que fazer? Menina: “Venha se ajoelhe aqui ao meu lado e fique em silêncio até que consiga se conectar com o mais alto.” – Mas como saberei que já estou conectada?

Menina: “Quando conseguir calar todas as vozes, limpar a mente, seu coração irá falar quando você nada conseguir dizer. E as palavras que por ventura sairão de sua boca serão traduzidas em sentimentos que te elevarão ao mais alto.” Eu então segui as instruções da menina e me ajoelhei para rezar. Passaram se alguns segundo e eu fui ficando cada vez mais angustiada, aquele silêncio me atormentava. As vozes dentro de mim foram crescendo e eu enlouquecendo... Então eu levantei e disse:

– Eu não sei! Eu não consigo! Isso não é justo sempre fiz tudo certo!

A menina me olhou com carinho e abaixou a cabeça. Naquele momento eu entendi que se quisesse falar com Deus precisaria calar a voz, ficar a sós. – Talvez porque a minha relação com o Pai tenha se transformado em moeda de troca, eu tenha guardado muita mágoa ao perceber que mesmo eu fazendo tudo certo, não consigo mais o sentir tão perto – Que petulância a minha em nutrir esse sentimento por Deus – Esse dedo apontado como quem diz: “Ei cara! Qual é a sua!?" Eu realmente sou tão ignorante em se tratando desse ser superior que ao invés de recorrer aos que estão mais próximos a mim, quero falar com Deus. – Só aceito se for ele a vir me socorrer – Mentira! – A verdade é que ando tão descrente que mesmo os irmãos de jornada já não conseguem me acessar. Ou melhor, eu não os sinto. Queria voltar a ser aquela menina, que acreditava que Deus era Jesus e, portanto estava perto dela. Aquela menina que conseguia se conectar com o sagrado, pois era só uma criança cheia de sonhos e ilusões, não tinha a consciência dos seus atos mesmo que inconsciente do passado. Não era cobrada a dar conta da sua vida de gente grande, não era obrigada a colher o que plantou. Aquela garotinha que não deixava espaço para mágoas, raiva e tristezas em seu coração, até porque sua única alternativa era ser forte e confiar. A menina que tão facilmente conseguia silenciar. Acredito que para conseguir construir uma relação com o divino, terei que voltar ao passado e buscar a fé e o coração daquela menininha. Terei que me livrar de todas essas vozes que gritam dentro de mim, não me permitindo ouvir a voz de Deus. Aprendi em meio a tanta dor, que não basta fazer tudo certo. É preciso “ser”! Para isso, são necessários muitas idas e vindas, muitas dores vividas, muitos laços refeitos e um coração puro. Eu sempre acreditei estar conectada a alguma energia superior. Hoje percebo que estou caminhando nessa direção. – Muitas vezes me perco e preciso recomeçar – brigo, fico zangada e triste. Quero desistir tamanho o cansaço, mas eu não posso! Não consigo! Porque desistir de ir em busca dessa relação, por vezes tão conturbada, é desistir de ir em busca de mim – Não do que já reconheço, mas principalmente, o meu avesso, o contrário do que sei, que ninguém sabe, nem mesmo eu, mas que é sabido e reconhecido por aquele que ali habita, Deus. Acredito que o tempo vai passar e a cada nova estação, eu estarei menos barulhenta, e assim, conseqüentemente mais próxima do silêncio necessário para ouvir a mim em essência e a Deus. Eu posso até não saber nada e não conseguir muita coisa, mas algumas certezas já me foram permitidas saber: Eu só conseguirei enxergar, sentir e vivenciar esse Deus, quando eu conseguir enxergá-lo em mim. Quando aprender a me amar, a me sentir e a me respeitar como parte da criação. Quando começar a enxergar o outro que insisto em não ver. Quando eu parar de fazer tudo certo e aprender que errar é parte fundamental da consolidação do ser. Quando houver menos orgulho em minhas atitudes e mais humildade em minhas vivências. Eu irei voltar a sentir Deus, toda vez que retomar aquela criança, que nada cobrava e tudo dava em prol da felicidade daqueles que amava e ama. Quando eu entender que, não adianta eu hoje querer entregar a conta de tudo que eu não fui, pois eu não sou mais aquela menininha. Ela é apenas uma parte do que eu sou – Uma parte importante! – Mas uma parte. – Eu tenho tanto ainda para ser – Estou em construção. Sou parte incompleta que só a vida poderá preencher. E principalmente, quando eu finalmente aceitar que o tempo não volta e eu não posso voltar no tempo. Portanto, o que me cabe é acertar as contas com o passado e encarar o presente com coragem com a certeza de que, mesmo não sabendo “Que é Deus”, ele está sempre comigo; e não porque eu fiz tudo certo, mas porque eu me relaciono com ele diariamente, pois entendo que ele faz parte de mim. – Essa não é uma escolha ou imposição, é simplesmente, uma constatação.


SAH

" aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos, por aqueles que não podiam ouvir a música." .
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/recortes// //SAH