blog do albino incoerente

falando sobre música, cinema, TV e literatura

Roberto Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário, doutor em dramaturgia norte-americana pela Universidade de São Paulo. Desde 2009 luta pelos direitos das pessoas com albinismo no Brasil, além de escrever sobre filmes, livros, séries e discos.

Uma narrativa chilena de empoderamento

Gloria mostra com sensibilidade uma mulher "comum", que nada tem de comum.


gloria.jpg

De tempos para cá, empoderamento tem estado em voga. Bastou aparecer personagem minoritária e a simples representação é índice de empoderamento. Foge ao escopo de resenhas fazer discussão acadêmica sobre temas, mas seria pertinente checar salários para ver se atrizes intérpretes de empoderadas são igualmente cheias de poder como os homens, porém.

Não procurei saber o salário da excepcional e premiada Paulina Garcia, mas Gloria (2013), dirigido por Sebastián Lelio, é excelente história de empoderamento feminino. A personagem-título é mãe de meia-idade vivendo muito só na capital chilena. Os filhos já adultos não têm muito tempo para ela, porque têm suas vidas/problemas, então, resta-lhe o emprego e dançar em bailes da saudade ou frequentar bares para solteiros, onde de vez em quando arruma parceiro.

Gloria não apresenta nada de “especial”, como preconiza certa cartilha artística. Isso não significa que seja oca; é como todos nós, comuns: cantarola música brega a plenos pulmões, enquanto dirige, usa uns oculões gigantescos (parece o Dustin Hoffman de Tootsie, às vezes!). À primeira vista desanima; que história uma pessoa assim teria para nos interessar? Pelo menos para os acostumados apenas à heroica narrativa comercial de Hollywood.

Num desses bailes da vida, conhece Rodolfo, coroa simpático, carinhoso, inteligente, bem-sucedido e fera na cama. Quero ver se Hollywood botaria Michael Douglas e Dianne Keaton em cenas tão apimentadas e realistas, como as entre Garcia e Sergio Hernandez. Rugas, flacidez, nada é camuflado, mas o sexo na idade três parece ser muito bom. Rodolfo, porém, é dominado pelas filhas e ex-mulher, dependentes e manipuladoras. Será que para fugir da solidão, compensa ter um homem assim, mesmo que fofo, atencioso (quando não sai correndo pra atender às marmanjonas) e rojãozinho no leito?

Gloria, o filme, narra paciente e vagarosamente esse recorte na vida de Gloria, a personagem. O roteiro faz emergir o fascínio que histórias “comuns” podem ter e nos insere no mundo interior tão rico de alguém que a princípio, julgamos não ter caso interessante a ser mostrado. Gloria é muito sobre percebermos que nossas vidas, embora imersas na cotidianidade desprezada e até ironizada pelas “grandes” narrativas, podem ser tão férteis e ricas quanto a das impossíveis personagens que somos adestrados a idealizar. Mas, Gloria, além de empoderar, ainda prova que diversidade é mais do que apenas mostrar personagens mais do mesmo, apenas com cores de pele diferentes ou orientações sexuais mais fluídas. É também mostrar como a vida de uma mulher “apagada” de classe-média não é nada apagada.

Filme assim exige atriz de alto calibre e Paulina Garcia dá um show de olhares e expressões faciais. Fascinante, e olha que a atriz está na tela quase o tempo todo. Mas é tão boa que em bem pouco tempo começamos a torcer e admirar essa mulher “comum”, quanto qualquer “incomum”, até cairmos na gargalhada no modo como elimina o bofe tóxico. Não se zangue, não deve ser mais spoiler a essa altura saber que Rodolfinho dança – não disse que é uma narrativa sobre empoderamento? O engraçado (mesmo) é ver como, e depois ficar morrendo de vontade de dançar Lança-Perfume (tem Rita Lee na trilha!) e a oitentista Gloria, com Gloria. E desejar que seja muito feliz do que jeito que der, porque Gloria é incrível.

E se ela é, podemos ser também!


Roberto Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário, doutor em dramaturgia norte-americana pela Universidade de São Paulo. Desde 2009 luta pelos direitos das pessoas com albinismo no Brasil, além de escrever sobre filmes, livros, séries e discos..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Roberto Bíscaro