blog do albino incoerente

falando sobre música, cinema, TV e literatura

Roberto Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário, doutor em dramaturgia norte-americana pela Universidade de São Paulo. Desde 2009 luta pelos direitos das pessoas com albinismo no Brasil, além de escrever sobre filmes, livros, séries e discos.

a fina flor do rock progressivo italiano

Um álbum lindo e melódico, para quem prefere o lado mais pastoral do rock progressivo.


Header-Pink-Camellia.jpg

Camelias Garden começou como projeto-solo do vocalista/tecladista/violonista/tamborinista Valerio Smordoni. Ele logo convidou o baixista/percussionista Marco Avallone e o guitarrista/violonista/ukulelista Manolo D'Antonio. Todo mundo no Camelias Garden é multi-instrumentista dos bons.

Em 2013, saiu o álbum de estreia, You Have a Chance. Como se não bastasse a proficiência instrumental do trio, chamaram convidados para tocar fagote, violino, violoncelo, flauta e percussões diversas. O resultado é riqueza instrumental, que comoverá fãs de folk prog dos anos 1970, especialmente os adoradores do fundamental Principe Di Un Giorno (1976), do Celeste. Mas, o Camelias Garden (CG) não é cópia, apenas parece conhecer bem e atua nos vetores determinados pelo PFM ou Harmonium.

Pastoral é o primeiro adjetivo que vem à cabeça para definir o suave som do CG, que, graças à diversificada instrumentação convidada, não resvala na mesmice do folk violonado nas dez faixas de You Have a Chance. Como não fazer comparações árcades em um álbum que abre com pássaros chilreando, em Some Stories? Os doces vocais em inglês e o violão dedilhado são constantes durante o álbum, mas, estão acompanhados por solos de outros instrumentos, dignos de derreter o coração. A melodia de Some Stores é reprisada como conclusão do álbum, mas, com letra distinta. O clima dessa vez chega ao quase ambient e a canção é salpicada de sons de grilos e água corrente de ravina, além de citações das faixas anteriores, de longe, como se sintonizadas num velho rádio AM.

Conforme indicam as barras no título, Dance Of The Sun/The Remark/Dance Of The Sun (Birth of the Light) é composta por seções, procedimento tão caro ao rock progressivo. Nem se trata de quilométrica suíte, são apenas seis minutos, mas que passam do folk medieval ao prog sinfônico, para finalmente retornar ao medieval dançante. Decididamente um álbum que agradará muito mais às almas gentis, o momento mais áspero está em We All Stand In Our Brokenn Jars. Fantástico solo de guitarra envigora a canção, não sem antes haver momentos de madrigais costurados entre violoncelo e outras cordas e teclas. Nesse e em outros momentos, Steve Hackett orgulhar-se-ia dos jovens ítalos.

Por falar em Genesis, Camelias Garden é cem por cento indicável para fãs do grupo inglês. O clima pastoral do início da fase Gabriel prevalece em mais de uma faixa, mas a influência do início da era Collins também se sente. Os mais de nove minutos de Mellow Days praticamente funcionam como tributo aos ingleses, sem soar como cópia. Trata-se de melancólico folk sinfônico, com mudanças de tempo e solo de guitarra de emocionar. Há momentos em que um teclado à Firth Of Fifth convive com percussão de corredeira, como emThe Cinema Show. Fãs de sinfônico provavelmente escolherão Mellow Days como ápice de You Have No Chance.

Cheio de melodias memoráveis e assobiáveis, o folk do CG vem temperado com pop em The Withered Throne; precedido por clima de hino anglicano, em ‘Till The Morning Came e dialogando com a tecnologia setentista, dos teclados Hammond, em Knight’s Vow. Se bem que esses teclados analógicos estão por todo o álbum, dando-lhe sabor bem vintage, embora com produção clarinha da modernidade. A instrumental A Safe Haven é a mais destoante do conjunto, porque vem carregada pelo piano debussyano em alguns momentos. Logo se vê, que, neste caso, desviar não é prejudicial.

O Camelias Garden evoca passeios por perfumados jardins.


Roberto Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário, doutor em dramaturgia norte-americana pela Universidade de São Paulo. Desde 2009 luta pelos direitos das pessoas com albinismo no Brasil, além de escrever sobre filmes, livros, séries e discos..
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/musica// @obvious, @obvioushp //Roberto Bíscaro