blog do albino incoerente

falando sobre música, cinema, TV e literatura

Roberto Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário, doutor em dramaturgia norte-americana pela Universidade de São Paulo. Desde 2009 luta pelos direitos das pessoas com albinismo no Brasil, além de escrever sobre filmes, livros, séries e discos.

Meninas populares brasileiras – parte ii

Sempre rica em cantoras, a MPB apresenta grandes vozes e trabalhos na nova geração. Conheçamos mais três.


illy.jpg Clique aqui para ler a parte I

Illy Cruz de Almeida Gouveia Santos, ou artisticamente, Illy, cresceu vendo shows de seu tio Ray Gouveia, na sua nativa Bahia. Ele era membro da Confraria da Bazófia, então, a sobrinha sempre teve acesso a muita música, principalmente a MPB dos anos 70. Casada com um sobrinho-neto de Caetano Veloso e Bethânia, Illy já abriu shows para Gal e Djavan, o que lhe conferiu visibilidade suficiente para a imprensa aponta-la como “próxima grande da MPB”. Que os laços famosos de parentesco e amizade não ofusquem o talento e qualidade de Illy, cuja doce voz encanta nas treze faixas de Voo Longe (2018), seu álbum de estreia.

Alexandre Kassin e Moreno Veloso dividem a produção, que, embora moderna, sobrevoa várias regiões da música dos anos 1970, tornando Voo Longe gostável para diversas gerações, desde modernetes que curtem o folk pop de César Lacerda, até os mais maduros, que cresceram ouvindo Novos Baianos, Caê Velô e Roberto Carlos.

Por vezes lembrando uma Gal Costa bem jovem, ainda do estreante Domingo (1967), Illy canta bem diversos ritmos. Tem baianidades (Sombra da Lua e Afrouxa); blues djavaneado (Que Foi My Love?); frevo liberado (Fama de Fácil); clima bossa-novista de calçadão de Ipanema (Olhar Pidão); samba manso (Enquanto Você Não Chega); samba-canção semidisfarçado de bossa, com toque sincrético de batuque afro (Devagarinho); zouk (Ela) e pops românticos (Só Eu e Você e a faixa-título) e a deliciosa piada caribenha maconhada de Dijanira.

Tudo muito discreto e de bom gosto. Oxalá, o voo de Illy a leve realmente muito longe.

Letícia Fialho cresceu nos subúrbios de Brasília, empinando pipa e, mais madura, começou a curtir rolês noturnos, boemia, enfim, Fialho gosta, vive e observa a rua.

Compositora, cantora e instrumentista, essa paixão pela vida e a consciência de seus prazeres e delícias perpassa a dezena de canções de Maravilha Marginal, lançado ano passado, com a Orquestra da Rua. Não é à toa, que no álbum da moça rueira, haja canções chamadas Nessa Rua e Rua Afora. Sem contar o nome da orquestra...

E que orquestra! A riqueza dos arranjos garantirá que fãs da MPB dos 70’s e 80’s apreciem demais este trabalho calmo, fincado na tradição da MPB, mas que não deixa de soar contemporâneo. Vem/Fumaça é exemplar: parece partido alto esparso, minimalista, mas tem cornetinha de jazz anos 20, vocais em eco e ambientação meio psych, de leve. E que fã de MPB 70’s não ama versos, como “já calejei as mãos de tanto te tocar”?

Diversas vezes, Maravilha Marginal soa como espécie de afro-jazz, porque integra ijexices com algum elemento jazzístico. Mas, está tudo muito bem integrado, soando mesmo como MPB “tradicional”. Ouça a delícia caetânica de Corpo e Canção e tire a prova.

Ilya atua na cena independente de Fortaleza, desde 2014. Compositora, cantora, performer, que já cantou ao lado de gente como Chico César. Em setembro do ano passado, lançou seu primeiro álbum como cantautora: Doces Náufragos.

As nove faixas muito bem produzidas e de melodias marcantes indicam trabalho que não descarta ritmos tradicionais do Norte/Nordeste, como o ijexá e o carimbó, mas processando-os pelas linguagens mais modernas como Mangue Beat ou antecessoras famosas, como Daniela Mercury (A Cidade é Pequena é superela).

Sereno Doido tem guitarra grave à Dire Straits e Nada é uma espécie de ijexá meio psicodelizado. Doces Náufragos jamais afunda, porque navega sempre seguro em sua mistura de influências. Canções de Mar abre com palmas e nananana, dando impressão que será ciranda folclorizada, mas logo a melodia indica coisa contemporânea. Sorriso do Menino ameaça ser sambinha minimalista pós-industrial, mas metamorfoseia-se em psych com noise domado. Muito moderna.


Roberto Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário, doutor em dramaturgia norte-americana pela Universidade de São Paulo. Desde 2009 luta pelos direitos das pessoas com albinismo no Brasil, além de escrever sobre filmes, livros, séries e discos..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/musica// @obvious, @obvioushp //Roberto Bíscaro