blog do albino incoerente

falando sobre música, cinema, TV e literatura

Roberto Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário, doutor em dramaturgia norte-americana pela Universidade de São Paulo. Desde 2009 luta pelos direitos das pessoas com albinismo no Brasil, além de escrever sobre filmes, livros, séries e discos.

O som dos baianos novos

Dois grupos excelentes, que disponibilizam gratuitamente seus álbuns para download.


csm_pirombeira_ebf3a1f061.jpg Sertanilia

O Sertanilia caracteriza sua música como sertanesa, feminino do sertanês utilizado nas obras de Elomar Figueira Mello. Segundo o trio, o neologismo foi criado para se diferenciar de "sertanejo", palavra que foi perdendo o real significado e se distanciando do universo do sertão, à proporção em que foi empregada pelo mercado musical das grandes gravadoras.

Formado em 2010, o Sertanilia é composto por Aiace (vocais), Anderson Cunha (violão, bandolim e viola) e Diogo Flórez (percussão). São sempre acompanhados por João Almy (violão), Fernanda Monteiro (violoncelo), Mariana Marin (percussão) e Raul Pitanga (percussão). Essa profusão de instrumentos traduz-se em riqueza sônica inspirada nas diversas manifestações culturais do sertão, como cocos, maracatus, sambadas e ternos de reis. Sem sucumbir a folclorismos anacrônicos na produção, os baianos mesclam com destreza boa dose de contemporaneidade às tradições que querem registrar.

Premiado e com diversas apresentações em países como Portugal, Holanda e Espanha, o Sertanilia tem dois álbuns, que podem ser baixados gratuitamente no link:

http://www.sertanilia.com.br/discografia.aspx O primeiro álbum, Ancestral (2012), foi apoiado pelo Conexão Vivo e Governo do Estado da Bahia. São 14 faixas, onde o grupo apresenta canções autorais e releituras. Traz convidados especiais, como Bule-Bule, Xangai e os percussionistas pernambucanos Nego Henrique e Emerson Calado, que fizeram parte do Cordel do Fogo Encantado e Gilú Amaral, da Orquestra Contemporânea de Olinda.

Além das regravações e do material próprio, o Sertanilia salpica Ancestral com vinhetas extraídas de material autêntico dos grupos de Folia de Reis que pesquisa. É o caso de Areia do Mar, Canto de Chegada e Canto de Despedida. Em Eu Vou Embora Daqui, a música sertanesa autêntica é misturada com efeitos de estúdio, como sinos, choros e contracantos meio clérico-góticos.

Polida produção e simbiose entre tradição e ruptura garantem o apelo universalizante do Sertanilia. Tome-se o caso de Ciranda do Fim do Mundo. Inspirada no ritmo do título, a canção é porém, tensa, densa; espécie de neurótica ciranda urbana, em consonância com a letra-denúncia da roda-viva do consumismo contemporâneo.

Felizmente, porém, existe muito tempo e espaço para lirismo e felicidade em Ancestral. Sambada de Reis e Nobre Folia são pura ferveção de Reis; Pombinha do Céu é catirento coco, ritmo que também informa Pras Bandas de Lá. Mas, note como os momentos finais da canção orientalizam-se num clima 1001 Noites. E quem disse que a ibérica Folia de Reis não tem influência mourisca?

A linda voz de Aiace incandesce o clima sertão-carcará de Incendeia e emociona na longa Meus Buritizais Levados de Verde, lamento fúnebre, que tem recitação de trecho decisivo de Grande Sertão: Veredas.

Em 2017, o Sertanilia voltou com Gratia, 14 faixas, contando com as vinhetas extraídas de reinados autênticos do alto sertão baiano e trechos de puro depoimento de História Oral.

Exceto pela faixa-título, Gratia vem menos brejeiro e bem mais épico, como atesta O Mundo de Dentro da Minha Cabeça. A poderosa percussão contribui para a epicização do sertão, como a da galopante Balada Para Uma Vingança. Os baianos não se rendem à folclorização ingênua de jeito nenhum: veja como a embolada de Corre Canto é urbana e modernamente urgente e nervosa e a letra de Gado Manso fala muito mais do que dos bovinos, mas de massificação e manipulação midiáticas. Como não se vive apenas de ápices, Confissão é lamento embalado por violão e violoncelo.

A tradição de reis é fruto do encontro da herança ibérica das festas da Natividade - vindas com o imigrante galego-português - com a cultura dos descendentes dos africanos cativos no sertão, resultado numa expressão popular única. Gratia veio cheio de referências hispânicas: a espanhola Gaudi Galego dueta com Aiace em Devagar; há linda faixa chamada Castela; musicalização de parte da cantiga de amigo Flores do Verde Pinho, de D. Dinis; além de referências instrumentais à música galega no decorrer do álbum.

Pirombeira

Pirombeira é coletivo musical formado por Aline Falcão (teclado, sanfona e voz), Gabriel Arruti (baixo), Ian Cardoso (guitarra, viola caipira e voz), João Mendes (violão e voz), João Paim (percussão) e Rubão Nazario (bateria). Desde 2010, os baianos destacam-se na cena local e ano retrasado chegaram a ser indicados para o 18° Grammy Latino, como Melhor Projeto Gráfico de Álbum. O álbum em questão é a estreia homônima, realizada mediante financiamento coletivo em 2016.

Da dúzia de faixas, três são vinhetas, como a psicodélica Tramela. O charme do Pirombeira é pegar tudo quanto é influência regional e global e jogar pirambeira abaixo. Sem medo de faixas instrumentais numa cultura que adora cantar junto, as mixagens de subgêneros chamam especialmente a atenção nelas. Canastra tem forte pegada fusion, o Brazilian jazz dos gringos; o jazz de Cadê o Bongo tem vibração afrossamba. Baião Pra Bonfim entrega sua afiliação no nome, mas não espere arrasta-pé purista; é pautado pelo jazz, se liga nos solos. Marítimo é jazz nordestino com gaita de Stevie Wonder e Buraco é frevo-marchinha. Ivone seria o quê? Um ijejazz? Forrojazz? O fascínio de Pirombeira é que não dá para etiquetar como sendo do subgênero tal, característica-chave da produção musical contemporânea. Os apontamentos de pertencimento ao ritmo X ou Y são apenas registros de predominâncias, para orientar leitores ainda desconhecedores do som.

As canções com letra são minoria, mas não menos deliciosas. Lugar é o som típico que muitos de nós sulistas associamos quando ouvimos falar de algo baiano: afoxé, ijexá, não sabemos direito identificar as diferenças, mas é deliciosamente rebolante. Fãs de MPB-Clube da Esquina não têm do que reclamar da introspecção toadeira de Instante Pra Lembrar, que mais para o final se empodera um bocadinho. Deu Foi Dó faz crítica social em clima de samba de roda e Sol Final é coquetel irresistível de funk, jazz, samba, afoxé; muito alto astral.

Com produção límpida e prontinha para exportação, esses baianos estão à espera que você se jogue. E é fácil: Pirombeira está disponível gratuitamente:

http://pirombeira.com/


Roberto Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário, doutor em dramaturgia norte-americana pela Universidade de São Paulo. Desde 2009 luta pelos direitos das pessoas com albinismo no Brasil, além de escrever sobre filmes, livros, séries e discos..
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/musica// @obvious, @obvioushp //Roberto Bíscaro