blog do albino incoerente

falando sobre música, cinema, TV e literatura

Roberto Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário, doutor em dramaturgia norte-americana pela Universidade de São Paulo. Desde 2009 luta pelos direitos das pessoas com albinismo no Brasil, além de escrever sobre filmes, livros, séries e discos.

O TRIUNFAL FRACASSO DE ELIZABETH GASKELL

Quando publicado, em 1848, Mary Barton foi duramente criticado pelos manufatureiros de Manchester, cidade onde se passa a maior parte da trama. Os fabricantes acusavam Elizabeth Gaskell de insuflar a classe operária, devido às descrições proto-realistas das condições apavorantes de vida dos trabalhadores famintos e analfabetos e suas famílias.


71u29kjUROL.jpg 1848 foi ano-barril-de-pólvora em diversas partes da Europa, devido às revoltas populares exigindo melhores condições de trabalho e vida. Uma espécie de cobrada de conta: a burguesia-patroa foi posta contra a parede para colocar em prática a “igualdade”, parte da tríade ideológica da Revolução Francesa. Como se sabe, foi aí que muitos perceberam que a nova classe no poder não estava disposta a compartilhar o osso. Em meio a essa onda que sacudia o continente, não causa espanto a indignação dos senhores de Manchester contra a bem-intencionada e cristã Sra. Gaskell.

O título da obra faz supor que a história esteja centrada na figura da protagonista, Mary Barton. Ledo engano, pelo menos nos dez capítulos iniciais, nos quais a moça não protagoniza nada. Gaskell usou cerca de um terço de seu livro para descrever as condições precárias de vida dos trabalhadores de Manchester e contrapô-las à opulência acintosa de seus patrões, que, se reclamavam do mau andamento dos negócios, não se furtavam em desperdiçar dinheiro enquanto seus empregados passavam fome.

Marx e Engels - separadamente e sobre autores distintos – disseram que aprenderam mais sobre as condições de seu tempo com a literatura do que com os historiadores á mão. Gaskell pode ter sido um desses autores. Mary Barton escapa da vala-comum justamente pelo interesse sociológico que desperta.

Além da descrição das condições econômicas do proletariado, Gaskell – como Dickens - esteve entre os primeiros escritores a narrar a experiência da cidade grande, das estradas de ferro, do mundo novo que o capitalismo industrial criava. O capítulo 26 mostra Barton indo a Liverpool para participar do julgamento de seu amado. A descrição mostra a confusão despertada em alguém que usava o barulhento e veloz serviço ferroviário pela primeira vez. Descreve a fumaça por cima de Manchester, enfim, a experiência do zum-zum-zum da cidade moderna e suja; o começo de nossa experiência. Mesmo andando de trem pela primeira vez e indo para uma cidade estranha, Mary não se intimida com Liverpool. Segue sem dificuldades as instruções de um guarda, afinal, já era garota urbana.

Esse triunfo temático de Gaskell, entretanto, é alcançado mediante fracasso formal. A escolha do nome de uma moça como título de um romance de meados do século XIX implicava narrativa que girasse em torno dos problemas individuais da personagem. Jane Eyre e Lucíola são apenas dois de copiosos exemplos. O primeiro terço de Mary Barton, porém, está profundamente desacelerado em termos de narrativa individual – sugerida pelo título escolhido pela autora. Ou seja, é como se Gaskell tivesse escolhido uma coisa e a narrativa tivesse ido para outra direção. Esteticamente, isso é defeito formal, porque a autora tentou enfornar um bolo “social” numa assadeira individual, resultando num desnível enorme entra as duas partes nas quais poderia ser dividida a obra.

Mary Barton, a personagem, é a linda filha de um operário, cobiçada por um jovem pobre o outro rico. No início opta pelo rico, mas, depois reconhece que ama o pobre. Pouco disso ocorre nas primeiras cento e tantas páginas. Depois, quando ocorre, o livro vai de policial, para drama de tribunal, para melodrama, com direito a assassino pobre morrendo nos braços do rico pai do jovem assassinado. E sendo perdoado. Se tivesse sido por isso, Mary Barton, livro e mocinha idealizada, teriam ido para cova rasa.

A despeito dos ataques dos patrões de Manchester, a crítica social de Gaskell não vai mais longe do que sugerir que o sofrimento – fonte de purificação cristã - uniria patrões e empregados, porque aqueles compreenderiam melhor estes e fariam o possível para minimizar as agruras do operariado. Sintomático, porém, que John Barton vá a Londres na esperança de ser ouvido pelo Parlamento, mas o grupo de trabalhadores sequer é admitido. 1848...

Se Gaskell acreditava na harmonia entre patrões e empregados através das lições do sofrimento, não cria na “regeneração” de alguém que quebrara a sagrada castidade reservada às mulheres. Esther, a tia de Mary, que se “perdera” depois de haver fugido com um jovem, não ganha a chance de emigrar para o Canadá e recomeçar, como as demais personagens. Prostituta e alcoólatra, acaba enterrada na mesma sepultura do assassino. Na mentalidade da temperança da classe-média inglesa da época vitoriana, liberdade sexual e assassinato eram imperdoáveis.


Roberto Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário, doutor em dramaturgia norte-americana pela Universidade de São Paulo. Desde 2009 luta pelos direitos das pessoas com albinismo no Brasil, além de escrever sobre filmes, livros, séries e discos..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Roberto Bíscaro