blog do albino incoerente

falando sobre música, cinema, TV e literatura

Roberto Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário, doutor em dramaturgia norte-americana pela Universidade de São Paulo. Desde 2009 luta pelos direitos das pessoas com albinismo no Brasil, além de escrever sobre filmes, livros, séries e discos.

Recomendado por Chico Buarque

Alberto Salgado une o tradicional ao moderno, em álbum rico em letras e sonoridades.


View image

Deve ser sonho de muito músico ter a foto de seu CD segurada por Chico Buarque de Holanda, que ao mesmo tempo o recomenda em seu Istagram. O álbum Cabaça D’Água (2017) conseguiu tal distinção e deve ter enchido Alberto Salgado de merecido orgulho. Reconhecimento dos pares sempre envaidece, ainda mais quando vem de um monstro sagrado.

Há quase duas décadas na cena, Salgado começou na sua nativa Brasília e seu contato inicial com o mundo da música deu-se através da capoeira, daí o berimbau ser tempero frequente de sua modalidade de MPB. Multi-instrumentista, Salgado é músico, intérprete, compositor, arranjador e professor de violão.

Cabaça D’Água é seu segundo álbum e ao ouvi-lo entende-se a recomendação baurquiana: ótima instrumentação casada com letras inteligentes e poéticas. No tenso baião de Ói, onde as cordas são plena ansiedade, a letra recorre ao popular zóio e ói, corruptela de olha, para logo depois usar o pronome correto na construção “pra eu viver”, conforme dita a norma culta. Poesia boa, que não descarta o popular, mas não precisa ser funcionalmente analfabeta para isso. A latinidad de Oferenda tem até aquela predileção por proparoxítonas, como o Chico, de Construção. E o arretado xaxado de Pele Debaixo da Unha, expele um puta que pariu. Palavrões são palavras, porque não usá-los em letras de boa MPB? Quem não solta nome feio quando caceta dedo do pé?

Cabaça D’Água não pretende passar sequinho pelo avesso pelo qual passa a nação. Na abertura afro, Da Jangada em Pleno Mar, o poeta canta que seu peito está como jangada em pleno mar, a mercê de ondas colossais, em meio às injustiças sociais. A solução é povoar o mundo de poesia. A faixa-título é bem mais direta e muito sincrética. A letra é referência à tragédia ambiental de Mariana, inclusive com clipe sonoro de notícia de telejornal, numa faixa em que o berimbau convive com clima lúgubre de triphop. Ainda há espaço para o afrojazz djavanesco Histórias do Vento; para a toada-oração campesina de Ave de Mim e para a fofura twee de Força da Fé. Delícia como essa nova geração sempre incorpora alguma coisa indie pop para estalar dedidnhos, em seus álbuns. Força da Fé tem voz de moça, assobio e rabeca, violoncelo ou algo parecido.

Unindo tradição musical e poética com laivos de modernidade, Alberto Salgado mereceu os prêmios que ganhou com o álbum.


Roberto Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário, doutor em dramaturgia norte-americana pela Universidade de São Paulo. Desde 2009 luta pelos direitos das pessoas com albinismo no Brasil, além de escrever sobre filmes, livros, séries e discos..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/musica// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Roberto Bíscaro