Thalita Monte Santo

Jornalista, fotógrafa e escritora. Gosta de passar para uma página em branco tudo aquilo que carrega no coração.

Mudar para se encontrar

Transformar o que estava estável é sinal de revolução. Mudança requer movimento, novos sonhos, novos caminhos, outras portas e uma vontade enorme de não querer mais ser o mesmo, de não querer mais do mesmo, de querer ir além do que se espera.


tumblr_m8voj3hugt1qf2fc3o1_1280.jpg

Tem tanta mudança acontecendo no mundo, que ficamos até perdidos. Mas existe “aquela” em especial que nos deixa inteiramente atordoados, pois é interna, nasce dentro da gente. Por mais que pareça, ela não acontece para ficarmos perdidos, mas para nos direcionar.

Algumas vezes brota do coração – cansado ou não. Outras, começa a partir da pele, que de tanto sentir as batidas da vida não aguenta mais arder. Por vezes vem tomada de razão, porque nasce consciente, vem das reflexões e passa longe do coração.

Mas na realidade, não importa de onde ela surja, que forma tenha, ou até o que vai atingir. Ela precisa acontecer, mais cedo ou mais tarde. É dela que vem nossa liberdade!

Muitas vezes só precisamos de um empurrãozinho para seguir em frente, abrir novas portas, encarar os problemas, os medos, os sonhos e a realidade – cara a cara. As mudanças são transformadoras, revelam quem somos ou quem podemos ser.

Nos mostram o quanto podemos ser fortes e corajosos, nos apresentam o melhor de nós. Mas o pior também. Tem gente que não sabe, mas as mudanças mais bonitas acontecem quando precisamos sair do nosso ponto de encontro, da nossa zona de conforto. Acontecem quando precisamos seguir para mudar a realidade, embora isso traga muitas partidas, por vezes dolorosas.

Transformar o que estava estável é sinal de revolução. Mudança requer movimento, novos sonhos, novos caminhos e uma vontade enorme de não querer mais ser o mesmo, de não querer mais do mesmo, de querer ir além do que se espera.

Mudança é redescoberta, é saber que não importa o lugar, o tempo ou o estado de espírito, a gente muda, pega as malas, arrasta os móveis, reforma a casa, tira o pó, muda de endereço, para continuar mudando e sendo nosso próprio lar (aonde quer que a gente esteja).


Thalita Monte Santo

Jornalista, fotógrafa e escritora. Gosta de passar para uma página em branco tudo aquilo que carrega no coração. .
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Thalita Monte Santo