café pósmoderno

Literatura, sociedade, psicologia e política.

Marcio Sales Saraiva

Marcio Sales Saraiva é escrevinhador. Autor de “O pastor do diabo” (Metanoia, 2017) e organizador da antologia “16 contos insólitos” (Mundo Contemporâneo Edições, 2018), recentemente lançou seu “Engenho de Dentro e outros contos de aprendiz” (Mundo Contemporâneo Edições).

Cinco poemas de Fernanda Villas Bôas


SPhotoEditor-20170611_160514 (2).jpg

Fernanda Luiza Kruse Villas Bôas (Recife, PE) mora no Rio de Janeiro onde se formou em Inglês, Literatura e Português, fez também o Mestrado em Comunicação (UFRJ) e Literatura (Londres). É psicóloga junguiana e poeta com vários livros publicados. Atualmente prepara seu novo livro: “Sopros da Alma”.

1. De onde você vem?

Venho do Recife e no Rio me fiz professora e psicóloga junguiana clinica.

2. Carlos Drummond de Andrade disse que “há vários motivos para odiar uma pessoa, e um só para amá-la; este prevalece.” Quem você ama ler? .Quais são as suas referências literárias?

Amo Fernando Pessoa, Clarice Lispector, Machado de Assis, Carlos Drummond. Manuel Bandeira, Paul Eluard, Salinger.

3. Já lançou algum livro? Participou de antologias?

Lancei sete livros, sendo o primeiro uma monografia sobre “Os Arquétipos Junguianos na obra de Chico Buarque” (2010) passando pelas poesias: “Fração Inatingível” (2016), “Alta Voltagem” (2017, Chiado), “Alma Lasciva” (2018), “Aves do Paraíso” (2019) “No Coração da Loucura” (2019) e “Fome de Amor” (2020) pela Editora Penalux.

4. Federico Lorca disse que "todas as coisas têm o seu mistério, e a poesia é o mistério de todas as coisas." E quando foi que você tocou esse mistério?

Meus primeiros poemas foram desde meus quatorze anos quando já escrevia diários e deles vinha uma iluminação, um mistério que não se explica. As palavras em si são um mistério que os poetas tocam no seu inconsciente. A meu ver, a poesia desfaz a lógica sintática pelo desejo de expor desejos, reflexões, alegria, melancolia, revolta entre outros sentimentos.

5. “Se tenho de sonhar, porque não sonhar os meus próprios sonhos?" (Fernando Pessoa). E quais são os seus sonhos?

Difícil pergunta. Arriscaria dizer que são sonhos misturados, constando meu amado, a viagem não feita, a maldade dos homens, mortes e a natureza se desmanchando em poesia sempre presente.

FLORES

  • Não gosto de máximas bobas
  • raras pessoas me dão tesão
  • as flores da primavera
  • estão brotando nos esgotos.
  • quero muito
  • e não caibo mais aqui.
  • quisera morrer hoje
  • chorando baixinho
  • até morrer bem alto.
  • Não gosto do peso das pessoas mesquinhas
  • não quero olhares secos e vazios.
  • quero a cor do silêncio
  • no grito que ninguém escuta
  • quero ter vontade
  • de sair deste mundo
  • mais cedo
  • mais viva
  • do que esta vida me dá.

  A LUA

  • teria a terra
  • acordado a noite
  • nas luas cheias?
  • e nós, enamorados natos
  • de quem nada leva a paixão
  • nua em movimentos
  • seu poder magnético
  • iluminam a desrazão
  • de um mar absoluto
  • desde o verde inebriado
  • de campos e montanhas
  • plantados por suas fases
  • lua mistério
  • lua que ilumina
  • até os cegos de paixão.

ÁGUAS DE HOJE

  • Não
  • nunca esperem o dilúvio
  • nem façam escândalo
  • nada está sob controle
  • o movimento é constante
  • Não
  • não mendiguem amor
  • saiam de cena
  • saibam seguir sozinhos
  • será assim
  • e ninguém sabia ao certo
  • seu interior
  • no interior de um pesadelo
  • o vento sopra
  • vida sem surto, vida a pulsar
  • se o gato pula
  • e os cães ladram
  • sabem viver
  • e meu choro
  • toda hora
  • cai em minha face partida
  • sem trégua
  • sem sentido exato
  • sem as ondas azuis
  • que um dia
  • te molharam
  • para que você vivesse comigo
  • iemanjá
  • oxossi
  • meus pais espirituais
  • me deixam ir
  • nas águas de hoje

DELÍRIO

  • Se era noite
  • Nua e ávida
  • Ela fechou a porta
  • E espantou os fantasmas
  • Eram quase preateados
  • Quando dentro de sua fome
  • Se lambuzou de tesão
  • O gato encolheu-se e miou alto
  • Nada parecia o que via
  • Era sua fantasia
  • E se encostou na cama
  • Até os olhos arderem
  • Nas labaredas do desejo
  • Rosa
  • Vem sensual
  • Gata se enrosca
  • Rosa me lambe
  • Pelos seus lábios quentes
  • Seu erótico olhar
  • Penetra os meus
  • Delírio
  • De Rosa louca mulher
  • Traz o prazer da mulher
  • E suas garras
  • Sem paradeiro
  • Gozamos
  • Seu cheiro de Rosa
  • Cheia de graça
  • Ela me caça
  • Sobre meu corpo. Descobre
  • Os atalhos.
  • Da paixão
  • Rosa fará
  • O galope aprendido
  • Ela me convida
  • Vamos?
  • Uma agreste mulher
  • Vestida e nua
  • Gozamos no ar
  • Voamos a Rosa e eu

NOITE MAIOR

  • Onde você estava
  • Na noite maior
  • Onde?
  • Meu amor transbordava pelos poros
  • Caminhei sonâmbula
  • Pelos caminhos de Eros
  • Exceto alucinante não
  • Te alcancei
  • Homem visionário
  • Até nos beijamos
  • E ter línguas distintas.
  • Me devolveste o sonho
  • Me mostraste tuas marcas
  • Tão fortes plantas
  • Não morrem
  • Não se acabam.
  • Impressões de outono
  • Calores e canções
  • Risos
  • Não te encontrei
  • Na noite maior
  • Estávamos
  • Recomeçando
  • Uma vida
  • Sem medo Sem lástima
  • Apaixonados não medem
  • Apaixonados não contam
  • Fomos perto do divino
  • Intensamente sua

Siga Fernanda Villas Bôas no facebbook. Clique aqui.


Marcio Sales Saraiva

Marcio Sales Saraiva é escrevinhador. Autor de “O pastor do diabo” (Metanoia, 2017) e organizador da antologia “16 contos insólitos” (Mundo Contemporâneo Edições, 2018), recentemente lançou seu “Engenho de Dentro e outros contos de aprendiz” (Mundo Contemporâneo Edições). .
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Marcio Sales Saraiva