cálamo

Escrever porque a vida pede. E não é bom deixar a vida esperando.

Sabrina Gomes

Preguiça Magazine: Pra te provar que Portugal é mais que pastel e fado

Direto do coração de Portugal, cheirando a Quindim ( Brisa do Lis) a revista Preguiça Magazine, encanta pelas fotografias, aborda temas como onde comer, onde ir, o que fazer na cidade de Leiria ( Aquela do crime do padre Amaro, Sabe?) sem apelar pro estilo camões de escrever. Mas se no final de tudo você ainda sentir vontade de aprender a falar “Ora pois”, ainda tem jeito.


Como eles mesmos dizem: “ A PREGUIÇA MAGAZINE é um projecto que defende a criatividade editorial e adopta os novos meios tecnológicos para produzir jornalismo atractivo, irreverente e imaginativo - Uma casa de loucos.”

Sede-Preguiça-_capa-1024x5161.jpg

Casa essa, descontraída, bem humorada e deliciosa. Daquelas delícias legíveis que se come lambendo os dedos feito chocolate. Desde 2013 na cidade de Leiria e desde junho do mesmo ano na cidade de Coimbra em Portugal, um pouco mais ao norte, Preguiça, torna-se não apenas um trocadilho, mas representa uma ideologia nova. Parece só um jornal de uma pequena cidade no interior de Portugal, mas transmite uma lição.

Entre os becos da Sé Velha da cidade de Leira, em meio a uma geração de jornais imparciais, dispostos a explorar uma tragédia para alcançar audiência, meios de comunicação comprometidos com seus patrocinadores e não com a verdade ou com o juramento de um jornalista, ousar e falar sobre cultura, arte, acontecimentos e incentivar uma nova geração a escrever sem medos e receios, é o início de um processo de transformação.

Mas se a procura for por dicas do que fazer, também é fácil encontrar, mas não espere por tópicos ou indicações comuns. É preciso ler entrelinhas e entrar profundamente no significado de cada palavra e expressão.

Mas o que carregamos de lição é uma vontade infinita de sermos mais profundos em nós e no que transmitimos.

Que mergulhemos em nossas funções e desejos. Que não naveguemos pela superfície e pelo raso.

Que em tudo que fizermos sejamos verdadeiros e que façamos por amor, por vontade, por afinidade, pelo desejo infinito de sermos melhores.

Mais do que um olhar critico sobre o jornalismo, que façamos nosso trabalho com o melhor de nós, que amemos com vontade, com loucura e com irracionalidade. Que conquistemos amigos e preservemos os antigos com sinceridade e muitas vezes, duras e sinceras palavras.

Que amemos sem preconceitos ou medos. Que voltemos a escrever cartas e mandar flores. Que o tradicional se misture com o moderno.

E no final das contas que tenhamos mais “Preguiça”. Preguiça de sermos iguais, preguiça de ceder aos preconceitos, ao modismo, as tristezas diárias e aos medos corriqueiros.

E esperamos também por um jornalismo melhor, esperamos por dicas de viagem realmente sinceras e por pessoas mais “preguiçosas”.


version 1/s/artes e ideias// //Sabrina Gomes