cálamo

Escrever porque a vida pede. E não é bom deixar a vida esperando.

Sabrina Gomes

O QUE A “TRANSIÇÃO CAPILAR” TEM CONTADO SOBRE UMA NOVA GERAÇÃO DE MULHERES (E HOMENS)

Esse texto é tudo que um blog sobre moda, estética ou dicas sobre cabelo publicaria. Mas não espere por dicas de quais cremes usar, como, quanto e porque.O que esse texto diz na verdade é como um processo estético ( e de aceitação), tem nos ensinado sobre uma nova geração de mulheres que aos poucos vem assumindo suas raízes e se apaixonando a cada dia pela beleza de suas origens.


Pra início de conversa, vale explicar que a transição capilar é o nome do processo de transformação da forma como se usa, se trata e finaliza o cabelo. Muitas mulheres ( e homens também, acredite) abandonam os métodos químicos de alisamento e aceitam o cabelo como ele é naturalmente. Crespo, cacheado, ondulado, como for, mas natural.

13962-NPETXT.jpg

Pra alguns parece só uma “moda”, uma eventual onda de mulheres querendo experimentar algo novo ou ansiosas por encher seus armários de cremes indicados por blogueiras.

As redes sociais estão superlotadas de blogs, grupos no facebook, sites, vídeos… tudo por uma causa. Voltar a ter o cabelo natural. “Aquele” natural que tínhamos, antes de “aceitarmos” que só o liso é profissional, é mais bonito, é aceitável e cordial.

Como sou negra, “de raíz e de pontas”, passei exatamente por esse momento. A adolescência chegou e com ela as críticas e opiniões alheias dos colegas de sala e até de familiares. “Dá-lhe” químicas e estica- estica.

Opiniões em cima de químicas e químicas em cima de opiniões.

O que muitas vezes não percebemos, é que com o tempo tantos processos químicos acabam com o que nós mulheres ( e homens também) tanto gostamos: nossos cabelos ( E com nossa identidade repleta de histórias e conquistas.)

Durante muitos anos vivemos a ditadura do liso. Isso veio lá do cinema, da moda, das televisões. Veio da cultura do branco sendo superior ao negro. ( E infelizmente, ainda existe esse sentimento escondido em muita gente mundo à fora).

Já ouvi até dizerem que cabelo loiro não combina com pele negra. Alguém já ouviu isso também? Passamos por longos anos de muito preconceito e tabus. Mas esses anos estão chegando ao fim, ou quase lá pra sermos mais realistas.

A internet deu voz e espaço pra muitas pessoas que resolveram assumir os cabelos naturais. O Cinema, a televisão e as passarelas da moda também já entenderam isso. Mas a melhor parte de todo essa história também já percebeu: As proprietárias dos cabelos naturais, detentoras de uma história e de uma beleza fascinante. São "traços" e histórias bem ali, balançando livremente pela rua.

Já encontramos blogs especializados em ensinar as pessoas como cuidar do cabelo naturalmente, sobre quais os cremes devemos usar, canais no Youtube só para afros e cacheadas e até mesmo marcas de cosméticos estão aprendendo que esse é um público crescente ( que antigamente era silencioso, mas que agora grita). A transição capilar representa hoje uma evolução, um passo de dinossauro do ser humano. Estamos evoluindo, estamos nos aceitando. Estamos perdendo a vergonha de sair por ai com volume, com cabelo frizado, encaracolado, amassado, bagunçado.

Estamos perdendo o medo da chuva.

E como diria um velho conhecido “Se seu cabelo não bateu em alguém, então ele não é ruim.”


version 1/s/sociedade// //Sabrina Gomes