canhotanavida

Vivendo na contramão

Luiza Costa

Escrevo com a mão esquerda. Não faço nada direito. Vivo na contramão. Uma antípoda.

Anuviada

Em Goiás a maior utilidade de um Guarda-chuva e ser uma Sombrinha


Para quem nasceu na secura de Goiás é meio escorregadio se adaptar à elevada umidade do ar catarinense, mas como sou torta na vida – tal qual as árvores de galhos tortos e raízes profundas (para buscar água lá no fundo da terra) do cerrado goiano – cá estou: molhadinha, andando entre a água.

De água sempre gostei, por mais que a hora do banho formal, aquele com sabonete e kwell, fosse sempre um drama. Mas de água sempre gostei, por mais que custasse um castigo por tomar banho de chuva ou por ir pro rio sozinha (mas a irmã mais nova foi junto, alegava - e só me incriminava mais), ou por entrar em mar bravo, ou por me molhar com uma garrafinha d’água (!) mais do que devia após uma partida de tênis, ou por deixar a mangueira ligada para encharcar o quintal… Bom, deu para entender, sim? De água sempre gostei.

sombrinha.jpeg

Talvez porque água era coisa que não se encontrava assim no ar, ao contrário do sol, que até debaixo de sombra, até à noite, tava ali, ali ardendo na pele, ali dentro da gente. Água não. Água até quando dava para vir vinha rapidinho. Depois daquele solão, caía em tempestade brava e dali uma hora ou duas ia embora.

Por isso se a gente ouvia trovão lá longe já tinha que ir se preparando para quando a chuva chegasse, porque chuva era que nem o carro da pamonha, a gente esperava o dia todo para ouvir a voz entediada do senhor de bigodinho, todas elas com queijo aqui no carro de sooom, tão entediada como o Boooom das nuvens pesadas que se chocavam em algum lugar atrás do muro. Era anúncio de chegada, de pamonha ou de chuva. A diferença é que o carro da pamonha vinha todo dia a tarde, a chuva não. Então tínhamos que sair correndo e aproveitar ao máximo cada gotinha que escorria até nos transbordar.

E, para completar, quando era tempo de chuva – e eu não sabia que tinha uma época do ano que tinha chuva – a gente podia matar aula ou chegar atrasada, era um evento tão raro que não estávamos acostumados à incluir a chuva na rotina. A chuva desandava a gente.

E aí, nadando uns dez anos adiante, deu de conhecer uma ilha. Era a primeira vez que eu estava em uma ilha. A ideia de estar rodeada por água me assustou, como quando encontrei o mar (conscientemente) pela primeira vez. E por me assustar, me fascinava, me atraía, me apaixonei. Detesto clichês, mas não teve jeito: fui pega pelo encantamento da Ilha da Magia. E depois de marés altas e baixas, algumas luas, algumas ressacas, cá estou, molhadinha. Nos últimos dias andando entre a água.

Já faz uma semana que chove. Não chuva que nem em Goiânia, aqui a gente anda no meio da chuva mesmo, anda nas nuvens sem sair do chão, é chuva leve e fininha que nos rodeia. Aliás, guarda-chuva não adianta, a água está por todos os lados. De tanto gostar de água virei chuva.

Ano passado finalmente adquiri o último item que garante minha passagem para a vida adulta: comprei meu primeiro guarda-chuva. Não sem alguma relutância. Goiana que sou, nunca fui muito íntima dos guarda-chuvas. Em Goiás a maior utilidade de um Guarda-chuva e ser uma Sombrinha.

Não que não chova naquelas bandas, é que quando chove bom mesmo é refrescar n’água que cai. Contrafeita comprei o objeto e me senti mais adulta do que quando peguei meu RG, título de eleitor, diploma da graduação, carteira de motorista etc. etc.

Às vezes, especialmente no verão, quando a água caí, é preciso abrir a bugiganga e tentar manter a superfície o mais seca possível para o próximo compromisso. Por dentro, uma Luizinha fica se segurando para não começar a tomar um banho de chuva ali, no meio da rua mesmo. Ficar mais que molhadinha, transbordar felicidade por inteiro.

Experimente tomar um banho de chuva!


Luiza Costa

Escrevo com a mão esquerda. Não faço nada direito. Vivo na contramão. Uma antípoda. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Luiza Costa
Site Meter