capivara branca

sem pretensão nem palavra difícil

Victor Hugo Liporage

Gosto de filme chato, livro mal escrito, pagode dos anos 90, visto sunga, samba canção com cueca por baixo e sou adepto da homeopatia. Não falo de mim na terceira pessoa porque já li o Bukowski dizendo que é besteira - e acho que devemos respeitar a opinião dos idosos

5 homens possíveis no cinema

Novas formas de representar os homens no cinema


A indústria do cinema cria arquétipos masculinos irreais e perpertua estigmas de gênero destrutivos. O reflexo disso são espectadores fascinados por personalidades impossíveis e socialmente agressivas. Quais são os homens possíveis que o cinema tem a oferecer?

A Mascára em que Vivemos (The Mask We Live in, 2015)

1-IzLg1O03EFQPg6sZ0XztqA.jpeg

Homens desnudados. Sem arquétipos, apenas documentados como realmente são e dizendo o que nunca tiveram espaço para dizer. Um registro urgente de seres humanos que são socializados para agredirem mulheres e, imperceptivelmente, se auto mutilarem. Não são os homens a desgraça do mundo, mas suas masculinidades tóxicas seculares. É preciso repensar o que é ser homem.

Locke (Idem, 2014)

1-yGqPlhYQiA0_8OJLZN-H_Q.jpeg

Um homem que precisa entregar 100 milhões de concreto no dia seguinte de trabalho. O provedor da família de classe média, mesmo voltando pra casa em seu conversível, não é concreto. Há rachaduras de anos atrás, algumas imperceptíveis, mas que desmoronam uma base aparentemente sólida. Ivan Locke tenta mascarar suas angústias colocando gesso em suas rachaduras, mas do dia pra noite, o gesso solta. O homem, supostamente provedor familiar, precisa dividir suas angústias, se não, construirá gerações de bases frágeis.

Boi Neon (Idem, 2015)

1-DYkHjLIVpLXoHPqQAvDC_w.jpeg

O homem sertanejo que cuida do gado, costura e faz chapinha. A vaidade masculina não é inerente ao meio urbano. O homem sertanejo tem aspirações e também é artista. Não é mais tempo de homens treinados para serem bois de rodeio, mas bois com a vivacidade da pintura do neon.

Moonlight: Sob a Luz do Luar (Moonlight, 2016)

1-6eTraOdFLrMbeWhOhGunSQ.jpeg

O homem escuro. “O homem escuro não fala. Se falar, será xingado. O homem escuro não pode falar de solidão. Porque o homem escuro é um animal. O homem escuro é um opressor. O homem escuro é um bicho que deve xingar, bater, ferir. Pode fazer qualquer coisa. Exceto falar. O homem escuro não fala nem quando está com outros homens escuros. Se reúnem, confraternizam. Bebem, jogam. Tapinhas nas costas. Trocam ideia, jogam conversa fora. E as palavras continuam em silêncio.” (Trecho do texto de Fábio Kabral. Leiam.)

Madame Satã (Idem, 2002)

1-spY6q3mdyISCJRX9rnFsZg.jpeg

O homem que se recusa a acatar. Não acata a maneira como a socialização o molda, não acata a agressividade contra sua personalidade e, sobretudo, não acata o espaço ínfimo que lhe permitem em sociedade. O homem que não acata quer conquistar e ser reconhecido em novos espaços. Madame Satã, sobretudo, viveu para ser admirado e aplaudido, e ao não acatar, deu poder a novos homens que também recusavam-se a fazê-lo. O homem que não acata faz um bem para a eternidade.


Victor Hugo Liporage

Gosto de filme chato, livro mal escrito, pagode dos anos 90, visto sunga, samba canção com cueca por baixo e sou adepto da homeopatia. Não falo de mim na terceira pessoa porque já li o Bukowski dizendo que é besteira - e acho que devemos respeitar a opinião dos idosos.
Saiba como escrever na obvious.
version 6/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Victor Hugo Liporage
Site Meter