carlos.alves

Sem medo de errar

Carlos Beloto

Cinéfilo sem cura, amante da indústria cultural e apaixonado pelo conhecimento

"O preconceito contra homens sensíveis"

Sensibilidade não é algo inerente ao homem, nesta sociedade?


Inicio este artigo com um título em aspas mesmo, pois tal ideia não partiu de mim, confesso. Na verdade, ele foi sugerido por uma amiga e colega de trabalho, após eu fazer uma piada, a qual revela um machismo que vai além da concepção do que é ser um homem hétero. Não quero, antes de continuar, realizar um debate baseado em questões relacionadas a orientação sexual. Quero mesmo é tomar como foco a heterossexualidade masculina. Para ser mais exato: o que é ser homem de verdade.

Vivemos num momento que parece não existir nenhum constrangimento em ser preconceituoso ou demonstrar discriminações. Seja o racismo, a homofobia, o machismo, a gordofobia e outros "ismos" e "fobias", são apresentados de uma maneira quase natural (ou será mesmo considerada normal?) por aqueles que justificam fazer uso da "liberdade de expressão". Ofender o outro é permitido, segundo essa justificação. O incentivo a essa prática de "liberdade" (desculpem-me tantas aspas) cresce à medida que humoristas, políticos, religiosos, cantores e outras personalidades públicas exercem esse "direito" de humilhar aqueles que fogem do padrão aceito ou insinuar que não merecem respeito. Mas, voltando ao que estava dizendo no começo, fui surpreendido pela minha amiga que afirmou eu ter emitido preconceitos quando disse, em tom de brincadeira, que um homem quando mora sozinho, tem acima de 40 anos de idade, escreve livros, cultiva flores em sua casa e, ainda por cima, cria um gato, corre sério risco de ser rotulado de gay. Mas preconceituoso por quê? Não quis ser homofóbico de forma nenhuma. Aliás, nunca queremos ser, não é mesmo?! A questão é que o preconceito não foi bem em relação a homossexuais, mas sim, a homens que fogem do padrão heterossexual concebido por uma sociedade patriarcal.

Quantas vezes ouvimos, quando criança, que homem não chora, que meninos não brincam de bonecas, que a cor que simboliza o masculino é azul. Enfim, desde a infância, a lavagem cerebral acontece com o propósito de criar o macho ideal: aquele que anda pelas ruas cuspindo no chão ou coçando o saco em público. Isso para não falar que esse tipo tem a obrigação de olhar para uma bela mulher, com a intenção de transar com ela. Mesmo que jamais consiga comê-la. Afinal, é preciso mostrar que é muito homem.

rambo-sensivel.jpg

Grosseria, palavra que deve definir o que é ser homem de verdade. Educação e cortesia exageradas ou a demonstração de afeto são coisas que um homem hétero jamais poderá ter. Caso contrário, o risco de ser considerado gay é enorme. E, pelo que presenciamos, é arriscado mesmo ser visto como um homossexual, pois, devido a violência contra esses, pode-se sofrer toda sorte de discriminação, para não dizer, talvez, sofrer violência física. (Lamentável a homofobia também.)

O interessante é que na minha busca para encontrar alguma imagem de site que ilustre o que desejo expressar aqui, encontrei artigos jornalísticos que justamente comentam questões relativas a homens sensíveis. Um deles afirma que mulheres não gostam muito deste tipo de homem. (veja http://info.abril.com.br/noticias/ciencia/2014/07/mulher-nao-gosta-de-homem-sensivel-diz-estudo.shtml) Não sei até que grau é possível confiar na reportagem, que não diz muito. Apenas informa que pesquisas foram realizadas, nas quais mulheres assumem não se sentirem atraídas por homens sensíveis. Se isso realmente se confirmar, então podemos dizer que é uma balela, quando mulheres gritam a altos brados que querem homens sensíveis? Lá, no fundo, elas desejam mesmo é um sujeito que tipicamente assume sua masculinidade submetendo-as aos seus interesses, sem se preocupar com as necessidades de sua companheira? O homem que acha que certas tarefas, como as do lar, são coisas exclusivamente femininas, e, portanto, não vê motivos para auxiliar suas esposas ou namoradas nos afazeres domésticos estão corretos? A palavra está com vocês, caros(as) leitores(as).

Imagem: Desconhecido. Caso alguém conheça a autoria, avisem-me.


Carlos Beloto

Cinéfilo sem cura, amante da indústria cultural e apaixonado pelo conhecimento.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Carlos Beloto