carpinteiros do universo

Fatias das delícias e insanidades do nosso cotidiano.

Bruna Girardi Dalmas

Não existe uma pílula para cada problema de nossas existências. Mas, ficar estacionado em nossas zonas de conforto não é a melhor saída. Vai ficar aí estacionado ou vai desenvolver algo criativo? Aqui você encontrará pílulas de inteligência embaladas em recortes dos mais variados temas para sacudir o cotidiano e preenche-lo de cores bonitas.

A deliciosa e árdua tarefa em existir

Uma reflexão a respeito da nossa deliciosa e árdua existência. Será que de fato estamos existindo ou estamos apenas tentando ser ?


Ao ser questionado a respeito do que de fato um amigo meu faz da vida, pensei em dar a resposta que estava em minha mente, ora, ele existe. Afinal a tarefa de existir já é árdua e deliciosa ao mesmo tempo e deveria ser celebrada com louvor.

Fiquei pensando se me for questionado a respeito do que faço da minha vida, irei responder com um largo sorriso no rosto, apenas existo. Passamos os dias atarefados, correndo de um lado para outro em busca se status, tentando vencer os prazos, aumentando os lucros e procurando cada vez mais títulos. Ao longo de nossa existência desempenhamos tantos papéis que parecem valer a existência.

Apresentação1.jpg

Tolos somos nós que pensamos que ao sermos filha, noiva, psicoterapeuta, escritora, palestrante e tantos outros personagens do qual o palco da vida mais nos pedindo, acabamos por definir como tal. Ou, pelos títulos que vamos ganhando, pelos diplomas que nos especializam em isso ou aquilo, pelos livros que lemos, pelas pessoas que nos inspiram, pelas viagens que fizemos e tantas outras escolhas achamos que somos isso. Mas não somos, estamos. Aceitar que somos passageiros é compreender a finitude da vida. Aceitar que um final sempre estará ali na esquina não nos prende em tentar a todo instante alcançar expectativas, ficar sob os holofotes, fazer social, o que nos define não são os papeis que desempenhamos e nem os prêmios que conquistamos ao longo do caminho, é apenas a arte de existir por si só. Existir é aceitar que o fim um dia virá e, com isso, aceitar que cada dia que passa é finito, porém habitam inúmeros milagres e cores bonitas. Se passámos mais tempo preocupados em apenas existir ao invés de tentar ser, adquirir mais essência e matéria, se comparar menos com outros e prestar mais atenção em si, tentar impressionar ou simplesmente parar de se cobrar e tentar somar algo de bom. Afinal, a existência passa num sopro e acabamos por não realizar a tarefa mais preciosa de nossa jornada, existir.

Precisamos em primeiro lugar existir como um ser incondicional, repleto de habilidades, sonhos, sentimentos e desejos. Aceitar a nossa humanidade ficará mais fácil aceitar as nossas limitações e poderemos traçar objetivos mais reais e menos utópicos. O que deveria guiar os nossos desejos mais profundos é o amor pelo que fazemos, com isso fazer sentido e nos fazer sentir em tudo que realizamos. Existir por si só é crer que para ser é necessário tocar a alma do outro à medida que tocamos a nossa própria alma quando realizamos algo pelo simples fato de nos fazer plenos de completude, sem pensar nos lucros, nos benefícios em longo prazo ou na popularidade. Muito mais do que as riquezas materiais, ah essas viriam tão mais fáceis se aprendêssemos que tudo o que fazemos por amor, por fé, por empatia e pelos bons sentimentos e boas intenções arrecadarão mais cedo ou mais tarde, “fortunas”. Podem ser que elas sejam materiais, mas primeiro serão ricas de existência, vorazes por bondade e recheadas de prosperidade. Existir por si só já é uma árdua tarefa em um mundo em que as pessoas acham que são pelos seus títulos, agem baseadas em seus status, governam com seus narcisismos, decidem apenas pelo seu bel prazer e tendem a se por em primeiro lugar. O próximo, o planeta, a espiritualidade, os valores deveriam ser o combustível para existirmos e não apenas souvenir.

Por isso se me perguntarem o que faço da minha vida, vou responder, apenas existo e isso já me de gera um tremendo trabalho. Tentar apenas existir baseada em fazer sentido e me fazer sentir na vida dos outros é quase uma utopia. Vira e mexe topo com almas anoréxicas, egos inflados, corações de concreto, mentes focadas apenas no virtual, mas quando a gente existe a gente amplia as perspectivas para enxergar além do que se vê porque estamos guiados pelos órgãos do sentido, coração, alma, espirito, sonhos e aí a gente dá uma tremenda sorte de esbarrar em almas coloridas, estas repletas de ternura, recheadas de empatia, coberta de estórias fantásticas que adoram travar uma boa conversa olhos nos olhos, aí posso ir descansada sabendo que existir para alguns não é um fardo e sim a única tarefa da qual deveriam ocupar lugar em nossos pensamentos. A única preocupação é existir sem photoshop, mostrando o nosso lado mais bobo e mais humano e nisso a gente passaria, de fato, a existir.


Bruna Girardi Dalmas

Não existe uma pílula para cada problema de nossas existências. Mas, ficar estacionado em nossas zonas de conforto não é a melhor saída. Vai ficar aí estacionado ou vai desenvolver algo criativo? Aqui você encontrará pílulas de inteligência embaladas em recortes dos mais variados temas para sacudir o cotidiano e preenche-lo de cores bonitas..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// @obvious //Bruna Girardi Dalmas