carpinteiros do universo

Fatias das delícias e insanidades do nosso cotidiano.

Bruna Girardi Dalmas

Não existe uma pílula para cada problema de nossas existências. Mas, ficar estacionado em nossas zonas de conforto não é a melhor saída. Vai ficar aí estacionado ou vai desenvolver algo criativo? Aqui você encontrará pílulas de inteligência embaladas em recortes dos mais variados temas para sacudir o cotidiano e preenche-lo de cores bonitas.

Aeroportos

A vida é como um saguão de aeroporto Repleta de encontros e desencontros. Chegadas e partidas. Nesta dança de cadeiras é preciso aprender a apreciar as visitas. Sejam elas breves ou constantes. Uma reflexão para o final de ano sobre começos e recomeços. Pausas e intervalo para que o próximo ano nos traga mais açúcar e afeto para nossos relacionamentos sejam eles quais forem.


donna-viaggio.jpg

A vida é como um saguão de aeroporto. Repleta de idas e vindas. Pausas e intervalos. Ao invés de ficarmos chateados com as despedidas, é preciso agradecer pela vista. Cada uma nos deixa um legado.

Há visitas que duram o intervalo de um verão. Elas vêm como brisa suave, refrescam nossos dias por um tempo. Preenchem alguns meses com leveza, alegria e logo depois desaparecem. Podemos ficar chateado com o efêmero que parece trem bala. Saber aproveitar cada momento é um dom. Poder dizer que ama, sente saudade a fim de não deixar nada para depois deve ser essencial. Mesmo assim as pessoas podem ir embora. Aceitar as partidas exige um bocado. Porém, cada pessoa tem um tempo para permanecer. Tentar prender o outro ao nosso lado é uma enorme tolice. Um dos princípios do amor é a liberdade. Para cultivar é preciso aceitar as chegadas e as partidas.

Há visitas que passam por um logo período de férias. Pessoas que foram essenciais, coloriram o cotidiano e tantas coisas por ali passaram. De repente por meses ou anos, a distância se faz presente. Não há mais noticias, convites para um café e nem mesmo um encontro por acaso. Às vezes por orgulho, falta de tempo ou até mesmo por distâncias geográficas, intervalos longos podem acontecer. Entretanto, se há amor, as pessoas voltam. O que a vida une e tece com açúcar e afeto retorna para gente. É preciso ter paciência, compreender os empecilhos, mas estar sempre pronto para uma possível volta. E quando isso acontece devemos agarrar esta oportunidade com unhas e dentes. Nada de cobranças e nem a velha mania de lavar roupa suja. É preciso estar grato pelo retorno e recomeçar a amizade a partir do momento presente. A intimidade vai se instalar aos pouquinhos, há coisas que mudaram e novidades que irão surgir. Seja qual tenha sido o motivo da interrupção para reiniciar é preciso deixar o passado de lado assim como o orgulho. Aceitar a vinda do outro de forma incondicional é aceitar as imperfeições, as brigas antigas e qualquer outro ressentimento. Afinal relações são formadas de muitas rugas é isso que traz a singularidade, as cores bonitas e a humanidade.

Há visitas que são constantes. Estas permanecem ao longo do tempo. Podem passar por inúmeras provas de paciência à alguns ataques de nervos. Afinal ninguém disse que conviver é uma tarefa fácil. Não quer dizer que precisa ser impossível. Tem pessoas que convivemos todos os dias, seja por amizade, família, trabalho ou social. Algumas vamos ganham simpatia e carinho com o tempo. Outras não conseguimos desenvolver apreço, mas devemos respeito. Complicado isso de ter que amar alguém, já que amor não deve ser imposto. A convivência diária é composta de intimidade, momentos embaraçosos, alguns conflitos e muita cooperação. É preciso aceitar dias de cão, birras, manias bizarras e uma pá de esquisitices. Saber perdoar erros que parecem imperdoáveis e muitas vezes fingir que nada aconteceu. Afinal a gente também pisa na bola, dá chilique e desafina para caramba. Essas pessoas darias podem ser um desafio só que sem elas não haveria graça Com o tempo a gente sente falta, passa a se preocupar e pode desenvolver um mar de afetos. Preste atenção nas pessoas ao seu redor que fazem parte da sua rotina e perceba qual é o tipo de sentimento que você está ou não direcionando a elas.

A forma pela qual tratamos os outros é um indicativo de como também queremos ser tratados., Muitas vezes tratamos mal as visitas ao nosso redor e esperamos receber gentileza e apreço em troca. Pode acontecer que estejamos munidos de gentileza, porém, recebemos pedras em troca. Impossível saber a reação das pessoas ao nosso redor. Um conselho é melhor andar provido de gentileza e sorrisos do que viver rosnando por aí. Viver de mau humor e sempre a beira de um chilique não faz bem para a saúde e nem para pele. Mesmo que nem sempre recebamos as melhores coisas do mundo, devolver na mesma moeda é idiotice. Trate com afeição mesmo aqueles lhe tratam com indiferença. Pode parecer complicado, mas com o tempo faz um bem danado.

A vida é assim como um saguão de aeroporto. Chegadas e partidas. Pausas e intervalos. Nessa dança de cadeiras ninguém permanece igual. Cada visita nos transforma. Nós transformarmos as pessoas ao nosso redor mesmo que sem querer. Nesses encontros e desencontros a vida vai tecendo um emaranhado de histórias. É preciso ser uma vírgula para que um recomeço seja sempre esteja ali na esquina. Cultive mais reticências do que pontos finais. Permita-se deixar três pontinhos por onde passar para que as visitas por mais inconstantes sejam sempre bem vindas.


Bruna Girardi Dalmas

Não existe uma pílula para cada problema de nossas existências. Mas, ficar estacionado em nossas zonas de conforto não é a melhor saída. Vai ficar aí estacionado ou vai desenvolver algo criativo? Aqui você encontrará pílulas de inteligência embaladas em recortes dos mais variados temas para sacudir o cotidiano e preenche-lo de cores bonitas..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// //Bruna Girardi Dalmas