Ester Chaves

Ester Chaves é uma escritora brasiliense. Graduada em Letras pela Universidade Católica de Brasília e Pós-graduada em Literatura Brasileira pela mesma instituição. Atuante na vida cultural da cidade, participou de vários eventos poético-musicais. Já teve textos publicados em jornais e revistas. Em junho de 2016, teve o conto “Os Voos de Josué” selecionado na 1ª edição do Prêmio VIP de Literatura, da A.R Publisher Editora.

Dormir no sofá é retiro espiritual para quem já desistiu de sonhar ao lado de alguém

"Quem deixou de amar e está saindo de um relacionamento, usa qualquer atrito para embasar a decisão de ir embora. Tem por hábito dizer para o outro o que mais o irrita, depois sai de perto. Age como se a reação fosse um ataque de fúria desnecessário. Não bastasse a mágoa exposta no coração do outro, ainda se transforma num chato, num incendiário de memórias, num corruptor de emoções".


sleeps-336206_1920.jpg

O relacionamento que está prestes a ruir, dá sinais. A implicância antes leve, transforma-se em rabugice. Qualquer olhar atravessado é motivo para desencadear um bate-boca. Na briga atual, entram todos os assuntos que ficaram pendentes numa DR antiga. A memória consegue ser mais afiada do que a língua. Quem iniciou a briga só recua quando percebe que virou escândalo. Tenta contornar a situação antes que o vizinho do apartamento ao lado comece a esmurrar a parede para solicitar que as vozes alteradas se abriguem no silêncio. Dormir no sofá é retiro espiritual para quem já desistiu de sonhar ao lado de alguém.

Quando a relação se encaminha para o fim, dormir no sofá não é mais o cantinho da disciplina para pensar em argumentos e acordos de paz, é um acampamento dentro das mesmas instalações, mas com propósitos diferentes. Um dormitório avulso para pesquisar o preço do aluguel na rua mais afastada, de preferência em locais onde o encontro do ex-casal seja improvável.

Quem deixou de amar e está saindo de um relacionamento, usa qualquer atrito para embasar a decisão de ir embora. Tem por hábito dizer para o outro o que mais o irrita, depois sai de perto. Age como se a reação fosse um ataque de fúria desnecessário. Não bastasse a mágoa exposta no coração do outro, ainda se transforma num chato, num incendiário de memórias, num corruptor de emoções.

A resolução de continuar morando sob o mesmo teto enquanto as pendências burocráticas são resolvidas, é uma economia burra. Quem pede a separação, nem sempre respeita o último capítulo da história. Sabe que o comportamento hostil influi diretamente na condição emocional do ex- parceiro que ainda está tentando assimilar o baque, mas mesmo assim mantém as provocações.

Quem pede a separação, às vezes infringe as regras da boa convivência só para aumentar a distância e justificar que a união foi um equívoco. O desgaste posterior à decisão do rompimento é pior que o próprio rompimento. Quem pede a separação costuma alardear que foi o dono da última palavra. Esquece que o silêncio é um exímio juiz de paz.


Ester Chaves

Ester Chaves é uma escritora brasiliense. Graduada em Letras pela Universidade Católica de Brasília e Pós-graduada em Literatura Brasileira pela mesma instituição. Atuante na vida cultural da cidade, participou de vários eventos poético-musicais. Já teve textos publicados em jornais e revistas. Em junho de 2016, teve o conto “Os Voos de Josué” selecionado na 1ª edição do Prêmio VIP de Literatura, da A.R Publisher Editora..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Ester Chaves