chacoalhão

sublime cotidiano

Renan Berlitz

Publicitário por formação e desajustado por natureza. Apesar de ser supersincero e muito exigente, tenta viver uma vida mais leve

Tatuagem da vida

Tem certeza que você não tem nenhuma?


Tatuagem da vida1.JPG

Em uma noite bem despreocupada dessas do meio da semana, troquei algumas frases com um amigo que me fizeram refletir. Indiferente do que fashionistas e opiniões alheias dizem, eu uso regata sim. Na noite em questão, estava muito quente e então eu resolvi apostar nessa alternativa mais condizente ao verão. O papo foi gerado porque, até então, meu amigo não tinha visto que eu tenho uma tatuagem. Foi ela a culpada por me fazer escrever esse texto.

Não sei o que mais chamou atenção do meu colega. Talvez por eu nunca ter dito que tinha, talvez porque eu não pareça ser do tipo que teria uma, talvez só porque nunca tinha visto mesmo. O que ele fez questão de perguntar, além do que ela era, foi de quantos anos eu tinha quando eu fiz. Respondi que achava que há uns 6 anos, então eu estava na casa dos 21. Essa pergunta fez com que ele continuasse o miniquestionário, e a próxima foi se eu não me arrependia de ter feito, ainda mais sendo tão novo. Repliquei: “Nenhum pouco!”. Assim, ele meio que encerrou as falas dizendo que, se fosse ele, provavelmente já teria se arrependido e que ele tinha vontade de fazer, mas tinha dificuldade em lidar com decisões permanentes. Além disso, ele também disse que ficava bastante em dúvida em relação ao processo, porque, segundo ele, vai que daqui a uns 20 anos descobrem que a tinta é tóxica e causa câncer? Foi assim com o cigarro, lembra?!

Vamos a algumas atualizações. Primeiramente, para quem ainda não sabe, tatuagem não é permanente. Estou falando da normal mesmo, com agulha e tudo. Dá para tirar com algumas sessões de laser. Já me disseram que é quase um tratamento de canal, mas ela sai. Justamente visando a dor do processo, já inventaram um creme que remove totalmente, e o melhor, totalmente indolor. Ele ainda não está sendo comercializado, porque ainda precisa de autorização dos órgãos competentes. Logo, logo ele estará aí. Então vamos parar de usar tatuagem como sinônimo de permanente, ok?

Sobre a questão do arrependimento, sim eu sei que tem gente que se arrepende. Mas eu não sou uma delas. No meu caso, ela foi pensada por quase um ano até ser devidamente executada. Não que você precise de todo esse tempo para fazer a sua, mas dedicar alguns dias para ela não vai fazer mal, pode ter certeza. Aliás, outro fato é que cada um é diferente. Se meu colega não tinha, e talvez continue sem ter, maturidade suficiente para fazer uma tatuagem, melhor não fazer mesmo. Só não vale achar que todo mundo ainda é inconsequente com 21.

A sua tatuagem por ter um grande significado ou pode ser só por estética. A sua tatuagem pode ter sido decidida pelo simples fato de passar na frente de um estúdio, ou você pode ter demorado alguns anos para decidir. A sua tatuagem pode representar 80% do seu corpo ou pode ser um coraçãozinho na sola do seu pé. Cada um faz o que quiser, onde quiser e se quiser. Meu corpo, minhas regras.

A vida fica muito chata quando se vive o tempo inteiro com medo. Só porque, talvez, daqui a alguns anos vão descobrir que o plástico da ponta dos cadarços dos tênis causa hepatite C, eu tenho que viver caminhando de chinelo e encher os meus pés de bolhas? Acho que não. Sei que é preciso se preocupar um pouco com o futuro, mas também não dá para ficar sofrendo por antecipação. Você acaba não vivendo. Um pouco mais de aqui e agora, por favor?

O que o meu colega não sabia é que ele também tinha uma tatuagem. A dele era uma frase que diz “Eu tenho medo de viver”, e esse tipo é bem especial, porque só ele pode ver. A tinta dela é tão forte, que talvez essa tatuagem dele não tenha jeito de sair mesmo.


Renan Berlitz

Publicitário por formação e desajustado por natureza. Apesar de ser supersincero e muito exigente, tenta viver uma vida mais leve.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious //Renan Berlitz
Site Meter