cinema e reflexão

Filmes antigos por novos ângulos

CLAUDIO COSTA

Exercite o cérebro: é uma hipertrofia gratificante.

INDIVIDUALIDADE?

Somos quem queremos ser ou somos um produto de autoconsumo? Este pequeno texto é sobre a diversidade unitária.


produção 2.jpg

Hoje prezamos muito a nossa individualidade, na verdade, o mundo cultua e divulga o Império do Individualismo. A época do coletivismo em que o indivíduo só era reconhecido quando estava inserido no grupo, não existe mais. Época em que o Eu era Nós. Nosso mundo de Eus, de indivíduos com singularidades, que estão libertos para serem o que quiserem ser, para serem o que são dentro de suas próprias subjetivações, esse mundo é o melhor dos mundos. Viva a liberdade de sermos nós mesmos! Será?

Nós somos realmente o que queremos ser? Somos quem somos? A nossa individualidade é um produto de massa. O nosso eu é um constructo de outros, que utilizam a fundamentação da individualidade para nos homogeneizar. Somos livres para sermos iguais a todo mundo. Usamos jeans e tênis. Quando vamos a um evento mais formal colocamos terno, blusa social e sapato. Comemos no Mcdonald’s, no Subway, no Outback e Bob’s. Bebemos Brahma, coca-cola, Heineken, fanta, perrier e Ades. Desejamos Ferrari, Armani, DKNY, Audi, Lamborghini, Prada, Dubai e Cartier.

Nossa individuação está gerando uma reificação que comporta um esvaziamento do ser. Estamos sendo padronizados, uma produção que atende a uma demanda de mercado. O indivíduo como produto solipsista entra como um cálculo bioeconômico, administrando, inclusive, um possível efeito negativo do processo produtivo: a depressão. (A depressão gera lucro por meio da medicalização).

A armadilha da liberdade é que somos livres para obedecer. Não somos o que somos, somos o que precisam que nós sejamos. A armadilha da individualidade é que se formos muito singulares não seremos aceitos pelo grupo. E o grupo obedece a uma lógica que transcende o próprio grupo. Estaríamos vivendo em uma sociedade de diversidade unitária?


CLAUDIO COSTA

Exercite o cérebro: é uma hipertrofia gratificante..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //CLAUDIO COSTA