cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

"Último tango em Paris": um brinde ao amour fou

Este artigo objetiva analisar o polêmico filme "Último tango em Paris" sob a perspectiva do amour fou e da liberdade.


17214118.jpg

Considerado, ainda hoje, por muitos, como um filme pornográfico, a obra polêmica de Bertolucci joga luz sobre o amour fou, realizando uma bela metáfora, entre o amor desmedido e as amarras de uma sociedade que nega o que não pode entender.

"Último tango em Paris" mostra simbolicamente que quem dança fora do ritmo e propõe passos novos é convidado a se retirar do salão. Por meio da cena em que os protagonistas dançam desajeitadamente no meio de casais robóticos, que disputam um concurso de tango, vemos nitidamente como o automatismo social quebrado é rapidamente e veementemente punido.

Por meio do erotismo e do intimismo, as marcas de Bertolucci, o diretor analisa as escassas possibilidades que o mundo oferece. Jeanne e Paul se refugiam do mundo externo num apartamento quase vazio, mais uma bela metáfora de suas próprias vidas. O colchão no centro da sala nos revela simbolicamente o poder e a centralidade do amor erótico na vida das personagens e da própria sociedade.

Muito mais que um filme sensual, "Último tango em Paris" é uma feroz crítica à sociedade e aos seus mecanismos e jogos de poder; é um manifesto em prol da espontaneidade e da liberdade. O contraponto do romance entre Jeanne e Paul é o noivado da co-protagonista com um jovem cineasta afetado, que teatraliza o amor ao invés de vivê-lo. A figura do jovem artista nos remete ao cinema francês ( o ator escolhido para o papel atuou em muitas obras de Truffaut, importante nome da Nouvelle Vague francesa) e à constante preocupação em racionalizar o irracional; nomear o que não precisa de nome.

Falando em nomes, no princípio do romance clandestino, o personagem de Marlo Brando não quer saber o nome da jovem amante nem dizer o seu. Os nomes aparecem nesta obra como um grilhão que nos prende a toda uma referência social. Junto com o nome vem a família, as máscaras sociais, a necessidade de respeitabilidade, o comodismo e o medo de sair da zona de conforto. Junto com o nome vem o automatismo social, o oposto radical do amour fou e a impossibilidade de ser livre. A liberdade aqui é quase o sinônimo de felicidade.

ultimo-tango (1).jpg

Na famosa "cena da manteiga", em que é sugerido um ato de sodomia, o personagem de Brando faz um febril discurso, afirmando que as crianças são torturadas até aprenderem a mentir. Esta frase por si só merece muitos momentos de reflexão, provavelmente, uma releitura histérica, desesperada e febril do pensamento de Jean-Jacques Rousseau, filósofo suíço do século 18. Rousseau afirmava que o homem era bom por natureza, mas a sociedade o corrompia.

Porém, "Último tango em Paris" tem outros méritos. Todos os elementos estéticos conspiram para a aura melancólica e angustiante do filme, incluindo a trilha sonora de Gato Barbieri, a atuação de Brando, o intimismo da fotografia que se expressa por meio de movimentos rodopiantes e uma coloração avermelhada em algumas cenas. O vermelho surge quase como um grito estrangulado que se liberta no apartamento refugiado; como o grito que o personagem de Brando nos dá na primeira sequência do filme.

Um filme verdadeiramente romântico, pois põe em xeque os clichês amorosos, para depois retomá-los dentro de suas limitações. Paul tenta viver um amor anticonvencional, mas o amor nos conduz inevitavelmente às obviedades. Paul se curva diante do trivial e é aí que temos uma grande surpresa; a grande bofetada de Bertolucci em nossos rostos politicamente corretos. Um detalhe gigantesco que merece atenção é Jeanne ser filha de um militar. Creio que muitas de suas atitudes têm profunda relação simbólica com este fato. Vale a pena conferir !


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/cinema// @destaque, @hplounge, @hp, @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Sílvia Marques