cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

O sexo e a generosidade

Nem tudo é maravilhoso. Não adoramos fazer tudo. Mas por que não entrar no jogo do outro para satisfazê-lo? Obviamente vale a pena conceder na cama quando o outro também concede a nós. É uma relação de troca mesmo, em que cada um dá o seu melhor e consequentemente os dois recebem o que mais querem. É uma equação fácil, indolor.


casal-cama-sexo-oral-18656.jpg

Quando falamos em generosidade algumas imagens vem à nossa cabeça como ajudar uma senhora a atravessar a rua ou oferecer um prato de comida a quem tem fome. Pensamos no trabalho voluntário de todas as naturezas, na capacidade que algumas pessoas tem de ouvir durante horas os lamentos de um amigo, o desprendimento em relação ao status e ao dinheiro.

Mas raramente pensamos que podemos ser generosos com nossos parceiros amorosos em relação ao sexo. Encaramos como generosa a pessoa capaz de abrir mão de um compromisso para ficar com o cônjuge. Associamos generosidade com a capacidade que temos de cuidar, amparar e aconselhar o parceiro. E tudo isso é realmente generosidade sim. Precisa ser muito generoso para cuidar do parceiro de bom grado.

Porém, neste artigo quero me centrar num aspecto pouco analisado da generosidade: a sexual. A cama é espaço sim de mesquinharias e renúncias. Fala-se muito sobre o tamanho do órgão sexual masculino, a virilidade, o bom condicionamento físico. Fala-se muito da beleza e sensualidade do corpo da mulher. Mas pouco se fala sobre como podemos ser mesquinhos ou generosos na cama.

Considero praticamente impossível uma pessoa egoísta ser boa de cama, mesmo que seja o ser mais potente da face do planeta. Sexo não envolve só órgãos genitais. Sexo envolve entrega, doação, vontade de fazer o outro vibrar, se sentir especial. Quando duas pessoas querem ardentemente fazer o outro sentir prazer, a transa tende a ser maravilhosa, cheia de energia, criatividade, leveza e bom humor.

casal-cama-vinho-13365.jpg

Ninguém é obrigado a fazer qualquer coisa na cama. Cada um tem os seus limites e eles devem ser respeitados. Por outro lado, precisamos parar de bancar crianças mimadas que não comem verdura de jeito nenhum e dizem que odeiam o alimento X sem experimentar antes.

Nem tudo é maravilhoso. Não adoramos fazer tudo. Mas por que não entrar no jogo do outro para satisfazê-lo? Obviamente, vale a pena conceder na cama quando o outro também concede a nós. É uma relação de troca mesmo, em que cada um dá o seu melhor e consequentemente os dois recebem o que mais querem. É uma equação fácil, indolor.

Pessoas egoístas ao meu ver tendem a ser péssimos amantes, pois só enxergam o seu lado e utilizam o outro como mero canal de satisfação pessoal. Por nossa herança judaico-cristã tendemos a ver o sexo como algo inferior ao amor. No entanto o sexo é parte integrante do amor, é a face lúdica e risonha da relação, é um jeito provocante de dizer eu te amo e sou sua ou sou seu.


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Sílvia Marques
Site Meter