cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

Sobre o aqui agora

A vida é caos. É acaso. Não existem certezas. Nada é realmente seguro, confiável. Não adianta planejar, se proteger e a mesma onda perfeita para surfar é a que te leva para o fundo do mar.


mulher-andando-pela-estrada-com-mala-na-mc3a3o-1.jpg

Esqueça tudo o que você leu na infância. Delete os contos de fada do seu imaginário. Esqueça filmes como Uma linda mulher. Quer dizer, não há mal algum em assistir comédias românticas como quem vê uma ficção científica. É importante diferenciar padrões realistas de ilusões que só servem para embaçar a vista e fazer tudo ficar mais complicado.

Não existem prêmios. Não adianta o quanto você tenha sido uma filha obediente, uma criança carinhosa, uma adolescente meiga, não importa que você tente fazer tudo da melhor forma possível, não existem bonificações.

Defendo a bondade e a retidão de caráter pelo simples fato de ser o certo a se fazer. Mas não acredito que o destino reservará um pote de ouro no fim do arco-íris aos cordiais, aos cordatos e aos puros de coração.

Os bonzinhos e os mauzinhos estão sujeitos às mesmas intempéries e conquistar o que se quer não é mérito exclusivo de quem cumpriu as regras e foi generoso.

A vida é caos. É acaso. Não existem certezas. Nada é realmente seguro, confiável. Não adianta planejar, se proteger e a mesma onda perfeita para surfar é a que te leva para o fundo do mar.

Quando algo ruim nos acontece, nos entristecemos. Muitas vezes nem imaginamos que ganhamos muito com grandes perdas. Por outro lado, agradecemos à vida quando algo aparentemente bom ocorre sem perceber que aquela suposta benção será em algum momento a nossa perdição.

Deveríamos julgar menos como bom ou mau os eventos que acontecem. Deveríamos viver mais o momento sem pensar em suas consequências e efeitos colaterais porque se a gente for parar para pensar, como disse Renato Russo, o amanhã não existe.

Deveríamos deixar de lado os grandes sonhos, os planejamentos rebuscados, as promessas e viver o aqui agora sem esperar muito da vida nem dos outros. Tal pensamento me parece perturbador e libertador em medidas praticamente iguais.

Embora tudo que é eterno seja fascinante e altamente desejável, por outro lado, a aceitação de que as coisas acabam ou nem chegam a acontecer por mais que a desejemos com toda a força da nossa alma, nos liberta das expectativas vãs.

Deixar de sonhar e acreditar numa felicidade maior, num amor maior, nos liberta para as felicidades comezinhas, cotidianas, banais, porém, possíveis.

Existe toda uma aura ao redor da consciência da precariedade da existência humana. Quem entende a miséria em que estamos imersos, quem reconhece que estamos por nossa conta e risco, se liberta da mais infeliz das circunstâncias: a ilusão.


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious //Sílvia Marques
Site Meter