cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

Vai uma terapia aí?

Todos nós temos questões mal resolvidas que acarretam em problemas durante a vida. E estas questões vão gerando outras questões e outras que vão tirando completamente a qualidade de vida.


terapia-ideal-para-cada-pessoa-40214.jpg

Se a gente tem dor no estômago, procura um gastro. Se a gente sente dor nas costas, procura um ortopedista, faz fisioterapia. Regularmente vamos ao dentista, oculista, ginecologista , urologista etc etc etc

Mas quando a alma geme, grita , sua , sangra, se chafurda, achamos que a dor vai passar como que por encanto. Má notícia. Não passa não. Ela até pode desaparecer por um tempo, mas depois volta.

Depressão, ansiedade, distúrbios alimentares , entre outros problemas que afligem a alma e refletem no corpo, precisam ser tratados como qualquer outra doença física.

Às vezes com medicação. Às vezes, não. Se procuramos por ajuda cedo, o processo é bem mais simples e menos traumático como alguém que descobre um câncer no início.

Quanto mais tempo a pessoa resistir em admitir que necessita de ajuda, pior a doença vai ficando e mais longo, caro e complicado será o tratamento.

Depressão é tabu na nossa sociedade. As pessoas preferem jogar para debaixo do tapete as suas mágoas. Ignorar um problema não o torna inexistente.

Todos nós temos questões mal resolvidas que acarretam em problemas durante a vida. E estas questões vão gerando outras questões e outras que vão tirando completamente a qualidade de vida.

Você é crítico demais, se irrita com tudo? Vai fazer uma terapia! Você permite que os outros limpem os pés em você? Vai fazer uma terapia!

Você precisa se auto elogiar o tempo todo? Vai fazer uma terapia! Você se acha um zero à esquerda? Vai fazer uma terapia!

Você não consegue abrir o coração? Vai fazer uma terapia! Você não suporta ficar sozinho? Vai fazer uma terapia! Você é muito individualista? Vai fazer uma terapia!

Você é neurótico por beleza? Vai fazer uma terapia! Você é cheio de preconceitos? Vai fazer uma terapia! Você vive angustiado sem motivo aparente? Vai fazer uma terapia! Você não se aceita do jeito que você é? Vai fazer uma terapia!

Você precisa esculhambar os outros para se sentir menos pior? Vai fazer uma terapia! Você não consegue expressar os sentimentos? Vai fazer uma terapia! Você vive de acordo com a opinião dos outros? Vai fazer uma terapia! Motivos não faltam para uma pessoa aceitar que precisa de ajuda.


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/recortes// @obvious //Sílvia Marques