cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

Três formas de amar

Infelizmente, na dinâmica social, principalmente a do mundo corporativo, o que importa é correr atrás de metas sem nunca desfrutar da conquista obtida. O presente nunca é curtido. Nunca se alegra com aquilo que já se tem. Não é à toa, que muitas pessoas que passaram anos dando o melhor de si para empresas, resolvem jogar tudo para o alto e viver de uma maneira mais simples, com menos dinheiro e status e mais alegria.


casal-cama-sexo-oral-18656.jpg

Amor Eros

Assistindo a uma deliciosa palestra do professor Clóvis de Barros Filho, me deparei com três conceitos de amor: Eros, Philia e Ágape. A primeira delas foi proposta por Platão e se refere ao desejo. Desejo é uma falta e amo o que não tenho. Quando consigo, deixo de desejar e consequentemente de amar. É o amor paixão, fogos de artifício.

A segunda definição vem de Aristóteles e é mais animadora. O amor Philia é alegria. É ficar bem com aquilo que se tem. É querer ficar perto de quem já faz parte da nossa vida. Sem o amor Philia os casamentos não se sustentam. Sem o amor Philia também não teríamos amizades de longa data.

casal-sem-filho-mais-feliz.jpg

Amor Philia

O famoso ensinamento que nos propõe a amar o que temos ao invés de amar o que desejamos é tipicamente aristotélico. Quando ouvimos a expressão amor platônico, imaginamos um amor casto. Na verdade , ele não é exatamente casto. Ele existe porque não foi realizado. Caso o seja deixará de existir. Enfim, pelo conceito de Platão, o amor é sempre impossível. É o amor mostrado nos filmes românticos com final infeliz, em que alguém morre ou precisa partir para o bem do parceiro.

Já o amor Ágape é o proposto por Jesus e é o mais amplo de todos. Ele não é desejo nem alegria. Ele não se volta apenas para quem desejamos nem para os que nos proporcionam alegria. Ele deve se voltar a todos , totalmente desinteressado. É a ajuda que você é capaz de dar a um desconhecido que nunca mais verá. É suportar com paciência quem te aborrece. Este tipo de amor é com certeza o mais amplo, o mais complexo e o mais difícil. É o amor total, com A maiúsculo.

madre-teresa-de-calcuta.jpg

Madre Teresa de Calcutá: grande exemplo de amor Ágape

Mas, talvez, mais importante do que conhecer as três concepções apresentadas acima é compreender que a vida só faz sentido no amor. E quando falo amor, não me refiro unicamente ao amor por um homem ou mulher. Me refiro a tudo. Amor pelo trabalho, pelos amigos, por nós mesmos. Como o professor Clóvis afirmou magistralmente, o que mede o sucesso do nosso dia são os abraços que recebemos e as risadas que demos. Enfim, o que importa é o quanto alegramos e fomos alegrados pelos outros.

Infelizmente, na dinâmica social, principalmente a do mundo corporativo, o que importa é correr atrás de metas sem nunca desfrutar da conquista obtida. O presente nunca é curtido. Nunca se alegra com aquilo que já se tem. Não é à toa, que muitas pessoas que passaram anos dando o melhor de si para empresas, resolvem jogar tudo para o alto e viver de uma maneira mais simples, com menos dinheiro e status e mais alegria.

Como afirmo em sala de aula, não deveria haver tantas delimitações e máscaras para viver. Da mesma forma que se pode fazer filosofia no bar, é possível contar piadas em sala de aula. Se a gente for parar para pensar, não existe de fato tanta diferença entre uma sala de aula e um bar. E por que sair com os amigos apenas às sextas à noite? Por que se sentir leve apenas aos finais de semana? Quando se vive plenamente é possível se sentir com energia sempre e termos muitas happy hours, inclusive dentro de uma sala de aula. E a alegria vivida na sala é levada ao bar. É só uma distinção geográfica. A energia pode ser a mesma!


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Sílvia Marques