cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

Dez filmes para quem não tem preguiça de pensar- parte 6

Bem, a sexta parte da lista de filmes para quem não tem preguiça de pensar é papo seríssimo. Se você já se debruçou sobre 50 opções variadas e todas profundamente complexas, você provavelmente já não é mais a mesma pessoa. Um novo horizonte se abriu à sua frente , cheio de possibilidades múltiplas e algumas bem loucas. Mais do que um certificado ou uma medalha, você merece ser convidado para uma boa sessão de cinema e uma xícara de café.


dogville-papo-de-cinema-02.jpg

Cena de Dogville

Bem, a sexta parte da lista de filmes para quem não tem preguiça de pensar é papo seríssimo. Se você já se debruçou sobre 50 opções variadas e todas profundamente complexas, você provavelmente já não é mais a mesma pessoa. Um novo horizonte se abriu à sua frente , cheio de possibilidades múltiplas e algumas bem loucas. Mais do que um certificado ou uma medalha, você merece ser convidado para uma boa sessão de cinema e uma xícara de café. Vamos a mais dez pérolas?

1. Dogville, de Lars Von Trier

Filme longo e bem hermético. O início é jogo duro. Mas se você tiver paciência, possivelmente se enredeará numa trama extremamente cruel, em que nos deparamos com temas poderosos, como por exemplo, o ódio ao estrangeiro ( estrangeiro no sentido de diferente), a irracionalidade das massas e a dificuldade de fugir de si mesmo.

2. A caça, de Thomas Vinterberg

Filme de linguagem simples e contundente sobre um professor da pré-escola que tem sua carreira e vida destruídas por causa de uma garotinha. O filme mostra como as consequências de um boato podem ser devastadores e questiona a inocência infantil.

3. Eu sou o senhor do castelo, de Régis Wargnier

Assustador filme sobre o poder de manipulação e destruição de uma criança enciumada. O filme mostra bem a teoria de Jung, que defendia que o poder é o avesso do amor. Onde falta o amor e a possibilidade de ser feliz sobra a necessidade de ter poder.

PgAAAImWFi72RVkTAUHcWpXBpvSzZcDoxOs7wtAQzXrwJSVTZOTEBmanV5Y_FEVwCIT99sSAa4ArY6Ch2L88zO64dvkAm1T1UGTJYTjzg2wv1JRPDZt2Vk-GGgN-.jpg

Cena do filme Eu sou o senhor do castelo

4. Você vai conhecer o homem dos seus sonhos, de Woody Allen

Com o típico e ácido humor irreverente e niilista de Woody Allen, Você vai conhecer o homem dos seus sonhos mergulha nas ilusões e nos fiascos daqueles que se recusam a encarar a realidade.

5. Cisne negro, de Darren Aronofsky

Famoso filme que rendeu o Oscar à fabulosa Natalie Portman. Cisne negro mergulha no estranho que existe dentro de cada um de nós, com uma linguagem visceral , inebriante e tétrica em alguns momentos.

6. Como água para chocolate, de Alfonso Arau

Filme mexicano baseado em romance homônimo de Laura Esquivel, esposa de Arau, sobre uma tradicional família mexicana no início do século XX, que obriga as filhas caçulas a ficarem solteiras para cuidarem da mãe na velhice. Como água para chocolate é uma deliciosa receita de amor e passionalidade, em que os atos de comer e amar são indissociáveis. Extremamente poético e suavemente erótico.

como-agua.png

Cena do filme Como água para chocolate

7. Paris, Texas de Win Wender

Melancólico e existencialista filme sobre as consequências amargas de um amor louco, marcado pelo ciúme e desejo de posse.

8. Inferno, o ciúme do amor possessivo de Claude Chabrol

Uma espécie de Dom Casmurro francês, mais violento, em que somos obrigados a mergulhar nas obscuridades do desejo sem tréguas de um ciumento.

9. Menina bonita, de Louis Malle

Louis Malle tinha o dom de embelezar o grotesco e fazer poesia com o sórdido. Malle foi o cineasta dos temas tabu. Em Menina bonita , ele descreve o amor entre uma garota de 11 anos e um homem por volta dos trinta, sem nenhum tipo de julgamento moral.

10. Banquete de casamento, de Ang Lee

Visão realista e madura sobre o amor homossexual.

images.jpg

Cena do filme Paris, Texas

Ufa! Esta lista é para os fortes. Mas daqui a pouco tem muito mais! Enjoy!


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Sílvia Marques
Site Meter