cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

Os infiltrados: a falácia da verdade absoluta e a dificuldade de fugir do passado

A psiquiatra policial vivida por Vera Farmiga entra num relacionamento oficial com o falso policial e outro às escondidas e muito mais sincero com o policial verdadeiro que ela imagina ser um mero transtornado. Quando Madeleine descobre quem é realmente o homem como quem ela mora, fica enfurecida. Em uma primeira leitura, mais objetiva e direta, podemos pensar que ela se enfureceu porque viveu com um criminoso sem saber. Em uma segunda leitura, mais subjetiva e subjacente, podemos pensar que em grande parte a sua revolta provém de orgulho ferido porque mesmo sendo uma profissional do comportamento humano foi enganada. Sem falar que ela se autodefinia como uma mentirosa para "manter o equilíbrio" como disse mais de uma vez a Billy.


os-infiltrados-leonardo-dicaprio-e-jack-nicholson.jpg

Os infiltrados, dirigido por Martin Scorsese e vencedor do Oscar de melhor filme em 2007, é muito mais do que um filme de espionagem e ação com um elenco primoroso e cheio de sex apple. Os infiltrados mostra dois temas muito relevantes: a falácia da lealdade e como é difícil fugir do passado.

Colin, interpretado por Matt Demon, é um mafioso que estuda para ser policial e sobe rapidamente na carreira enquanto que Billy, vivido por Leonardo Dicaprio, um policial de verdade com péssima árvore genealógica, é escolhido para se infiltrar na máfia irlandesa. Foi escolhido devido ao seu histórico familiar de crimes e à facilidade para se adequar à situações complicadas como um camaleão.

A psiquiatra policial vivida por Vera Farmiga entra num relacionamento oficial com o falso policial e outro às escondidas e muito mais sincero com o policial verdadeiro que ela imagina ser um mero transtornado. Quando Madeleine descobre quem é realmente o homem como quem ela mora, fica enfurecida. Em uma primeira leitura, mais objetiva e direta, podemos pensar que ela se enfureceu porque viveu com um criminoso sem saber. Em uma segunda leitura, mais subjetiva e subjacente, podemos pensar que em grande parte a sua revolta provém de orgulho ferido porque mesmo sendo uma profissional do comportamento humano foi enganada. Sem falar que ela se autodefinia como uma mentirosa para "manter o equilíbrio" como disse mais de uma vez a Billy, a quem ela realmente amava.

O mais curioso é que Colin é melhor aceito na polícia do que Billy. Colin sobe rapidamente na carreira e é tratado com enorme cortesia enquanto que Billy é escalado para ser um infiltrado sem nenhum tipo de regalia. Por outro lado, Billy ganha mais a confiança do chefe da máfia irlandesa do que Colin que foi praticamente criado por Costello, interpretado por ninguém mais nem menos que o instigante e perturbador Jack Nicholson.

the-departed-jack-nicholson-and-matt-damon.jpg

Em resumo: tanto Colin como Billy se saem melhor como seus personagens e não como eles mesmos, pondo em dúvida a mais complexa e desejada questão: "Quem somos nós?" Não é à toa que Billy deseja acima de tudo ter a sua identidade resgatada, muito mais do que voltar à polícia ou receber condecorações. Tal anseio de Billy reforça o pensamento de Costello que não via grandes diferenças entre um policial e um mafioso.

Colin entrou na máfia por falta de opções mais tentadoras, mas tentou se fixar na polícia, recomeçando a vida. Mas fugir do passado é algo muito complexo. Nem Colin nem Billy conseguem fugir do mesmo. O passado familiar de Billy o conduz ao convívio com mafiosos. O passado de Colin o conduz a um fim trágico. Colin quer outro tipo de vida e Billy apresenta um forte potencial violento, aproximando os personagens moralmente falando.

leonardo_di_caprio_f_045.jpg

Leonardo Dicaprio como o mocinho violento

A escolha de dois atores com idades e tipos físicos semelhantes nos remete à ideia de que qualquer um deles poderia fazer os dois papeis sem prejuízo algum à trama. Os elementos ideológicos do filme são reforçados pelos elementos estéticos. A semelhança física dos atores serve como uma metáfora da semelhança psicológica entre os personagens: dois jovens irlandeses turrões que tiverem poucas chances na vida. Ambos perecem de formas semelhantes também e se envolvem com a mesma mulher que engravida e não sabemos ao certo quem é o pai. Um parece o prolongamento do outro ou o seu avesso, em uma instigante quebra de qualquer ideia maniqueísta.

Falando em chances, merece destaque o pensamento de Costello. O mafioso faz a sua filosofia de vida por meio de grandes escritores como James Joyce. Para ele, ninguém recebe privilégios e vantagens. Cada um precisa fazer a sua vez.

Em um jogo de gato e rato em que gato e rato coincidem ( Colin precisa descobrir quem é o infiltrado da máfia irlandesa na polícia e utiliza a polícia para atacar o policial infiltrado na máfia irlandesa) ambos necessitam se defender de inimigos externos além do pior inimigo de todos: eles mesmos.

Um filme policial cheio de carga psicológica, em que descobrir quem é você mesmo pode ser o maior e mais complexo dos desafios.


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Sílvia Marques
Site Meter