cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

15 filmes comerciais que são um show - parte 2

Preparado para mais uma deliciosa lista de filmes comerciais muito bons?


2413.jpg

Cena do filme Frida

Vamos à segunda parte da nossa listinha de filmes comerciais sim, ruins jamais! Nesta parte , você encontrará boas sugestões de filmes históricos. Eles não dão nós nas caraminholas nem apresentam uma linguagem transgressora. Mas mesmo assim são filmes consistentes e bastante respeitáveis.

1. Frida, de Julie Taymor

Esta versão glamorosa da vida da pintora mexicana Frida Kahlo é emoção na veia. É um filme simples, porém intenso, colorido, com imagens poderosas e uma trilha sonora de tirar o fôlego. Vale a pena para quem deseja conhecer um pouco desta irreverente artista de forma prazerosa.

2. Coco antes de Chanel, de Anne Fontaine

Audrey Tautou incorporou tão bem a interessantíssima estilista Coco Chanel, que ela acabou se tornando garota propaganda de uma sofisticada propaganda do perfume Chanel 5. É um filme simples também, porém elegante e mostra as dificuldades que Gabrielle ( nome verdadeiro de Coco) enfrentou antes de despontar no mundo da moda e como referência de comportamento moral.

coco-avant-chanel-3.jpg

Cena do filme Coco antes de Chanel

3. Sylvia: paixão além das palavras, de Christine Jeffs

Este angustiante e melancólico filme mostra o casamento da poeta e escritora norte-americana Sylvia Plath. Mulher extremamente sensível e ultra intensa tem sua fragilidade emocional acionada por seu marido.

4. Carrie, a estranha , de Brian de Palma

Carrie é muito mais do que um filme de terror. Vou mais longe. Carrie é muito mais do que um filme sobre bullying, fanatismo religioso e poderes telecinéticos. Carrie é um filme sobre até onde podemos suportar a dor e o sofrimento.

carrie_1976_11.jpg

Cena do filme Carrie, a estranha

5. O iluminado, de Stanley Kubrick

Falando em filmes baseados em romances de Stephen King, O iluminado é um bom exemplo de filme comercial realizado com um aparuo estético incrível. O iluminado é uma aula de montagem, sem falar que mesmo superficialmente toca em questões muito importantes, mais aprofundadas no romance de King, que não gostou desta versão por considera-la reducionista. Reducionista ou não é um marco do bom cinema de terror.

6. O silêncio do lago, de George Sluizer

Existem duas versões desta intrigante trama. Ambas foram dirigidas pela mesma pessoa, mas a primeira foi produzida na Europa e a segunda nos Estados Unidos. Adivinha qual delas é a mais realista? Sim, a europeia é a mais realista , mas vale a pena conferir a norte-americana que é mais prazerosa. Apesar de elementos bem fantasiosos, O silêncio do lago tem o mérito de investigar um tema muito interessante: a obsessão humana.

silencio-do-lado.jpg

O silêncio do lago americano

silenciolago.jpg

O silêncio do lago europeu

7. O feitiço da lua, de Norman Jewison

Comédia romântica meio tradicional, mas que apresenta dois belos diferenciais: além de os personagens não serem glamorizados como nas comédias românticas de um modo geral, o filme mostra de forma um pouco hiperbólica o jeito de ser de uma família de descendentes de italianos.

8. Os girassóis da Rússia, de Vittorio de Sica

O filme mostra com simplicidade e muita emotividade os dramas e perdas das pessoas comuns diante de uma grande guerra. O filme se passa durante a Segunda Guerra mundial. Com Sophia Loren e Marcelo Mastroianni.

083_Os-Girassóis-da-Rússia.jpg

Cena do filme Os girassóis da Rússia

9. O morro dos ventos uivantes, de Peter Kominsky

Fidelíssima e intensa versão do célebre romance de Emily Brontë. Ralph Fiennes está perfeito na pele do destruído Heathcliff.

10. Grandes esperanças, de Alfonso Cuáron

Baseado no romance homônimo de Charles Dickens, Grandes esperanças mergulha no doloroso e complexo universo do amor. De um lado temos um rapaz capaz de tudo para ficar com a mulher que ele ama desde a infância. Do outro, temos uma mulher que morre de medo do amor pois presenciou de perto os estragos que ele pode causar. Esta versão foi adaptada para os dias atuais.

3745801_x720.jpg

Cena do filme Grandes esperanças

11. A letra escarlate, de Roland Joffé

Bela versão do romance homônimo com Demi Moore e Gary Oldman vivendo um casal torturado pela intolerância dos padrões morais do século 17.

12. Escritores da liberdade , de Richard LaGravenese

Baseado em fatos reais, este filme mostra Hilary Swank na pele de uma idealista e determinada professora que luta bravamente para mudar a vida de seus alunos delinquentes.

7.jpg

Cena do filme Escritores da liberdade

13. Etham Frome, de John Madden

Baseado no romance da polêmica Edith Warthon, este filme mostra o drama de uma sociedade moralmente rígida, que impedia a realização das aspirações pessoais.

14. Proposta indecente , de Adrian Lyne

O filme que ficou famoso por seu conteúdo polêmico trabalha uma questão muito importante: até onde o amor e o respeito de uma mulher por um homem podem sobreviver sem um mínimo de possessividade.

redford_93_angebot__350045a.jpg

Cena do filme Proposta indecente

15. O destino bate à sua porta, de Bob Rafelson

O filme mostra com uma boa dose de realismo, sensualidade e crueldade o romance entre um ladrão de galinha e uma mulher manipuladora que é explorada pelo marido. O grande mérito do filme é fugir de clichês e maniqueísmos.


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Sílvia Marques