cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

Os ingratos e egoístas que me perdoem, mas generosidade é fundamental

Se não houvesse gente se envolvendo nas mais variadas causas, se não houvesse gente que se dispusesse a ser gentil e prestativo com os vizinhos, colegas de trabalho, amigos, se não houvesse gente capaz de dispor um pouco do seu conhecimento a favor de outras pessoas , se não houvesse gente que perguntasse "Tudo bem?" disposto a ouvir um longo relato, o mundo seria ainda pior , com mais sofrimento, com mais abandono.


imagesIUQ05ID9.jpg

Laranja mecânica. Alex vivia unicamente para fazer o que queria

Os ingratos e egoístas que me perdoem, mas generosidade é fundamental. Meu texto não apresenta nenhum viés religioso porque a generosidade não é exclusividade daqueles que professam uma fé em uma força superior e frequentam um culto. A generosidade é um atributo humano que pode ser expresso por pessoas de todos as faixas etárias , etnias, credos e níveis sociais.

Ser generoso não significa necessariamente sair pela cidade distribuindo sopa à noite. Embora tal gesto expresse uma grande generosidade , existem muitas maneiras de uma pessoa ser generosa. O trabalho voluntário é a mais emblemática de todas, mas podemos ser generosos diante das mais variadas pessoas e situações do nosso cotidiano. Às vezes, um gesto muito pequeno e simples, aparentemente sem importância , pode indicar o quanto somos generosos ou não.

Ninguém é obrigado a ajudar ninguém. Ninguém é obrigado a oferecer um pouco do seu tempo e da sua energia para ouvir quem está triste , para prestar gratuitamente algum tipo de serviço para alguém necessitado. Porém, se todas as pessoas se fechassem no seu quadrado e olhassem apenas para o próprio umbigo, considerando apenas as suas necessidades, o mundo estaria ainda mais caótico do que já está.

Se não houvesse gente se envolvendo nas mais variadas causas, se não houvesse gente que se dispusesse a ser gentil e prestativo com os vizinhos, colegas de trabalho, amigos, se não houvesse gente capaz de dispor um pouco do seu conhecimento a favor de outras pessoas , se não houvesse gente que perguntasse "Tudo bem?" disposto a ouvir um longo relato, o mundo seria ainda pior , com mais sofrimento, com mais abandono.

Não querer ajudar , não querer se envolver, tudo bem. É uma escolha. É um direito. Porém, negar o valor e a importância de quem ajuda , de quem se importa , de quem se envolve , desmerecendo as pessoas que saem da zona de conforto para contribuir , nem que seja com o vizinho ou com o melhor amigo, é uma atitude maldosa. As relativizações existem, mas há um limite para tudo: dizer que ser egoísta é bom, é querer tapar o sol com a peneira. É querer justificar o próprio comodismo e falta de empatia.

Como falei anteriormente , ninguém precisa sair pela cidade distribuindo sopa. Ninguém precisa se filiar numa ONG para fazer o bem. Basta ser carinhoso com as pessoas da família. Basta ser um colega de trabalho solidário. Basta ser uma pessoa que não se afasta dos amigos quando estes estão tristes. Basta ser gentil com as pessoas que possuem funções mais humildes na sociedade. Basta dar a passagem para uma pessoa idosa no caixa do supermercado ou dar passagem para alguém que vai comprar apenas um produto enquanto carregamos uma compra enorme. Normalmente as pessoas não param para pensar neste tipo de coisa. Se estamos com 50 produtos num caixa de supermercado, o que custa deixar passar na nossa frente alguém que carrega dois ou três itens?

Enfim, são atitudes bem pequenas que acabam fazendo a diferença. Um sorriso, um bom dia alegre podem parecer coisas desimportantes , mas muitas vezes melhoram o dia de uma outra pessoa.

Mas, pior do que o egoísmo simples e puro é a ingratidão. É menosprezar quem nos ajudou , quem nos amparou num momento de dificuldade. Não admitir o mérito de quem nos ajudou , não demonstrar um mínimo de simpatia e consideração por quem nos apoiou é o cúmulo da falta de empatia.

É egoísta e não pretende mudar? Sem problemas. Mas não diga que ser egoísta é uma coisa boa. É uma mentira. É deslealdade intelectual. Mais do que isso: é tentar ultrajar a inteligência alheia.


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Sílvia Marques