cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Doutora em Comunicação e Semiótica, psicanalista lacaniana, escritora e atriz. Indicada ao Jabuti 2013. Idealizadora da Pós em Cinema do Complexo FMU.

www.psicanalistasilviamarques.com

Precisamos falar sobre dependência afetiva

O parceiro não é uma muleta para almas quebradas. Não é Rivotril para almas ansiosas. Nem antidepressivo para almas tristes e cansadas. Embora o relacionar-se afetivamente nos torna realmente mais alegres e otimistas , o outro não pode ser visto nem tratado como um medicamento para as feridas que carregamos de outras experiências.


mulher-triste-Envergonhada-E-Decepcionada-Comigo Mesma_ O- Que-Fazer-Quando-Eu-Pecar-Edificados-na-Verdade.jpg

Sim, precisamos falar sobre dependência afetiva. Infelizmente , pessoas maravilhosas não conseguem se relacionar a contento por causa desta característica que mina os relacionamentos. Quando o zelo e o carinho que dispensamos ao nosso parceiro deixa de ser zelo e carinho e passa a ser necessidade de autoafirmação e uma estratégia de suprir a própria carência e sentimento de solidão, o que era amor no começo se deteriora aos poucos , começa a minguar, até a pessoa perder a vontade de estar junto com o parceiro que sofre de dependência afetiva.

Não quero dizer que considero benéfico e saudável ser um parceiro afetivo displicente , desatencioso, que vive dando bolos no namorado/namorada. Não quero dizer que ser frio , indiferente, enfim, negligente no sentido emocional seja louvável. Muitas vezes, o parceiro reclama de negligência afetiva com razão, com bons motivos. Mas, no atual post, quero falar sobre pessoas extremamente carentes.

Quero dizer que a relação precisa respirar . Se não dermos tempo e espaço para o parceiro, a relação se torna sufocante. O parceiro é um companheiro, alguém que compartilha a vida conosco, que divide alegrias e tristezas. Alguém que divide os momentos banais também, pois quase sempre não estamos nem alegres nem tristes. Quase sempre estamos tocando a vida.

O parceiro não é uma muleta para almas quebradas. Não é Rivotril para almas ansiosas. Nem antidepressivo para almas tristes e cansadas. Embora o relacionar-se afetivamente nos torna realmente mais alegres e otimistas , o outro não pode ser visto nem tratado como um medicamento para as feridas que carregamos de outras experiências.

É preciso buscar forças e motivação na nossa própria vida. É preciso ter interesses pessoais , objetivos , anseios que não dizem respeito ao parceiro. Embora o parceiro seja figura essencial em nossa existência , é preciso buscar outras referências que nos enriqueçam como ser humano.

Algumas pessoas esquecem que tem família e amigos quando começam a namorar. Outras passam a negligenciar a vida profissional, se tornam desinteressadas em relação a tudo, passam a descuidar das finanças. Quando nos amamos e cuidamos bem de nós mesmos ficamos mais aptos a cuidar do parceiro, ficamos mais aptos a sermos profundamente amados.

Tudo o que eu estou escrevendo é muito simples de se colocar no papel ou dizer. O complicado é colocar em prática porque na teoria sabemos e entendemos milhares de coisas. Mas na prática , quando a carência começa a berrar em nosso ouvido, fica muito difícil de escapar das famosas armadilhas de um coração que já foi partido mil vezes e busca na relação atual uma espécie de cola para juntar os caquinhos.


Sílvia Marques

Doutora em Comunicação e Semiótica, psicanalista lacaniana, escritora e atriz. Indicada ao Jabuti 2013. Idealizadora da Pós em Cinema do Complexo FMU. www.psicanalistasilviamarques.com.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Sílvia Marques