cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

Sobre o poder da poesia

A natureza , as artes , o amor ao saber , o contato com as outras pessoas deveriam ser os nossos ícones. E não os shoppings centers que viraram os templos sagrados da nossa sociedade. Deveríamos gastar menos tempo e dinheiro em barzinhos da moda e fazer mais encontros em casa. Deveríamos dedicar mais tempo aos amigos de verdade do que aos contatos sociais. Deveríamos dedicar mais tempo ao prazer , à alegria do que aos cursos online para estimular uma produtividade, muitas vezes, mecanizada. Deveríamos criar nossos filhos para serem pessoas inteiras e não robozinhos que servem aos interesses do status quo.


Chuva-janela.jpg

Em tempos de literatura de autoajuda e frases prontas pregando um otimismo irreflexivo, falar sobre qualquer tipo de poesia parece algo anacrônico, sem muito sentido.

Não, não, não! Não estou pregando o pessimismo. Questionar um otimismo sem embasamento não significa ser pessimista. Entre os extremos , existem sempre muitas possibilidades. Normalmente as mais interessantes e intrigantes.

Não creio que devamos ser reclamões e acomodados. Não creio que devamos cruzar os braços porque a vida é difícil. Sim, a vida é bem difícil. Não creio que devamos nos acostumar com tudo nem nos conformar com uma vida apequenada, medíocre.

Por outro lado, não creio que com pensamento positivo tudo se resolva. Não creio num manual estilo receita de bolo para ser feliz. Muito pelo contrário. Acho que este tipo de literatura mais atrapalha do que ajuda. Num primeiro momento parece ajudar pois infla o leitor de esperança. Mas conforme o tempo vai passando e a pessoa vai percebendo que pensamento positivo colabora , mas não é tudo, um sentimento de revolta pode surgir. Conta o Universo. Contra si mesmo. Sim, muita gente quando não consegue concretizar as promessas dos livros de autoajuda podem voltar-se contra si mesmas , achando que não tiveram fé suficiente. Achando que não pensaram positivamente o bastante.

Me parece que esta necessidade de encontrar uma causa e um efeito para tudo é um bom começo para pirar qualquer pessoa. Falo por experiência própria. Sim, algumas coisas não fazem muito sentido mesmo. Se a gente for buscar o porquê de tudo, corre o sério risco de deixar de viver as coisas mais simples e ao mesmo tempo sublimes da nossa existência. E é aí que entra a poesia no meu atual post...

Quando uso o termo poesia , não me refiro apenas ao gênero literário. Me refiro a todas as poesias da vida. Me refiro à poesia que existe num jogo de luzes e sombras numa fotografia ou num quadro. Me refiro à poesia de uma música que fala ao coração. À poesia que habita o cheiro do café recém-coado, o cheiro do bolo assando, a textura da manteiga se derretendo no pão quente , as gotas de chuva através do vidro da janela, o risinho de uma criança , o balbuciar de um bebê , o abraço apertado entre amigos que não se veem há muito tempo. E falo da poesia como gênero literário também.

Raramente paramos para ler um livro de poesias ou nos deleitamos diante de um quadro. Raramente nos deixamos levar pelas luzes de uma fotografia , pelas formas e cores de uma pintura , pelos silêncios de uma música. Raramente nos deixamos levar pelo calor morno de uma manhã ensolarada ou pelo frio nostálgico de uma tarde cinzenta. Normalmente comemos e bebemos apressados , sem sentir as rimas e metáforas que existem numa simples xícara de café , numa taça de vinho, no sorriso da pessoa amada. Normalmente andamos apressados , querendo realizar e realizar cada vez mais , mergulhados em planos infindáveis. Mas raramente nos deixamos envolver pelas coisas que já fazem parte do nosso presente , que esperam pacientemente por apenas um olhar nosso.

Sim, deveríamos ler mais poesia e filosofia. Não para arrotar conhecimento na cara das pessoas. Mas para transformar a nós mesmos. Deveríamos carregar mais livros debaixo do braço, dentro da alma. Deveríamos passear mais em livrarias , passar tardes em cinemas alternativos , fazer piqueniques em parques. E entre uma mordida num sanduíche caseiro e um gole de uma bebida qualquer , degustar pensamentos poéticos , compartilhá-los com pessoas queridas.

A natureza , as artes , o amor ao saber , o contato com as outras pessoas deveriam ser os nossos ícones. E não os shoppings centers que viraram os templos sagrados da nossa sociedade. Deveríamos gastar menos tempo e dinheiro em barzinhos da moda e fazer mais encontros em casa. Deveríamos dedicar mais tempo aos amigos de verdade do que aos contatos sociais. Deveríamos dedicar mais tempo ao prazer , à alegria do que aos cursos online para estimular uma produtividade, muitas vezes, mecanizada. Deveríamos criar nossos filhos para serem pessoas inteiras e não robozinhos que servem aos interesses do status quo.

Deveríamos cultuar mais livros e filmes do que sapatos e bolsas. As nossas estantes de livros deveriam ocupar mais espaço em nossas casas e em nossas vidas do que nossas sapateiras. Muita gente ao ler esta frase , vai pensar ou dizer: "Qual é o problema de preferir sapatos a livros? Preferir sapatos é uma questão de gosto, ué?" Se alguém não consegue entender que livros são mais importantes do que colecionar sapatos , eu realmente não tenho nada a dizer. Preferir sapatos , ok. Sem problemas. O triste é não conseguir entender a superficialidade da sua preferência. Sei que minha frase soa de forma bem pedante e autoritária, mas chega uma hora em que não dá mais para usar meias palavras. Sim, me parece muito triste viver em uma sociedade que não consegue enxergar o quanto suas prioridades demonstram uma devastadora superficialidade emocional e intelectual.

Por outro lado, também é inegável que existem muitos devoradores de livros que são superficiais e que não conseguem traduzir para a própria vida aquilo que eles leem. Usar o conhecimento como estratégia de dominação provavelmente é muito pior do que ser meramente superficial.

Sim, deveríamos buscar a felicidade existencial e única e não a felicidade pasteurizada que se reverte em mais um objeto de status. Deveríamos falar e entender mais sobre as variadas poesias...deveríamos ser nós mesmos mais poesia do que simplesmente pedras de um jogo de xadrez servindo à regras que não compreendemos e nos deleitando com vitórias que não são nossas.


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 7/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Sílvia Marques
Site Meter